Médico cubano cria horta para índios brasileiros resgatarem o uso de plantas medicinais

O médico cubano Javier Isbell Lopes Salazar chegou à aldeia Kumenê, localizada no Oiapoque, estremo norte do Amapá, em 2014. A aldeia é formada por indígenas da etnia Palikur. Assim que chegou à aldeia, Salazar notou que os habitantes da região faziam uso excessivo e inadequado de antibióticos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tudo começou com a chegada de missionários à região, na década de 1960. Por mais de dez anos, os missionários se dedicaram à evangelização da etnia. Os indígenas foram convencidos de que as plantas medicinais que eles usavam para curar suas doenças era “feitiçaria”.

Um dos trabalhos de Salazar foi resgatar esse costume dos indígenas. Ele decidiu criar uma horta com plantas medicinais que poderiam tratar uma série de problemas de saúde existentes na aldeia, como gripes e doenças diarreicas.

Através de palestras e encontros com as lideranças e moradores do local, Salazar conseguiu desmistificar a crença de que as plantas seriam um tipo de “magia”. Na verdade, elas poderiam salvar suas vidas.

No começo, quando eu receitava alguma delas, eles jogavam fora e ficavam bravos comigo porque queriam antibióticos. Antes de ter médico aqui, eles faziam um uso excessivo de antibióticos e, hoje, as bactérias que circulam na comunidade têm resistência aos medicamentos disponíveis. Aos poucos, eles voltaram a acreditar no poder das plantas”, conta Salazar, que é um dos cooperados do Programa Mais Médicos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Salazar e sua equipe também conscientizaram a população sobre os riscos do contato com a água de resíduos domésticos despejada nos rios. O médico lembra que os indígenas tinham o hábito de construir o banheiro de suas casas próximos às margens dos rios que cercam a aldeia. Consequentemente, isso fazia com que a água fosse contaminada. Para piorar, os poços também eram construídos ao lado dos sanitários.

“Explicando, conseguimos uma melhor qualidade de vida aqui. Um médico não pode se cansar. Eu me sinto bem porque já estou percebendo a mudança. Estou vendo que as medidas que estou tomando dão certo, pois as doenças estão desaparecendo. Estou ‘ganhando’ menos pacientes’”, comenta satisfeito.

O médico também conta que aprendeu algumas expressões da língua nativa da etnia Palikur e garante que a diferença de idiomas não impediu a comunicação e o diagnóstico e tratamento adequados.

Com informações do CICLO VIVO

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,282,832SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Campanha quer trazer família de refugiado político ao Brasil

Omana Ngandu quase foi fuzilado com outros homens perseguidos pela polícia da República Democrática do Congo, seu país natal. Omana tem grande influência no...

Havia 524 cães e gatos neste evento de adoção: todos conseguiram um lar novo

É muito raro um evento de adoção de cães e gatos conseguir um lar novo para todos os animais. Geralmente, as pessoas preferem adotar...

Vovó de 89 anos faz tortas e doa para pessoas necessitadas

Dona Flo Osborne está super saudável e a sua idade, 89 anos, não é motivo para ela ficar parada. A prova disso são as mais...

Alunos de escola em Salvador doam alimentos pra colega que estava sem comida em casa

"Quero dizer muito obrigado a todos que estão me ajudando! Obrigado pelo carinho, pela ajuda, por tudo e que Deus abençoe vocês, sempre!", disse o estudante.

70 anos depois da morte do amado na Segunda Guerra Mundial, idosa encontra seu diário em um museu

Há certos fatos que superam qualquer ideia de romantismo que possa aparecer na ficção. A história de Laura Mae David Burlingame, de 90 anos,...

Instagram

Médico cubano cria horta para índios brasileiros resgatarem o uso de plantas medicinais 2