Mineiro vende empadas para se formar em medicina e cuidar da mãe doente

Poderia ser mais uma daquelas histórias de superação, de jornada do herói, de protagonismo do jovem negro que rompe as dificuldades impostas socialmente para se formar em um curso privilegiado como o de medicina. Mas a história de Israel Naasom é bem mais que tudo isso!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Naasom é o nome de um príncipe israelense que significa “encantador”. E o nome próprio Israel corresponde a “soldado que tudo vence”. Não poderia haver tradução melhor para esse rapaz nascido em Vargem Alegre (MG).

O estudante tem 23 anos de idade, seu pai é ajudante de pedreiro e a mãe trabalha como empregada doméstica, assim como tantas famílias nesse país, que vivem nessa mesma formação estrutural.

Jovem estudando para vestibular de medicina na cozinha de casa com vários livros
Foto: Arquivo pessoal

Jande é a irmã mais velha, com 18 anos, João Vitor tem 15 anos e Edson tem 11. Naasom é espelho para todos eles. Foi nessa família que ele cresceu, estudou sempre em escolas públicas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eu sempre tive o sonho de ser médico, mas devido as condições financeiras, isso parecia ser altamente impossível“, conta. E realmente é muito mais difícil com todas essas condições.

Jovem que quase largou estudos é aprovado para estudar medicina em Harvard

A certeza de que precisava ser médico veio quando a avó morreu por complicações do Alzheimer. Em seguida, a mãe passou a sofrer com muitas dores. Para todas as duas, os serviços públicos de saúde não prestaram assistência.

Era o gatilho para acender a vontade de fazer medicina em Naasom. “Decidi que correria atrás desse objetivo, como forma de procurar melhorar a qualidade de vida dos pacientes que eu tivesse contato no futuro. Foi ali que eu entendi que eu precisava entrar em medicina, eu precisava tirar a minha mãe daquela situação“, relembra.

O jovem tentou acesso às universidades públicas no Brasil, até que conseguiu entrar no curso na cidade de Pedro Juan Caballero, no Paraguai. Para ir para o outro país, ele tinha apenas R$ 120,00 em mãos. Foi então que recebeu a doação de 1.250 livros de amigos da igreja que frequentava para vender e fazer dinheiro para a mudança, e vendeu todos eles.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jovem negro com camisa branca e boné vermelho sorrindo e mostrando camiseta com desenho de médico
Naasom fez campanha para estudar medicina. Foto: Arquivo pessoal

No Paraguai, mais dificuldades. “Nesse período eu passei por muitas dificuldades, trabalhei como chapeiro em uma lanchonete, depois comecei a trabalhar dando aulas particulares para alunos do ensino médio, me ofereci para limpar o quarto dos meus amigos que tinham mais condições que eu na faculdade, trabalhei vendendo empadas; eu produzia e as vendia”.

Homem sorrindo com prato de empadas na mão
Naasom fazia e vendia empadas. Foto: Arquivo pessoal

Israel ainda criou vaquinhas online e rifas e começou a receber várias doações que garantiram a permanência na faculdade por 3 anos. Até doações de pessoas de outros países ele recebeu.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora, o estudante conseguiu transferir o curso para a Universidade Brasil, que fica em Fernandópolis, no Interior de São Paulo, e está no quinto período. As condições continuam duras e, por isso, ele lançou mais uma vaquinha para fazer a matrícula e pagar as mensalidades.

Essa história lembra a do estudante que vendia palha italiana na Avenida Paulista para se formar em medicina.

Homem sem camisa e de bigode sorrindo mostrando colchão no chão
Jovem dribla dificuldades durante formação em medicina. Foto: Arquivo pessoal

Me vejo como um médico oncologista, ajudando centenas de pacientes que que precisarem dos meus auxílios. Dando o meu melhor para ajudar a cada um de forma individual e humana. Esse, definitivamente é o meu maior objetivo”, disse.

Estudante de medicina com jaleco e estetoscópio segurando criança
Foto: Arquivo pessoal

Quando coloco o estetoscópio sobre o pescoço e o meu jaleco branco, eu consigo sorrir com os olhos“, disse.

Estudante de medicina com jaleco, estetoscópio e máscara branca
Foto: Arquivo pessoal

Estamos na torcida, Naasom, por você e por todos os que sonham e que merecem alcançar este objetivo, mesmo com condições tão adversas.

selo original razões

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Mineiro vende empadas para se formar em medicina e cuidar da mãe doente 2

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,981,416SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Lição de amor! Professora cozinha e alimenta alunos de escola em área rural de Gana

Enquanto os alunos fazem suas tarefas na sala de aula, Abenah Mankosa prepara o almoço das crianças de graça. A história da professora que...

J. K. Rowling deixa lista de bilionários por um motivo nobre: a caridade!

O motivo da prestigiada escritora sair da lista de bilionários da Forbes? A generosa doação de 160 milhões de dólares à caridade!

Garoto autista faz desenhos que parecem fotografias: “ajuda na minha ansiedade”

Gustavo é autista e faz desenhos que parecem fotografias de tão reais. A perfeição dos traços do garoto é impressionante!

Casal vence o câncer por três vezes e ganha o casamento de presente

Não foi uma, mas três veze que o casal Bruna Batista Padtilha, de 24 anos, e Gabriel Delallo Caus, de 25 anos, de Cascavel,...

Saiba porque brincar é mais importante do que você pensa para a educação das crianças

Brincar de esconde-esconde, alerta, cabra-cega, lenço-atrás e amarelinha. Essas e outras brincadeiras já fizeram parte da infância de muita gente. Com o tempo, tanto...

Instagram

Mineiro vende empadas para se formar em medicina e cuidar da mãe doente 3