Mesmo depois de ficar cega, ela superou limites e tornou-se professora

Ela poderia ser mais uma a reclamar da vida, mas não é!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cega aos treze anos, Ethel não se abateu e continuou em busca dos seus sonhos. Tornou-se a primeira professora cega do ensino público do Rio de Janeiro e até hoje atua junto a órgãos públicos pela melhor qualidade de vida dos deficientes visuais. Por 27 anos, ela trabalhou apenas com pessoas com deficiência. Durante esse tempo, Ethel percebeu que quando chegava a hora de incluir essas pessoas no mercado de trabalho, as outras não estavam preparadas para conviverem com as diferenças.

Foi aí que mudou o foco e começou a trabalhar como consultora, para sensibilizar e capacitar pessoas para um melhor relacionamento com as pessoas com deficiência. Ela acredita que mais importante que cumprir a chamada Lei de Cotas, é essencial acreditar no potencial das pessoas com deficiência e empregá-las com os mesmos direitos e deveres dos demais empregados. Veja o vídeo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,839,477SeguidoresSeguir
24,786SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

São Paulo ganha projeto inédito de logística reversa de eletroeletrônicos

Iniciativa será realizada na Subprefeitura Lapa, por meio de parceria entre agência de cooperação japonesa, Governo Federal e Prefeitura de São Paulo, representada pela Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb)

Servidora ensina inglês para colegas de trabalho no horário de almoço

Ter a fluência e o conhecimento de um segundo idioma, especialmente o inglês, pode fazer toda a diferença num mercado de trabalho cada vez...

Popó fará sua despedida no ringue ao som de Pabllo Vittar, para homenagear filho gay

Ouça essa emocionante matéria! Clique no play acima! Popó  é um dos boxeadores mais famosos do país e já foi tetracampeão mundial em duas categorias diferentes de boxe....

Startup cria aplicativo para auxiliar no combate à LGBTfobia

Um grupo de quatro jovens brasileiros estavam inconformados com as situações de preconceitos que a população LGBT sofre. Com o objetivo de coletar e processar...

Criança comanda projeto que recolhe lixo eletrônico na casa das pessoas e ensina como descartá-los

Victor Ruffino comanda um projeto que recolhe o resíduo eletrônico na casa das pessoas, ensina como descartá-lo e leva o que ainda pode ser...

Instagram

Mesmo depois de ficar cega, ela superou limites e tornou-se professora 4