UFBA transforma óleo recolhido nas praias do Nordeste em carvão

O maquinário do Instituto de Química da UFBA é capaz de transformar 50 kg de óleo em carvão diariamente.


UFBA transforma óleo recolhido nas praias do Nordeste em carvão 1
PUBLICIDADE ANUNCIE

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) lançou um projeto de destinação para o óleo recolhido das praias do Nordeste.

Com o apoio do Instituto de Química, que atua com processos de compostagem acelerada, os estudos realizados pelo projeto ‘Compostagem Francisco’, formado por uma professora, três estudantes de graduação e uma de doutorado, permitiram aprimorar uma técnica que transforma o óleo bruto encontrado nas praias em carvão.

“Bioativadores criados aqui no instituto aceleram a degradação da matéria orgânica e, em 60 minutos, o petróleo é degradado e transformado em carvão”, explicou a professora doutora Zenis Novais da Rocha, responsável pelo projeto.

UFBA transforma óleo recolhido nas praias do Nordeste em carvão 2

Óleo transformado em carvão

O maquinário do Instituto de Química da UFBA é capaz de transformar 50 kg do pretume em carvão diariamente.

Infelizmente, ele ainda está chegando em baixa quantidade à universidade, pois apenas alguns voluntários sabem da novidade e levam o que foi recolhido para transformação.

“Esse processo de compostagem acelerada é limpo, não inflamável, com aditivos que não agridem o meio ambiente, e ainda não libera gases que seriam liberados em caso de incinerar o óleo, por exemplo. Então, é uma escolha com inúmeras vantagens”, complementou a professora.

UFBA transforma óleo recolhido nas praias do Nordeste em carvão 3

PUBLICIDADE ANUNCIE

Leia tambémComo você pode ajudar a retirar o óleo nas praias do Nordeste agora mesmo

De acordo com algumas linhas de investigação, a totalidade do petróleo bruto recolhido possui a mesma origem, que ainda não definida.

Suspeita-se que o material tenha vindo de navios petroleiros que realizaram limpezas em seus tanques e escoado os rejeitos diretamente para o mar.

O petróleo cru é altamente poluente e tóxico. Entrar em contato com o material é desaconselhado pelo IBAMA.

Caso ocorra, é essencial que o composto seja retirado com gelo ou azeite da pele e o local de contato seja imediatamente lavado com água e sabonete neutro – sem jamais levar as mãos sujas à boca ou aos olhos.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Correio 24 horas/Fotos: Divulgação

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar