Estudante mexicana cria plástico de casca de laranja que se decompõe em 90 dias

A estudante mexicana Giselle Mendonza venceu um concurso nacional apresentando um bioplástico que ela criou da casca de laranja.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Giselle disse que sua ideia surgiu a partir de estatísticas que mostram o quanto o Oceano Pacífico acumula lixo plástico. “Há um grande acúmulo do tamanho da França. Por outro lado, as projeções apontam para o fato de que, em 2050, haverá mais resíduos plásticos no mar do que peixes”, disse a estudante.

Como o México é o quinto maior produtor de laranja do mundo, Giselle Mendoza pensou em como reaproveitar esse resíduo para criar um material muito útil para diversas finalidades, que é o plástico.

Produção

Para a produção do bioplástico funcionar Giselle fez parcerias com produtores de laranjas, garantindo que ela teria a matéria-prima do projeto sem investir nada. Hoje o México produz cerca de 4,5 milhões de toneladas de laranja, onde 40% a 65% se transformam em lixo.

Ela também considerou que a fruta é abundante em diversos países, o que facilita a fabricação do bioplástico.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Giselle disse que além da abundância, a laranja foi escolhida por outros fatores. É uma fruta com propriedade curativa e rica em celulose. Essas características permitem o uso do plástico em diversos setores, como agricultura, setor de embalagens e biomedicina.

O objetivo principal de Giselle é criar o bioplástico de casca de laranja para substituir as garrafas PET que são grandes poluentes em todo o planeta.

Para que você entenda melhor, uma garrafa PET leva cerca de 100 anos para se decompor. No caso do bioplástico criado por Giselle, o material precisa apenas de 90 dias para desaparecer completamente da natureza.

Leia Também: Embalagem 100% biodegradável feita de arroz, café e coco vem para brigar com o plástico

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Giselle é aluna do Instituto Tecnológico de Monterrey e tirou o terceiro lugar no Prêmio Santander de Inovação Empresarial de 2019, além do primeiro lugar no Global Student Entrepreneur Awards (GSEA) no México.

Hoje a pesquisa do bioplástico é feita pela startup Geco, criada pela própria estudante, em 2018.

Sabe outra história muito bacana para você conhecer? É das estudantes de SP que criam absorvente 100% biodegradável que se decompõe em 6 meses

FONTE: Ciclovivo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,777,376SeguidoresSeguir
23,544SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Abandonado por ser surdo, esse cão teve nova chance e aprendeu língua de sinais

Horus é um cão que foi maltratado pelos seus antigos donos, viciados em heroína. Mas, sob o cuidado amoroso de sua tutora, Rosie Gibbs,...

Sem dinheiro, mãe cria jogos pedagógicos para filho autista com caixas de sapato e pizza

Uma mãe sem condições financeiras para comprar jogos pedagógicos para o filho autista usou toda sua criatividade para entretê-lo com o que tinha em...

Senhora de 99 anos costura enxovais para bebês de famílias necessitadas

Todas as roupinhas são feitas a mão com o amor e carinho de vó!

13 conselhos para superar momentos difíceis!

Existe, segundo Buda, uma forma de viver esses momentos de uma maneira mais tranquila e o segredo tem a ver com atitude:

Instagram

Estudante mexicana cria plástico de casca de laranja que se decompõe em 90 dias 3