Paranaense cria ‘ecobarreira’ para retirar lixo do rio onde aprendeu a nadar na infância


Vendedor cria ecobarreira para retirar lixo e salvar rio em que aprendeu a nadar na infância
PUBLICIDADE ANUNCIE

O rio Atuba passa nos fundos da casa do vendedor Diego Saldanha, 33 anos, morador de Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, e foi lá onde ele aprendeu a nadar na infância.

Nadar nas águas do rio hoje é algo que pertence à memória, pois o Atuba virou praticamente um depósito de lixo a céu aberto – tem de tudo que você possa imaginar! Mas se depender da ‘ecobarreira’ criada por Diego, esse tempo um dia pode voltar!

“As águas ficaram cada vez mais sujas e não havia mais peixes. O rio era limpo quando eu era criança, mas depois começou a ficar muito poluído”, conta. O rio cruza a capital paranaense, Colombo e Pinhais, onde se encontra com as águas do rio Iraí, formando o Iguaçu, que leva às famosas cataratas no extremo oeste do Paraná.

Vendedor cria ecobarreira para retirar lixo e salvar rio em que aprendeu a nadar na infância

Disposto a mudar essa realidade, e quem sabe um dia nadar novamente no rio Atuba, Diego decidiu limpar o trecho que passa perto de sua casa, pelo menos por enquanto, bem ao lado de onde moram os pais dele.

Pesquisando, ele encontrou maneiras simples, mas eficientes, de reverter a situação do rio. No início de 2017, Diego reuniu centenas de garrafas pet de dois litros em uma rede, criando uma barreira flutuante às margens do Atuba, unindo uma margem à outra: nascia a ecobarreira.

A geringonça retém todo o lixo carregado pela correnteza, impedindo que esses detritos circulem livremente corrente adiante.

Vendedor cria ecobarreira para retirar lixo e salvar rio em que aprendeu a nadar na infância

De início, a ecobarreira trouxe resultados modestos, mas com os ajustes certos, poderia ser mais eficiente. Foi exatamente o que Diego fez. “Comprei galões de 50 litros, usei uma rede de proteção mais forte e refiz a barreira”, conta. O vendedor afirma ter investido R$ 1 mil (investimento próprio) nos ajustes necessários.

Desde que a ecobarreira foi construída, em janeiro de 2017, Diego estima ter retirado cerca de 3 toneladas de lixo das águas do rio.

Pelo menos 90% de tudo que é recolhido são garrafas de plástico ou pedaços de isopor. Eventualmente, ele encontra brinquedos, bolas, capacetes… Já recolheu até um fogão, um sofá e uma moto, acredite!

Vendedor cria ecobarreira para retirar lixo e salvar rio em que aprendeu a nadar na infância

Esses objetos dão uma boa ideia do descaso de algumas pessoas com os rios do país, tratados como se fossem lixões – literalmente.

Para o professor Antonio Fernando Monteiro, doutor em Ecologia e docente da Universidade Estadual Paulista (Unesp), a situação dos rios é preocupante em função da poluição crescente que acomete a maioria deles.

Leia também: Garoto de 8 anos limpa ponto de ônibus após se incomodar com lixo

PUBLICIDADE ANUNCIE

Dessa forma, a barreira criada por Diego é um instrumento importante de conscientização. “Quando um rio está sujo, fedido e com água cinza, as pessoas o enxergam como lugar de lançamento de resíduos e vão jogando tudo o que não querem mais. A limpeza que ele faz no Atuba, com a ecobarreira, mostra a importância de preservar o rio“, comenta.

Ecobarreiras semelhantes foram desenvolvidas em ao menos outras 10 cidades, como Recife (PE), Blumenau (SC), Araucária (PR) e Coronel Fabriciano (MG).

A ecobarreira

A ecobarreira conecta as margens do rio. À esquerda, a rede está fixada a uma estaca de ferro. À direita, a uma árvore.

A ideia é que os resíduos se acumulem apenas na parte esquerda, facilitando a retirada deles num segundo momento.

Vendedor cria ecobarreira para retirar lixo e salvar rio em que aprendeu a nadar na infância

Normalmente, esse trecho do rio tem apenas um metro de profundidade. Em período de chuva, o nível da água sobe e a estaca se solta em direção à margem direita. “É uma forma de segurança, porque quando o rio fica cheio, começam a descer troncos e objetos maiores. Quando o nível da água abaixa, uso uma corda para puxar a estaca da barreira de volta para a margem esquerda.”

Diego afirma ter pensado em cada detalhe da ecobarreira por anos, enquanto observava a poluição cada vez mais presente no rio. “Quando cheguei à ideia do primeiro formato da ecobarreira, logo procurei os materiais para colocar em prática”, explica.

Repercussão

Há dois anos, quando a ecobarreira começou a funcionar, Diego gravou um vídeo mostrando a iniciativa e o lixo recolhido, e publicou nas redes sociais. A repercussão foi imediata: 5 milhões de visualizações, tornando seu projeto reconhecido nacionalmente.

De lá pra cá, o vendedor tem dado palestras por todo o país, principalmente em escolas, onde fala sobre o assunto voluntariamente. Ocasionalmente, ele também participa de eventos em empresas.

O reconhecimento pela iniciativa também rendeu premiações a Diego. No ano passado, ele levou o “Prêmio Lixo Zero”, no Rio de Janeiro, com direito a troféu.

No início deste ano, foi o primeiro colocado no Prêmio “Pega a Visão de Empreendedorismo Popular”, em Goiás, e ganhou R$ 8 mil.

Pessoalmente, Diego se diz “honrado com as premiações”, mas lamenta o fato de seu projeto não receber apoio do poder público do Paraná. “Nunca recebi nem um obrigado. É um projeto que poderia ser ampliado pela prefeitura daqui. Poderiam também me ajudar a percorrer as escolas municipais para falar sobre a importância de cuidar dos rios. Mas nunca tive nenhum apoio”, lamenta.

Quer saber mais sobre o projeto? Você pode entrar em contato com o Diego através do seu perfil no Instagram e no Facebook ou ainda por e-mail ([email protected]) e telefone (041 99950-3974).

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Com informações de Época/Fotos: Arquivo Pessoal

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar