Meninas organizam coletivos feministas em escolas de SP

Quem é da minha geração (nem sou tão velho assim!) ou de gerações anteriores dificilmente viu as colegas de escola discutirem temas como assédio sexual, bulling eletrônico ou a proibição de shorts no colégio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Só fui ver mulheres falando sobre esses assuntos na universidade. Mas agora isso tem sido comum em algumas escolas públicas e privadas de São Paulo, como a ETEC Guaracy Silveira e os colégios Móbile e Nossa Senhora das Graças.

Não se tem estatísticas exatas sobre a presença do “feminismo” nas escolas, mas uma pesquisa da Fundação Perseu Abramo, de 2010, com mais de 2 mil mulheres adolescentes e adultas, mostrou que 40% das meninas entre 14 e 17 anos diziam ser feministas.

Para a antropóloga da UnB (Universidade de Brasília), Débora Diniz, o ambiente escolar leva as meninas a dar um nome para a sua resistência. “A menina se pergunta: por que não posso usar shorts como os meninos? Ou por que o meu cabelo importa tanto se os meninos podem usá-lo curto?”.

Leia toda a matéria no site da Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,836,848SeguidoresSeguir
24,755SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ex-catador de latinhas é aprovado em Harvard, vira professor e leva luz a escolas africanas

Por anos trabalhando como catador de latinhas em Juazeiro do Norte (CE), Ciswal Santos foi aprovado pela Universidade de Harvard, tornou-se professor e hoje...

Juiz baiano emancipa jovem que morava em um galinheiro

A jovem foi contemplada com uma casa do programa ‘Minha Casa Minha Vida’, mas foi impedida de assinar contrato por ser menor de idade.

Este homem deixou R$ 6,6 milhões de herança para os seus funcionários

O magnata italiano da indústria de produção de rolhas e rótulos para garrafas de vinho Piero Macchi deixou no seu testamento R$ 6,6 milhões...

ONG cria pias portáteis para moradores de rua lavarem as mãos

Um dos grupos mais afetados pela pandemia de coronavírus é o dos sem-teto. E não é para menos! Sem acesso a medidas básicas de saúde,...

Primeiro Centro de Medicina Indígena é inaugurado em Manaus com consultas no valor de R$10

Esse acontecimento é motivo de muito orgulho para nós: No dia 6 de junho, Barserikowi’i, o primeiro Centro de Medicina Indígena da Amazônia, abriu suas portas...

Instagram

Meninas organizam coletivos feministas em escolas de SP 3