Menino austista de 10 anos vira contador de histórias em sua escola

Diego Escada Louzada, de apenas 10 anos, quebra muitos preconceitos e estereótipos ao tornar-se um contador de histórias em sua classe na escola municipal Maria Graciette Dias de Itanhaém, no litoral de São Paulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Isso porque o menino é autista e, ao contrário do que muitos acham, por pura falta de conhecimento, a convivência com outras crianças permitiu que ele se desenvolvesse e é um jovem articulado.

A mãe Tatiana descobriu que o filho era autista quando ele tinha três anos. “Ele apontava as coisas, não falava o que queria, tinha resistência à dor. Com um barulho muito estridente, ele colocava as mãos nos ouvidos. A gente foi reunindo os fatos e fomos a um neurologista”, conta ela em entrevista ao G1.

O Ministério da Saúde explica que alguns sintomas podem variar bastante, porém isolamento e imutabilidade de condutas estão sempre presentes.

“Você se questiona muito. Até entrei em uma depressão. Depois, li muito sobre o assunto e comecei a entender e foi fluindo. Hoje eu trato ele como uma criança normal”, fala, contando que logo depois da descoberta iniciou o tratamento com fonoaudióloga, pedagoga e neuropsicóloga.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“O Diego é um autista. Todos os autistas têm direito a um estagiário. Eles são estudantes e ficam com essas crianças de inclusão. Na nossa escola, a gente tem uma média de 13 crianças especiais.”, explica a diretora Rita de Cássia Brandão Gouvêa.

“Já tinha trabalhado com outras deficiências, mas com autismo foi a primeira vez”, diz a professora Marlene Carraro Mucsi, de 50 anos, lembrando quando Diego chegou arredio lá. “O grau do autismo dele é leve, não há necessidade de trabalhar atividades diferenciadas com ele, o que precisamos é respeitar o tempo. A gente conhece outros autistas que são agressivos, inquietos, não param sentados em sala de aula. Não é o caso dele”.

Hoje, ele acompanha as lições na classe do 5º ano como qualquer outro aluno. Lê perfeitamente e até resolve problemas matemáticos.

Além da convivência ajudá-lo na extroversão, ele descobriu também aptidão para o desenho e animação.

Ele passa horas assistindo e desenhando seu personagem preferido, o Mickey. Na sala, ele joga estes desenhos na lousa digital e então transforma-se em um contador.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu faço a narradora e ele o Mickey. Na verdade, ele não lê a história, ele decora as falas. De vez em quando, é no início da aula, às vezes, é no final”, explica a professora.

“Para ele é bom. A questão de ele desenhar bem também motiva as outras crianças a quererem desenhar como ele. Já cria um convívio, uma proximidade”, diz a mãe. “Ele começou a evoluir de uma maneira tão rápida, até na questão de amizade, tem mais carinho, mais afeto das outras crianças, tem a estagiária que fica direto com ele. Eu me arrependi de não ter colocado antes nessa escola”.

“Ele fala que quer trabalhar na parte de animação de estúdios. Eu acho que é o que ele vai acabar seguindo”, finaliza Tatiana.

autista1

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

autista2

autista3

autista5

autista6

laudo-diego-escada-edit2

Fonte: G1

Fotos: Mariane Rossi/G1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,780,571SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Alunos fazem rifa para ajudar professor que está há dois meses sem receber

Professor não recebia salário há dois meses e meio.

Após sofrer com racismo, menina de 10 anos cria linha de roupas para ganhar mais autoconfiança

Kheris Rogers, de apenas 10 anos, já enfrenta o preconceito das pessoas apenas pela cor da sua pele. Ela sofreu ataques racistas na escola apenas pela...

Autor de best sellers, Marcos Piangers é presença confirmada no Festival SGB

Autor dos best sellers ‘Papai é Pop’ 1 e 2, jornalista Marcos Piangers discutirá no Festival SGB a relação entre tecnologias e ser humano. Inscrições abertas!

Pais eternizam momentos vividos com filha recém-nascida diagnosticada com um tumor inoperável no cérebro

Os pais da pequena Abigail se prepararam com muito amor para receber a filhota. Antes de nascer, Abigail foi diagnosticada com Síndrome de Down....

A reação emocionante de um menina que usa prótese ao receber uma boneca igual a ela

Moradora do Texas, nos Estados Unidos, a menina Emma, de 10 anos, foi surpreendida pelos familiares com uma boneca que usa uma prótese numa...

Instagram