Menina de 8 anos que venceu câncer raro vende 30 mil doces para financiar pesquisas sobre a doença

Lily Bumpus tem apenas 8 anos, mas já venceu um câncer e se tornou uma das principais voluntárias de sua cidade, San Bernardino, na Califórnia (EUA).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pouco depois de nascer, a pequena foi diagnosticada com o Sarcoma de Ewing, um tipo raro de câncer nos ossos. Após diversas rodadas de quimioterapia, ela venceu a doença antes de completar um ano de idade.

Na infância, Lilly ficou sabendo através dos pais como foi uma guerreira quando era bebê, e que ela era uma sobrevivente. Isso a inspirou a ajudar outras crianças que, como ela no passado, precisaram lutar contra o câncer em todas as suas formas.

Menina de 8 anos que venceu câncer raro vende 30 mil doces para financiar pesquisas sobre a doença 1

Para isso, a menina tem vendido biscoitos na temporada de escoteiros para financiar pesquisas na área de oncologia. Neste ano, ela bateu seu recorde absoluto: foram 32.484 caixas em 3 meses, segundo informações da Girls Scout, que organiza as vendas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Outras meninas que fazem parte do grupo também carregam alguma relação com o câncer, seja o próprio tratamento ou de algum familiar próximo.

Por isso, assim como Lilly, elas também pretendem doar parte dos seus lucros para financiar pesquisas sobre o câncer infantil. Além disso, outra parte do valor será entregue a ONGs que alimentam e proveem abrigo a pessoas sem-teto nos EUA.

Menina de 8 anos que venceu câncer raro vende 30 mil doces para financiar pesquisas sobre a doença 2

Para Trish Bauer, mãe da pequena escoteira, ela se esforçou tanto para atingir o resultado porque desejar inspirar as pessoas a apoiarem um sonho e uma missão, não apenas um produto.

E isso tem dado muito certo! Os biscoitos de Lilly têm sido vendidos física e digitalmente. Pela internet, ela já atende todos os 50 estados norte-americanos, além de outros países como Canadá, Egito, Espanha, Itália e França.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Parece que o mundo acredita em mim e isso é muito bom”, disse Lilly a um jornal local. “A razão pela qual eu queria bater o recorde é porque eu queria ajudar todos os tipos de escoteiros do mundo e dizer a eles que eles podem fazer exatamente como eu. Eu só queria inspirar e ajudar”, concluiu.

Veja também:

Fonte: Revista PEGN
Fotos: Girls Scout USA

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mãe cria filho com paralisia cerebral sozinha e hoje ele é aluno de Harvard

Ela não seguiu o conselho dos médicos, e do marido, de abandonar o filho por causa da sua condição.

Professora transforma bar em escola e alfabetiza moradores de vila rural

A professora Ana Cláudia Peleteiro, 48 anos, montou uma escola dentro de um bar em Gavião Peixoto, no interior paulista, para alfabetizar os moradores...

Professor presenteia ex-aluno com sua primeira festa de aniversário em 30 anos

Pela primeira vez em 30 anos, um rapaz com deficiência mental comemorou seu aniversário com uma festa - graças aos esforços de seu professor...

12 Jovens infratores ganham nova chance em Senador Canedo (GO)

O ‘Programa Jovem Sustentável Aprendiz’ oferece a jovens que cumprem medida socioeducativa a oportunidade de dar um rumo melhor para suas vidas.

Instagram

Menina de 8 anos que venceu câncer raro vende 30 mil doces para financiar pesquisas sobre a doença 4