Mergulhador é surpreendido por foca adorável pedindo carinho

10
9238
foca adorável

A foca, mesmo as selvagens e não-domesticadas, tem uma personalidade dócil.

Tinha tudo para ser mais um mergulho rotineiro, apreciando corais, peixes, mas Gary Grayson não podia imaginar o que o esperava naquele dia: uma foca em seu caminho.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enquanto desfrutava das belas águas nas Ilhas Scilly, Inglaterra, uma foquinha simplesmente se aproximou e como se fosse um cachorro pedindo carinho, cutucou o mergulhador com sua nadadeira e pediu por afagos.

Encantado, claro, ele fez carinho na meiga foco e registrou o momento, que fez com que o vídeo ganhasse a internet (e os usuários) por conta de tanta lindeza.

É muito amor vê-la toda relaxada, sendo acariciada e, com perdão do trocadilho, foca na fofura!

foca adorável

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também:

Ivete Sangalo compra todo algodão doce de vendedor e o convida para subir no trio

Vira-lata ‘usa’ dentadura encontrada no quintal e quase mata todo mundo de rir

Jovem faz pedido para Whindersson Nunes, que o responde disposto a ajudá-lo

foca adorável 2

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

foca adorável 3

foca adorável 4

Fonte: Tudo Interessante

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

10 COMENTÁRIOS

  1. tudo muito fofo, mas isso poderia ter acabado muito mal. Não se pode interagir com animais selvagens, primeiro porque eles são selvagens e segundo que é melhor para ele permanecer assim, selvagem.

    • Interpretei diferente, colega. Numa época em que humanos costumam interagir com animais para obter troféus de suas cabeças, assistir esse vídeo é reconhecer que nem tudo está perdido na interação entre espécies diferentes. A foca adorável e carente foi quem procurou o mergulhador para um encontro amigável, ele apenas aceitou participar, primeiro porque demonstrou ser a exceção à regra e segundo porque animais, selvagens ou não, merecem respeito, atenção e carinho, chega de balas, flechas, arpões, anzóis, redes, jaulas, armadilhas e gaiolas. Ele não a aprisionou ou feriu, deixou-a ir feliz por ter encontrado um pouco de carinho nesse mundo cão.

      • Concordo totalmente, Sandra. O ‘Razão para acreditar’, quando vi o post antes de ver o vídeo, na minha interpretação é justamente em função da atitude não-predadora do humano envolvido e não do animal. O vídeo confirmou isso. Num mundo em que se assassina animais por esporte (ocasião em que se usa o eufemismo ‘caça esportiva’ para esse assassínio), uma interação como essa, em que, depois de 1-2 minutos cada um segue para cuidar da sua vida, é algo que lava a alma.

      • A questão colocada pela The nana, creio eu, não é esta que você apontou.

        Independente do quão singelo e doce seja este vídeo – pois de fato ele transmite, em sua essência, o que você disse: uma representação do entendimento entre espécies -, existe, ainda assim, alguma displicência da parte do mergulhador.

        Apesar de sermos racionais, nós não temos garantia sobre a interpretação que fazemos do comportamento de animais selvagens. Interpretar que a foca se aproximou pedindo carinho e tocá-la para satisfazer esse aparente desejo é brincar de roleta russa; você nunca terá certeza sobre o que irá ocorrer.

        Um exemplo simples para ilustrar: se estivesse sozinha em uma floresta e avistasse um lobo que viesse abanando a cauda (com a linguagem corporal de um cão dócil) em sua direção, o que você acharia sensato fazer? Deixar se aproximar e acariciar ou evitar qualquer contato?

        Pode parecer exagero comparar um lobo a uma foca, pois não, não é. Uma foca tem bastante (pra não dizer o mesmo) potencial para causar sérios danos a um humano, caso ela queira ou precise. E esse é – ou deveria ser – o nosso foco ao se deparar com um animal selvagem, independente de como se comporta.

        A sensatez de que, sendo o animal que for, o ideal é sempre manter distância ao apreciá-lo pode ser a diferença entre um encontro amistoso ou uma fatalidade. Quem é racional e pode escolher evitar desastres – que serão custosos, de maneiras diferentes, para ambos – é você.

  2. tudo muito fofo, mas isso poderia ter acabado muito mal. Não se pode interagir com animais selvagens, primeiro porque eles são selvagens e segundo que é melhor para ele permanecer assim, selvagem.

Comments are closed.