Menina confecciona mil máscaras para trocar por alimentos

Neste momento a gente não pode ficar sentado em casa sem fazer nada”, diz Lua, 12 anos, que pretende doar uma tonelada de mantimentos a moradores da comunidade do Tabajaras, onde vive.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quem não se lembra da Lua, a menina que montou uma biblioteca na comunidade do Tabajaras, na Zona Sul do Rio (leia aqui esta história), no final do ano passado? Pois iniciativa solidária é o que não falta a ela. Junto com sua mãe, a costureira Fátima Regina, 58 anos, está confeccionando mil máscaras de proteção contra o novo coronavírus. O plano é trocar cada uma por um quilo de alimento.

Logo que o isolamento social entrou em vigor no Rio, Raíssa Luara de Oliveira, 12 anos, mais conhecida como Lua, começou uma campanha para arrecadar alimentos e doar a moradores que ficaram sem renda.

View this post on Instagram

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Doações de alimentos informações 21 988823332

A post shared by luaoliveiraoficiall (@luaoliveiraoficiall) on

Conseguimos mais de meia tonelada de mantimentos e, junto a cada cesta básica, doamos um livro. Isso sem desfalcar o acervo da biblioteca”, diz Fátima.

A mãe de Lua percebeu que poderia arrecadar bem mais se não esbarrasse na timidez dos doadores: “As pessoas têm vergonha de doar somente um quilo. Muita gente quer colaborar, mas acha que ir até lá colocar só um quilo é muito pouco. E não é”, explica.

Como nesta primeira campanha, além dos alimentos, seis pessoas doaram dinheiro, o que somou R$400, Lua teve uma ideia: com este valor, comprar tecidos, linha e elástico e confeccionar máscaras. Assim poderiam trocá-las por mais mantimentos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tecidos, linhas e elástico comprados para confeccionar as máscaras
Conseguiram material para confeccionar cerca de mil máscaras – Foto: arquivo pessoal

Desta forma, as duas encontraram um meio de as pessoas levarem um quilo de arroz, feijão ou óleo sem se sentirem constrangidas. “Elas vão lá para trocar pela máscara. E, no final das contas, mil máscaras serão mil quilos, muito mais do que poderíamos adquirir com o dinheiro doado”, diz Fátima.

Isoladas há quase um mês, elas confeccionam as máscaras de tecido. Enquanto Fátima corta, Lua costura e monta. Aí a mãe faz a parte mais difícil que é prender o elástico. Quase 300 máscaras já estão prontas e até o início do próximo mês, quando será feita a campanha de troca, elas pretendem ter confeccionado de mil a 1.200 máscaras.

Lua costura as máscaras
Lua costura as máscaras com a ajuda da mãe – Foto: arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estou doando o meu trabalho e ainda tirei R$35 do meu bolso para colocar gasolina no carro da minha cunhada, que me levou para comprar os tecidos. Mas está sendo muito gratificante ver minha filha tão empenhada. Acho que é assim que se educa: mostrando que mesmo com pouco a gente pode fazer muito e que, diante da crise, a gente levanta e luta”, diz Fátima.

Quem quiser doar alimentos ou trocá-los por uma máscara, Lua e Fátima estarão em frente ao Extra da Rua Siqueira Campos, em Copacabana, no dia 2 de maio, um sábado.

Conteúdo do Rio de Boas Notícias, site parceiro do Razões.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,845,820SeguidoresSeguir
24,900SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Webdesigner parou de cobrar por seu trabalho e não se arrepende do que aconteceu

Um pai, e diga-se de passagem, de um bebê lindo, à alguns anos atrás chegou na conclusão de que, trabalhar em um emprego tradicional...

Fotos de abelhas cansadas dormindo de “bumbum pra cima” dentro de flores viralizam

Uma série de fotos de abelhas tirando um cochilo dentro de flores com o bumbum cheio de pólen está fazendo o maior sucesso na...

A máquina para criar um futuro mais limpo e sustentável de Alceu Rocha

Imagine um mundo sustentável, em que o lixo produzido pelo homem pudesse ser reutilizado, dando origem a novos produtos, gerando menos poluição e dejetos...

Ela já sofreu com queimaduras, e hoje aplica técnica especial de tatuagem para cobrir marcas de outras vítimas

"O meu cirurgião plástico me disse para pegar meu dinheiro e tirar umas férias, mas eu senti que para mim não era o fim." E...

Refugiada sudanesa, Adut Akech é o novo rosto da Chanel

De criança refugiada à super-modelo, Adut Akech foi escolhida pela Chanel para apresentar a pré-coleção outono-inverno 2018/19.

Instagram

Menina confecciona mil máscaras para trocar por alimentos 2