Menina abandonada ao nascer descobre que seu maior ídolo é sua irmã

A acrobata, trapezista e ginasta Jennifer Bricker demorou 10 anos para descobrir que a pessoa que a inspirou a fazer aquilo que mais ama era sua irmã biológica, a ginasta campeã olímpica Dominique Moceanu.

Os pais biológicos de Jennifer Bricker, Camelia e Dumitru, são romenos. Eles chegaram aos Estados Unidos em 1981, fugindo do regime comunista na Romênia. O casal deu a menina para a adoção em 1987, porque o pai dela temia não ter dinheiro para pagar seu tratamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jennifer foi adotada pelo casal Sharon e Gerald Bricker, moradores de uma pequena cidade do Estado de Illinois, nos Estados Unidos. Eles sempre falaram abertamente sobre a adoção. O casal Bricker também ensinou Jennifer a não ter raiva dos seus pais biológicos por eles abrirem mão dela no dia do seu nascimento.

Ela foi abandonada quando criança e só quando cresceu descobriu sobre sua irmã

Leia também:

Ator “adota” idosa com leucemia e que vivia sozinha

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Internet se une para pagar estudos de jovem que teve recursos cortados pelos pais por ter namorado negro

Monja Coen ensina como desenvolver o amor próprio

“Você não sabe o que se passava na vida deles. Eles eram de um país diferente. Tinham uma mentalidade diferente”, diziam para a menina.

A primeira vez que Jennifer viu Dominique foi durante os Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996. Ela ficou encantada vendo a equipe de ginástica feminina dos Estados Unidos pela TV. Mas, quem chamou mais sua atenção pela semelhança física foi Dominique Moceanu – sua irmã biológica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Fui atraída por ela porque éramos parecidas e isso era muito importante para mim”, disse Jennifer à BBC. “Ninguém achava que eu estava crescendo. Eu não conhecia outros romenos. Me via nela de tantas maneiras que aquilo era muito importante para mim.”

Dominique e a equipe feminina americana ganharam a medalha de ouro e foi quando Jennifer decidiu ser ginasta. Quando tinha 10 anos, ela disputou os Jogos Olímpicos da Juventude e, aos 11, foi campeã de ginástica tumbling, modalidade em que a ginasta dá saltos no decorrer de uma pista, pelo Estado de Illinois.

Em 1998, Dominique, na época com 17 anos, processou os pais por esbanjarem US$ 1 milhão do que ela havia recebido após a vitória nos Jogos de Atlanta. Durante o processo, surgiram notícias de que ela recebia um tratamento severo do pai para ter um bom rendimento nas competições. Ela ganhou o processo e assumiu o controle das suas finanças.

Assim que completou 16 anos, Jennifer perguntou à mãe adotiva se havia algo que ela não lhe contara sobre a sua família biológica. A resposta foi positiva.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sharon disse que o sobrenome da biológica dela era Moceanu. “Quando ouvi aquilo, pensei imediatamente: isso quer dizer que Dominique é minha irmã“, lembra. O sobrenome aparecia em alguns documentos da menina.

O casal Bricker conheceu os pais biológicos de Jennifer na transmissão dos Jogos de Atlanta. Mas, Sharon e Gerald decidiram não dizer nada até a filha estar mais velha.

Jennifer com os pais adotivos, Sharon e Gerald Bricker

Depois que confirmou sua suspeita, Jennifer resolveu entrar em contato com Dominique. Ela escreveu uma carta para irmã contando sua história e como Dominique a tinha inspirado ser uma ginasta também. “Aquela carta foi o maior choque da minha vida, eu nunca vou esquecer”, diz Dominique.

A ginasta ligou para mãe para confirmar se aquilo era verdade. A mãe disse sim, aos prantos. Dominique então telefonou para Jennifer para elas se conhecerem melhor.

O primeiro encontro delas aconteceu em maio de 2008. No encontro, também estava a outra irmã biológica de Jennifer. “Foi surreal, como um sonho”, disse Jennifer. “Mas por outro lado foi muito natural. O nosso DNA estava muito claro. Ao ver a minha irmã mais nova, parecia que eu estava diante do espelho.”

As irmãs Dominique (esq.), Christina e Jennifer (dir.) hoje são próximas

Jennifer conheceu a mãe biológica, Camelia, em 2010. O pai morreu antes do reencontro. “Ela estava usando um gorro de peles típico do Leste Europeu”, recorda. “Ela não acreditava em como eu me parecia com minhas irmãs e então, instintivamente, começou a falar romeno comigo.”

Dominique teve que traduzir tudo para a mãe, que estava surpresa demais para falar inglês. As duas se abraçaram e Jennifer mostrou os vídeos das suas apresentações, inclusive da que fizera em um show da cantora Britney Spears.

“Ela estava maravilhada, sabia que nunca poderia ter me dado uma vida assim”, disse Jennifer.

Leia a matéria completa aqui.

Fotos: Jennifer Bricker/Reprodução

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,020,259FãsCurtir
2,152,628SeguidoresSeguir
11,490SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovens e agricultores se unem e abrem bibliotecas na zona rural da Paraíba

Eu já estou apaixonado por essa história antes mesmo de começar a contar pra vocês. Esse é um exemplo de que a união entre...

Após alagamento, vaquinha arrecada R$117 mil e idosos ganharão um lar novo (BA)

Os velhinhos da Casa de Idosos Giuseppe Aras, em Itabela (BA), vão ganhar um lar novo! O asilo onde os 34 idosos moravam ficou alagado...

Pescadores salvam 5 tartarugas marinhas presas em rede de pesca

Na praia de Araranguá, em Santa Catarina, o que tinha tudo para ser apenas mais um dia normal para alguns pescadores, transformou-se em uma...

Batismo de bebê conta com bençãos de familiares católicos, espíritas, evangélicos e umbandistas

Quando completou três meses de vida, o pequeno Iago recebeu as bençãos de sua família, cada qual à sua maneira: uma avó é católica,...

Itália começa a sair do confinamento com reabertura de comércio e igrejas

Hoje (18) o dia amanheceu diferente na Itália. Amanheceu “lindo e excitante” como descreveu um barman de Roma. Após dez semanas de portas fechadas, lojas,...

Instagram