Menina com paralisia cerebral realiza sonho de ‘pular amarelinha’; veja vídeo

Durante todo o mês de outubro, em uma espécie de extensão do Dia das Crianças, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Campo Grande (MS) recebe em sua sala de terapia ocupacional cerca de 400 crianças, com direito à piscina de bolinhas, cesta de basquete, caixas com areia ou flocos de arroz e bolinhas para acertar no teto e chão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No entanto, entre os pedidos de brincadeiras da criançada, a que chamou mais atenção foi a da pequena Ana Clara Rodrigues, 7 anos, que queria brincar de amarelinha. O pedido emocionou a todos.

“Ela ficou lá e quando eu fui buscá-la estava diferente, extasiada. Ela falou: mãe, eu pulei amarelinha. Depois, me mandaram o vídeo, mas, eu não consegui nem ver direito, a gente nem acredita. Para uma mãe, ver um filho realizando um sonho é incrível e eu agradeci a eles demais. Os sonhos dela são pequenos diante a que as crianças fazem, é algo simples, porém, para ela é uma superação“, afirmou a dona de casa Ana Raquel Rodrigues Nojosa, 28 anos.

Apoio da Apae

A mãe de Ana Clara conta que a filha recebe tratamento na Apae há cerca de 5 anos. Há alguns meses, a menina comentou que queria brincar de pega-pega, esconde-esconde e dançar balé. “Para ela, com certeza este foi um sonho realizado. Foi a primeira vez que ela ficou em pé e a primeira vez que pulou amarelinha. Eu tenho esperança e sei que ela pode realizar todos estes sonhos”, comentou, emocionada.

Leia tambémGarotinha inclui amigo com paralisia cerebral em desenho da família: “Eles se entendem no olhar”

Terapeuta ocupacional da Apae de Campo Grande desde 2015, Lilianthea Lopes Oliveira Viegas, 45 anos, presenciou o momento em que Ana Clara fez o pedido.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Ela viu a amarelinha assim que chegou e falou para uma terapeuta que o sonho era pular amarelinha. Depois, falou para outra e todo mundo se mobilizou para realizar o sonho dela. Foi uma emoção muito grande. Ela pulava e falava que estava nervosa. Nós a tiramos da cadeira de roda e usamos um colete de sustentação”, explicou.

Quem filmou a cena foi o supervisor de terapia ocupacional, Alexandre Lopes de Oliveira, 36 anos. “Nós estávamos em uma roda e foi algo que pegou todo mundo de surpresa. Em seguida, fizemos as adaptações e começamos a fazer a sequência e ela pulava e ficava cada vez mais feliz. Foi uma alegria imensa testemunhar tudo isto e embora ela tenha a parte motora comprometida, o cognitivo não e deu pra perceber que é algo que ela sempre quis“, disse.

Menina com paralisia cerebral sonho Apae

Segundo a Apae, Ana Clara tem paraplegia espástica (que causa rigidez progressiva e contração nos membros inferiores, como resultado de uma lesão ou disfunção dos nervos) e paralisia cerebral. Durante a comemoração do Dia das Crianças, ela usou um colete de apoio terapêutico para tratamento de crianças com dificuldades motoras, “oferecendo suporte ao corpo, ajudando a se mover de forma mais natural e harmoniosa”, explicou Thaina Ferreira, terapeuta da menina.

Veja o momento em que Ana Clara pula amarelinha! 🙂

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: G1/Fotos: Apae-MS/Divulgação

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,714FãsCurtir
1,763,678SeguidoresSeguir
8,639SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram