Mesmo depois de ficar cega, ela superou limites e tornou-se professora

Ela poderia ser mais uma a reclamar da vida, mas não é!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cega aos treze anos, Ethel não se abateu e continuou em busca dos seus sonhos. Tornou-se a primeira professora cega do ensino público do Rio de Janeiro e até hoje atua junto a órgãos públicos pela melhor qualidade de vida dos deficientes visuais. Por 27 anos, ela trabalhou apenas com pessoas com deficiência. Durante esse tempo, Ethel percebeu que quando chegava a hora de incluir essas pessoas no mercado de trabalho, as outras não estavam preparadas para conviverem com as diferenças.

Foi aí que mudou o foco e começou a trabalhar como consultora, para sensibilizar e capacitar pessoas para um melhor relacionamento com as pessoas com deficiência. Ela acredita que mais importante que cumprir a chamada Lei de Cotas, é essencial acreditar no potencial das pessoas com deficiência e empregá-las com os mesmos direitos e deveres dos demais empregados. Veja o vídeo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,274,824SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Associação de moradores distribui comedouros comunitários para animais em Jericoacoara (CE)

Além de alimentar, a associação castra os animais para o controle de natalidade. Segundo a coordenadora da Jeri Sobre Patas, Carla Souza, foram castrados 600 animais desde a criação da associação, em 2012.

Operário aposentado de 93 anos conclui curso de direito na Paraíba

Sua próxima meta é entrar no curso de medicina!

[VÍDEO] Idoso de 81 anos senta-se todos os dias em frente ao hospital para tocar acordeão para sua amada

Todos os dias, seu Stefano vai até o hospital Castel San Giovanni (Piacenza, Itália) onde a esposa, Carla, está internada. Como as visitas estão proibidas...

Gêmeas criam projeto de leitura para combater violência em favela

As gêmeas Helena e Eduarda Ferreira, de 11 anos, nasceram no Morro da Providência, a primeira favela do Brasil, fundada em 1897, no Rio...

Instagram

Mesmo depois de ficar cega, ela superou limites e tornou-se professora 2