Novo método de impressão não usa tinta e reutiliza o papel até 80 vezes

Ah, como é bom colher os frutos dos avanços tecnológicos! Depois do surgimento da impressora 3D, que já revolucionou o mercado, agora surge mais uma boa descoberta: um novo método de impressão que não usa tinta e reutiliza o papel até 80 vezes. Não é loucura, nem falácia, é ciência!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com a situação ambiental se agravando, inclusive pelo número absurdo de lixo produzido (sendo 40% de sua composição feita de papel), é preciso pensar em soluções cada vez mais sustentáveis. As equipes da Shandong University na China, Universidade Riverside da Califórnia e o Laboratório Nacional de Lawrence Berkeley conseguiram inovar o método de impressão em celulose utilizando luz ultravioleta.

O método é combinado com um papel brilhante, de cor azul, revestido com nanopartículas que podem ser aplicadas a um papel convencional. A junção de dióxido de titânio (TiO2) e azul prussiano, ambos presentes numa folha tradicional, resultam numa reação química que torna o material regravável.

Segundo o professor de química Yadong Yin, os materiais de revestimento e a produção são de baixo custo, pois o revestimento pode ser aplicado à superfície de papel convencional através de processos simples como imersão ou pulverização. Ele também destaca que o processo de impressão é também mais econômico, já que não há o uso de cartuchos, além de colaborar com a redução no número de papel jogado no lixo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sem utilizar tinta, que também é tóxica e acaba prejudicando o meio ambiente, o método permite que o papel seja reutilizado até 80 vezes, pois a impressão pode ser apagada quando exposta a temperaturas maiores do que 120º C. Devido a oxidação, o texto desaparece naturalmente em cinco dias caso não seja feito o aquecimento.

O grupo de pesquisadores se dedica agora a construir uma impressora a laser, para que torne o processo mais rápido, além de buscar por métodos eficazes para realizar a impressão em cores. “Acreditamos que nosso trabalho tem méritos econômicos e ambientais enormes para a sociedade moderna”, declarou Yin ao site Phys. Se poupar as árvores, colaborar com a redução dos aterros e de todos os efeitos prejudiciais da indústria, podemos concordar com ele.

Fotos: reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,575,137SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Gaúcho cria o “vagas móvel” e leva vagas até comunidades carentes de Porto Alegre (RS)

A gente já contou algumas histórias maravilhosas que o Kaká D'Ávila vem fazendo em Porto Alegre (RS). Depois de criar o movimento "Tá na Cara...

Jornalista larga profissão para produzir comida saudável na roça

Felipe Cifarelli, 25 anos, teve uma atitude muito corajosa: largou sua carreira como jornalista para se dedicar a sua paixão: agricultura urbana. "Tive excelentes professores...

Foi inaugurado o primeiro abrigo para LGBTs moradores de rua em SP

Foi inaugurado na quinta-feira (09/10), o Centro de Acolhida Zaki Narchi, que é o primeiro de São Paulo com espaço exclusivo para os sem-teto LGBT. São...

Depois de passar por vários abrigos, rapaz de 26 anos é adotado por família em Florianópolis

O jovem Josué, de 26 anos, passou a vida inteira em abrigos. Ele conviveu com duas filhas interessadas em adotá-lo, mas o processo de...

Melhores amigos fazem faixa em tom de brincadeira na formatura de amigo advogado

Quem tem amigos, tem tudo na vida! David Souza Oliveira tem apenas 22 anos e acaba de se formar em direito. Quinta-feira passada foi...

Instagram