Menino que pediu “coração novo” ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP

No início de dezembro, pouco antes do Natal, o pequeno Gladson Garcia Silva, 8 anos, escreveu uma cartinha enquanto estava internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP), pedindo ao Papai Noel um “coração novo”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Alguns dias depois, o pedido do menino foi realizado.

Menino que pediu "coração novo" ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP

Gladson sofria de miocardiopatia, uma doença do músculo cardíaco (miocárdio) que compromete o bombeamento correto de sangue para todo o organismo. Com o transplante e um novo coração, ele está livre da doença.

De acordo com o portal Correio Braziliense, este foi o primeiro transplante cardíaco infantil realizado pelo Hospital Albert Einstein – de muitos outros que virão daqui pra frente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A cirurgia foi feita em parceria com o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), uma aliança entre 6 hospitais de ponta no Brasil e o Ministério da Saúde.

Menino que pediu "coração novo" ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP

Diagnóstico

A mãe de Gladson, Ana Camila da Silva, 31 anos, descobriu a miocardiopatia do filho apenas dois meses antes da cirurgia.

“Descobri da pior forma possível, meu filho podia ter morrido dentro de casa”, desabafou Ana. Os primeiros sintomas dele incluíam vômitos e dor de barriga persistentes, semelhantes a uma virose.

Com o diagnóstico da doença cardíaca e consequente internação, o menino foi transferido de Vitória (ES), onde a família morra, para o Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, no dia 16 de novembro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por um mês, ficou à espera de um novo órgão. “Normalmente o transplante cardíaco infantil é uma via final de qualquer tipo de tratamento”, disse o cardiologista Gustavo Foronda.

Menino que pediu "coração novo" ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP

Procedimento cirúrgico

O médico frisou a dificuldade em encontrar doadores compatíveis. “O que a gente tem realmente dificuldade no transplante cardíaco infantil são os doadores, em conseguir o órgão. Culturalmente, uma criança doar um órgão é emocionalmente difícil para a família que acabou de perder o filho, ter essa ideia de doar.”

Uma ligação por telefone no dia 11 de dezembro mudou a vida de Gladson para sempre. “Estou te ligando para te dar uma boa notícia, consegui um coração para o seu filho”, disse o cardiologista à Ana Camila.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A cirurgia é imediata quando um novo órgão fica disponível. Para a mãe, o transplante foi como receber uma nova oportunidade da vida. “Uma chance de poder fazer o que você, como mãe, pensa: ‘Queria ver meu filho grande’.”

Um mês após o procedimento, no dia 10 de janeiro, Gladson recebeu alta. Nas próximas semanas ele deve permanecer na capital paulista, uma vez que os médicos precisam acompanhá-lo.

Recuperação

“Agora ele está doidinho para andar por São Paulo inteiro, quer ir no zoológico, quer ir ao shopping. Passear mesmo, quer ir à praia. E quer muito ver os irmãos”, contou a mãe, que tem outros três filhos menores.

Além de salvar a vida de Gladson, o transplante deixa um legado para o sistema público de saúde, uma vez que outras crianças também serão atendidas em um dos melhores hospitais do Brasil – e do mundo.

Menino que pediu "coração novo" ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP 3

“Tanto para o Einstein quanto para o Proadi-SUS, a partir do momento que a gente faz um procedimento com sucesso como foi feito o do Gladson, isso começa a abrir portas para outras instituições aprenderem com a gente o modo de realização do procedimento. Conseguimos ampliar e difundir esse conhecimento”, disse Foronda.

Menino que pediu "coração novo" ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP 4

“Fiquei superfeliz, muito agradecida. Que através do meu filho, outras crianças possam ser beneficiadas e ajudadas”, disse Ana, acrescentando que o acolhimento do SUS foi fundamental, já que ela e sua família não conseguiriam arcar com os custos.

Fonte: Correio Braziliense
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,805,539SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Filho de 2 anos mastiga a comida e coloca na boca de sua mãe paralítica

Essa é uma das histórias mais impactantes que postamos no Razões: É um símbolo comovente do amor que une mãe e filho. Aos dois anos de...

Neto leva avó para uma aventura épica após ela dizer que nunca tinha visto o mar

Há quatro anos, a vovó Joy contou ao neto, Brad Ryan, que jamais havia visto o mar. Dias após a 'confissão', o rapaz levou-a...

6 dicas para cultivar uma mente positiva

Têm aquela máxima que diz que a vida nos prega peças de vez em quando. É o pneu do carro que furou, um braço...

Hackathon para desenvolvedores negros tem inscrições abertas em São Paulo (SP)

O evento vai reunir desenvolvedores negros e negras da área de programação e desenvolvimento para uma maratona de desafios, aprendizados, mentorias e co-criação.

ONG de Fernanda Gentil oferece suporte pedagógico para crianças com dificuldades de aprendizagem

Todo ano, uma instituição do Rio de Janeiro é selecionada pelo projeto Caslu A+B, e durante o ano todo, as crianças recebem suporte pedagógico completo.

Instagram

Menino que pediu "coração novo" ao Papai Noel é 1º transplantado do Hospital Albert Einstein em SP 6