Menino se recupera de paralisia cerebral através de terapia com cordão umbilical

Depois de passar por repouso absoluto e complicações na gestação, a mãe do pequeno Tomas Larriva presenciou um verdadeiro milagre da ciência. Após alguns anos, o menino se recuperou de paralisia cerebral através de terapia com o cordão umbilical e se tornou um caso de sucesso do tratamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A vida do equatoriano começou de forma um tanto caótica. Ele veio ao mundo na 31ª semana de gravidez com uma cesariana de emergência devido ao coraçãozinho fraco. Logo depois, ficou sob cuidados neonatais intensivos na incubadora e, devido uma anomalia, o equipamento cortou o fornecimento de oxigênio ao bebê, resultando na paralisia cerebral espástica. Mas este era só o início de uma linda jornada em prol da qualidade de vida.

Após alguns testes e armazenamento de sangue do cordão umbilical em laboratório, a família optou por inscrever Tomas em um ensaio clínico específico do distúrbio, liderado pela Dra. Joanne Kurtzberg, pioneira no transplante de células estaminais do sangue de cordão umbilical, no Hospital da Universidade de Duke nos Estados Unidos.

cordão umbilical

Depois do estudo ao longo de três anos, foi realizado um transplante autólogo, procedimento em que se faz uso das células do próprio paciente. Atualmente, com cinco anos de idade, Tomas realiza atividades semelhantes às demais crianças de sua idade, como jogar bola. Ele frequenta a escola e fala dois idiomas. O menino segue em acompanhamento e melhorou suas funções motoras com ajuda adicional de fisioterapia e terapia ocupacional.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O tratamento com criopreservação tem dado bons resultados e já está presente em alguns laboratórios ao redor do mundo. O primeiro banco de células-tronco de sangue de cordão umbilical surgiu em 1992, em Nova York. No Brasil, a prática teve início em 2001 e em sua maioria é controlada por empresas e bancos particulares, o que encarece o procedimento.

cordão umbilical

A Rede BrasilCord, criada em 2004 pelo Ministério da Saúde, reúne bancos públicos de sangue de cordão umbilical. A doação do material vindo do recém-nascido para um banco público é voluntária e autorizada pela mãe do bebê. Desta maneira, é possível beneficiar qualquer pessoa que precise de transplante de medula óssea, indicação para pacientes com leucemia e outras doenças do sangue. Que tal doar e incentivar a doação para melhorar a vida de centenas de crianças? Não custa nada e todos saem ganhando!

cordão umbilical

Fotos via

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,241,492SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vítima de grave acidente mobiliza internet para realizar sonho de casar

Nádia Guerra sofreu um grave acidente de carro há treze anos que lhe deixou paraplégica. Ela expôs sua história de vida nas redes sociais,...

Mãe lança livro de pinturas de filho falecido que vendia quadros para pagar hemodiálise

Vocês lembram do pequeno Daniel Neves, 13 anos, lá de Salvador (BA)? Ele foi um anjinho baiano que ficou conhecido após ser ajudado por...

Giorgio Armani vai fornecer água potável para vítimas da tragédia em Mariana

A Giorgio Armani fornecerá água tratada aos estudantes das escolas locais e um armazenamento seguro para o seu uso com cerca de 20 cisternas de coleta de água da chuva. Também serão realizadas oficinas de treinamento para os professores sobre manutenção desses sistemas e práticas seguras e sustentáveis ligadas à água.

Após 30 anos, Will Smith reencontra mulher que o ajudou no início da carreira

O ator Will Smith, 51, fez uma incrível surpresa para a mulher que o ajudou no início da sua carreira e que agora está...

Idoso com câncer que mora há 37 anos em gruta emociona internautas e ganha vaquinha

Apelidado de Silêncio, o senhor João Melo, 60 anos, tem uma história de vida diferente. Ele mora em uma gruta na praia do Perigoso...

Instagram