Menino austista de 10 anos vira contador de histórias em sua escola

Diego Escada Louzada, de apenas 10 anos, quebra muitos preconceitos e estereótipos ao tornar-se um contador de histórias em sua classe na escola municipal Maria Graciette Dias de Itanhaém, no litoral de São Paulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Isso porque o menino é autista e, ao contrário do que muitos acham, por pura falta de conhecimento, a convivência com outras crianças permitiu que ele se desenvolvesse e é um jovem articulado.

A mãe Tatiana descobriu que o filho era autista quando ele tinha três anos. “Ele apontava as coisas, não falava o que queria, tinha resistência à dor. Com um barulho muito estridente, ele colocava as mãos nos ouvidos. A gente foi reunindo os fatos e fomos a um neurologista”, conta ela em entrevista ao G1.

O Ministério da Saúde explica que alguns sintomas podem variar bastante, porém isolamento e imutabilidade de condutas estão sempre presentes.

“Você se questiona muito. Até entrei em uma depressão. Depois, li muito sobre o assunto e comecei a entender e foi fluindo. Hoje eu trato ele como uma criança normal”, fala, contando que logo depois da descoberta iniciou o tratamento com fonoaudióloga, pedagoga e neuropsicóloga.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O Diego é um autista. Todos os autistas têm direito a um estagiário. Eles são estudantes e ficam com essas crianças de inclusão. Na nossa escola, a gente tem uma média de 13 crianças especiais.”, explica a diretora Rita de Cássia Brandão Gouvêa.

“Já tinha trabalhado com outras deficiências, mas com autismo foi a primeira vez”, diz a professora Marlene Carraro Mucsi, de 50 anos, lembrando quando Diego chegou arredio lá. “O grau do autismo dele é leve, não há necessidade de trabalhar atividades diferenciadas com ele, o que precisamos é respeitar o tempo. A gente conhece outros autistas que são agressivos, inquietos, não param sentados em sala de aula. Não é o caso dele”.

Hoje, ele acompanha as lições na classe do 5º ano como qualquer outro aluno. Lê perfeitamente e até resolve problemas matemáticos.

Além da convivência ajudá-lo na extroversão, ele descobriu também aptidão para o desenho e animação.

Ele passa horas assistindo e desenhando seu personagem preferido, o Mickey. Na sala, ele joga estes desenhos na lousa digital e então transforma-se em um contador.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu faço a narradora e ele o Mickey. Na verdade, ele não lê a história, ele decora as falas. De vez em quando, é no início da aula, às vezes, é no final”, explica a professora.

“Para ele é bom. A questão de ele desenhar bem também motiva as outras crianças a quererem desenhar como ele. Já cria um convívio, uma proximidade”, diz a mãe. “Ele começou a evoluir de uma maneira tão rápida, até na questão de amizade, tem mais carinho, mais afeto das outras crianças, tem a estagiária que fica direto com ele. Eu me arrependi de não ter colocado antes nessa escola”.

“Ele fala que quer trabalhar na parte de animação de estúdios. Eu acho que é o que ele vai acabar seguindo”, finaliza Tatiana.

autista1

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

autista2

autista3

autista5

autista6

laudo-diego-escada-edit2

Fonte: G1

Fotos: Mariane Rossi/G1

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,850,069SeguidoresSeguir
24,964SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cientistas criam anticorpos que podem matar 99% das variações de cepas de HIV

Um "super-anticorpo" capaz de atacar 99% das cepas de HIV.

No Dia Mundial de Combate à Aids, laboratório doa 1000 testes de carga viral e CD4 para ONGs

Cerca de 0,4% da população brasileira possui o vírus HIV, causador da Aids. Isoladamente, o percentual pode parecer pequeno, mas representa um total de...

Por conta do excesso de energia eólica, Texas distribui eletricidade de graça

É até difícil chamar isso de problema, mas o Texas está com energia eólica em excesso e para resolver passou a distribuir de graça. A...

Vítima de exploração sexual volta ao Maranhão graças à corrente de solidariedade nas redes sociais

O relato que a jovem Juliana Leandro postou no Facebook sobre a transexual maranhense Amanda, também conhecida como Suzy, que foi vítima de aliciamento...

Projeto ‘Parceiros da Educação’ tem contribuído na melhoria do ensino público das escolas de SP

Promover uma educação pública de qualidade. É com esta desafiadora missão que a Parceiros da Educação atua há 15 anos em parceria com as...

Instagram

Menino austista de 10 anos vira contador de histórias em sua escola 4