Menino não corta os cabelos compridos, supera o bullyng e inspira mãe a escrever livro

Falar de temas complexos e polêmicos, como sexismo, preconceitos e estereótipos, para crianças de 5 anos não é uma tarefa fácil. É necessário muito cuidado e clareza com as palavras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A escritora Rosana Martinelli topou o desafio. Ela é autora do livro infantil O Pinguim Azul de Miguel, ilustrado pela artista Mariana Belém. A inspiração para escrever o livro veio depois que o filho da escritora sofreu bullyng na escola por ter cabelos compridos e ser chamado de “menina”.

“Se deixar que o diferente permeie o dia dia, você aceita como parte da vida, sem fazer exclusões e sem estimular o preconceito”, afirma a autora.

O livro conta a história de um menino de 6 anos que tem cabelos compridos, dança balé, tem um pai deficiente, mas que é atleta, uma mãe executiva e uma irmã obesa, que é modelo.

Cada virada de página é uma quebra de um estereótipo. Perguntas como “Meninos podem ter cabelos compridos?”, “Modelos podem não ser magras?”, “Meninos também dançam balé” e “Pessoas com limitações físicas podem ser atletas bem-sucedidos?” propiciam uma discussão saudável e necessária sobre estereótipos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

27386557873_b4cf39d17c_z

27386562433_5fa711562e_z

27965797646_8296033bb3_z

27965800436_01af02e57b_z

capinha

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Todas as imagens: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,505,556SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Da periferia de SP para os EUA: A trajetória do estudante de medicina que virou pesquisador em Harvard

"Como médico quero defender a saúde como direito de todos e agir em sua expansão nas áreas mais periféricas. Como pesquisador, quero produzir conhecimentos que melhorem a vida diária das pessoas”.

Noiva pede para seu tio de 92 anos ser o “algo azul” de seu casamento

Há uma antiga tradição que teve origem na Inglaterra, que diz que toda noiva deve se casar com algo novo, algo velho, algo emprestado e algo azul.

Fotógrafo conta a história de vida das pessoas através da palma de suas mãos

A beleza do seu trabalho está em revelar que cada ser humano é único e singular.

A linda amizade entre uma cadelinha de três patas e uma menina que nasceu com um braço apenas

Assim que a australiana Brooke Hodgson, 21, viu na internet o anúncio de adoção de uma cadelinha sem uma das pernas dianteiras, ela não...

Instagram