Meninas organizam coletivos feministas em escolas de SP

Quem é da minha geração (nem sou tão velho assim!) ou de gerações anteriores dificilmente viu as colegas de escola discutirem temas como assédio sexual, bulling eletrônico ou a proibição de shorts no colégio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Só fui ver mulheres falando sobre esses assuntos na universidade. Mas agora isso tem sido comum em algumas escolas públicas e privadas de São Paulo, como a ETEC Guaracy Silveira e os colégios Móbile e Nossa Senhora das Graças.

Não se tem estatísticas exatas sobre a presença do “feminismo” nas escolas, mas uma pesquisa da Fundação Perseu Abramo, de 2010, com mais de 2 mil mulheres adolescentes e adultas, mostrou que 40% das meninas entre 14 e 17 anos diziam ser feministas.

Para a antropóloga da UnB (Universidade de Brasília), Débora Diniz, o ambiente escolar leva as meninas a dar um nome para a sua resistência. “A menina se pergunta: por que não posso usar shorts como os meninos? Ou por que o meu cabelo importa tanto se os meninos podem usá-lo curto?”.

Leia toda a matéria no site da Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,415,745SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cientistas brasileiros criam prótese que devolve voz a quem perdeu laringe por câncer

A prótese de voz é um tipo de válvula que permite a produção de som semelhante à voz de um falante saudável com rouquidão moderada, porém quase normal em termos de volume e intensidade.

Para esta professora veterana, toda criança merece um adulto que nunca vai desistir deles

Rita F. Pierson, professora há 40 anos, uma vez ouviu um colega dizer: "Eles não me pagam a gostar das crianças." Sua resposta: "As...

Menina de 6 anos vence câncer raro e mãe emociona ao mostrar como ela está hoje

A pequena Sophia Soto, agora com seis anos, da Flórida nos Estados Unidos, foi diagnosticada com câncer quando tinha apenas um ano e dois meses de vida.

Mesmo internada em hospital, jovem maquia idosa que não se sentia bonita: “ela me agradeceu sorrindo”

Andressa colocou suas dores de lado para ajudar uma idosa que se sentia feia, sozinha, triste, e isso mudou seus dias.

Projeto oferece local seguro para que moradores de rua guardem seus pertences

O bairro do Rossio, em Lisboa, vai receber 12 conjuntos de armários com cadeados destinados aos sem-teto. O objetivo da iniciativa é fornecer locais seguros...

Instagram