Descuido de médico com nome social de mulher trans vira linda lição de empatia

Entre uma consulta e outra em um agitado hospital público do Rio de Janeiro (RJ), o médico Eduardo Fernandes chamou apressadamente um nome para sua sala de atendimento. Exclamou ‘João da Silva!’, conforme estava escrito no papel. Subitamente uma mulher trans se levanta, para sua surpresa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em meio a risadas e um constrangimento generalizado no hospital, ela se levanta enquanto o médico lamenta pelo descuido. Durante a consulta, Eduardo pergunta ‘qual é o nome’ da mulher, ao que ela responde: ‘Yasmin Victoria’. Ela estava sentindo uma dor na lombar.

Leia também: Mas afinal, qual o significado de LGBTQ+?

Minutos após a avaliação, Yasmin retorna à sala do médico com um bombom Serenata do Amor em uma das mãos.

Eduardo pergunta se ela está melhor, ao que ela responde: “Eu to melhor é da minha dignidade, doutor. Eu fui muito bem tratada, mas achei o olhar do senhor triste. E dizem que os olhos são o espelho da alma. Posso dar um abraço no senhor?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

médico empatia nome social mulher trans

Transfobia é um problema crônico no Brasil

O relato foi publicado no perfil do médico no Facebook há cerca de seis meses e já acumula mais de 200 mil reações e 104 mil compartilhamentos.

Em meio a uma sociedade ainda tão transfóbica como a brasileira, o relato é um oásis, um frescor que contrasta com tantas notícias ruins.

De acordo com a ONG Transgender Europe, apesar do Brasil ser um país mais aberto à comunidade transexual, travesti e transgênera se comparado às nações da África, Oriente Médio e Sudeste Asiático, infelizmente somos a nação que mais mata indivíduos dessa comunidade em todo o mundo.

Avanços contínuos tem atenuado esse problema nos últimos anos, como a possibilidade de utilizar o nome social em repartições públicas – 2000 mudanças foram confirmadas em cartório apenas em 2019.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eduardo comentou a repercussão do seu relato que se tornou viral. “Assustado porque é impressionante o tanto de gente me parabenizando por ter feito nada menos do que minha obrigação. Contei essa história para falar de como eu me senti trocando de posição cuidador/cuidado, porque naquele dia especificamente, eu estava muito mal. Foi muito difícil sair de casa para ir ao plantão. Não escrevi para me vangloriar de ter feito o meu papel de respeitar o nome social”, afirmou.

Confira o post na íntegra:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2348345508549621&set=a.652216341495888&type=3

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também:

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: Jornal de Boas Notícias
Fotos: Reprodução / Facebook

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,839,477SeguidoresSeguir
24,786SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Sandra Annenberg pagou cursinho pré-vestibular para filho de sua empregada doméstica

Que Sandra Annenberg é uma das mais respeitadas e queridas jornalistas do Brasil, todo mundo sabe. Seu profissionalismo e carisma são unanimidades. Sandra merece...

Canal no YouTube traz histórias da comunidade LGBT com tradução em Libras

Escritor, influenciador e designer, Samuel Gomes traz na sua história a luta de seus ancestrais e da comunidade LGBT. Nascido em uma família periférica...

Americana inclui imagem de filho morto em foto de casamento e emociona a web

"Era quase insuportável fazer fotos de família sem ele", disse a americana Anna Bozman Thompson sobre a ideia de excluir o filho Travis Lake,...

Comunidade LGBT se une em vaquinha online para manter ‘Casa 1’ aberta até 2021

A comunidade LGBT se mobilizou na internet e conseguiu arrecadar fundos por meio de uma campanha de financiamento coletivo para impedir que a Casa...

Neto larga dois empregos para cuidar da avó com Alzheimer em PE

Dois empregos! Anderson Lima largou dois empregos para cuidar da avó que tem Alzheimer, a dona Francisca Ramalho, de 105 anos. Eles moram em uma...

Instagram

Descuido de médico com nome social de mulher trans vira linda lição de empatia 2