Menino de 9 anos visita escolas para falar sobre o bullying no Paraná

Clique e ouça:

O fantasma do bullying – físico, verbal ou escrito – deixará de ser um problema recorrente nas escolas quando a comunidade escolar e os pais dos estudantes debaterem mais esse assunto: na escola e em casa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No caso dos pais, sabemos que nem sempre existe tempo para esse diálogo com os filhos, principalmente os pais que trabalham o dia inteiro e, quando chegam em casa, só pensam em descansar para trabalhar no dia seguinte. Essa é a realidade da grande maioria de pais de alunos da rede pública de ensino.

A escola acaba sendo o melhor lugar para realizar essa conversa, pois os alunos passam um terço do seu dia – às vezes, dois terços – nela.  Se falta tempo a muitos pais, o mesmo vale para as professoras e professores. Por isso, os próprios estudantes são fundamentais para a conversa sobre o bullying no ambiente escolar – eles são as presas mais fáceis desse fantasma, não é mesmo?

Não importa a idade, qualquer estudante – do ensino fundamental ou médio – pode iniciar a conversa da forma que achar melhor. O garoto Paulo Pirotta tinha apenas 7 anos quando começou a falar sobre o bullying na escola onde estuda, em Cornélio Procópio, no Paraná.

Em 2017, um amigo dele foi vítima de agressão verbal, porque estava acima do peso. Várias crianças usaram palavras e expressões ofensivas para magoar o menino. Paulo chegou em casa arrasado, sem entender muito bem o que tinha presenciado, mas querendo ajudar seu amigo, de uma forma ou de outra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Explicamos pra ele que aquilo era bullying e mostramos vídeos na internet sobre o assunto. Então, ele disse para mim e para o meu marido: ‘Eu preciso acabar com isso’”, contou a mãe do garoto, Fernanda Pirotta, em conversa com o Razões para Acreditar. “Ele estava disposto a fazer alguma coisa de verdade.”

menino visita escolas falar bullying

Fernanda e o marido, Flávio Odizio, começaram a pensar em maneiras para o filho frear o bullying na escola dele. “Nós simplesmente não podíamos deixar que ele achasse que o problema não tem solução, que não há nada para fazer. Foi quando nasceu o projeto.”

Surge então o projeto Diga não ao bullying: mesmo diferentes somos todos iguais, que Paulo, hoje com 9 anos, toca com o apoio da mãe e do pai.

Tudo começou com um cartaz simples, preenchido com palavras de gentileza, que o garoto colou num corredor da escola da sua escola. Uma professora e a diretora da escola também abriram um espaço para que ele falasse com os colegas sobre o bullying.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O projeto ganhou asas e chegou ao conhecimento de professoras e diretoras de escolas da rede pública. Desde então, Paulo visita escolas públicas para falar sobre o bullying com estudantes que não têm esse diálogo em casa e em outros espaços fora da escola.

menino visita escolas falar bullying

“Ele faz uma pequena explanação para as crianças [de 6 a 10 anos] sobre o bullying, dizendo o quanto é ruim e incentivando para que não aconteça mais. As crianças recebem muito bem a mensagem, das mais novas às mais velhas”, explica Fernanda.

menino visita escolas falar bullying

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fernanda disse que o objetivo do projeto é também levar a discussão sobre o bullying para os pais dessas crianças, fazendo o movimento inverso: dos filhos para os pais. “Para que sejam abertos ao diálogo, e que se comuniquem mais com seus filhos”, afirma ela.

Você pode acompanhar as visitas e outras atividades do projeto no Instagram. As salas e auditórios das escolas estão sempre cheios de crianças querendo saber mais sobre o bullying e compartilhando suas experiências.

banner

crédito das fotos: Reprodução/Instagram @mesmodiferentesomostodosiguais

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,078,209FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,712SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Vaquinha para motoboy humilhado bate mais de R$100 mil em menos de 24h

Todo mundo acordou ontem precisando engolir a seco a história do Matheus Pires, de Valinho (SP). Vivemos em um país onde ainda há muita indiferença...

Homem raspa cabelo da namorada com alopecia, depois o seu também e ela não aguenta a emoção

Quando a gente escuta que amar não tem limites, a gente fala de gestos como o de Damien! Ele namora Eva Barilaro e, recentemente, os...

Holanda bate recorde e é o primeiro país sem nenhum cão de rua abandonado

O governo holandês deu uma notícia inspiradora para todo o mundo. O país é o único a não ter cães de rua abandonados. Isso é...

Instagram

Menino de 9 anos visita escolas para falar sobre o bullying no Paraná 13