“Virei modelo plus size e uma referência de beleza para a minha filha”

Como se libertar de padrões impostos pela sociedade e conquistar o tão desejado amor-próprio? Neste depoimento, Lívia Costa, 41 anos, modelo plus size de Salvador, conta como passou a aceitar sua beleza fora dos padrões e recuperou a autoestima para servir de exemplo para a filha, Lavínia.

“Tive um relacionamento estável com o pai da minha filha por cerca de dez anos. A Lavínia chegou trazendo alegria, mas, um ano depois, mesmo casada, me vi como única responsável por ela.

Minha vida estava ainda mais corrida, e a atenção do meu ex-companheiro comigo era igual a nada. Fui ficando triste, desmotivada e engordei absurdamente. Minha autoestima bateu no fundo do poço. Então, quando minha filha completou 5 anos, tomei a decisão de me separar.

Eu precisava cuidar de mim. Não foi fácil superar o fracasso desse relacionamento. Quem me dava forças para não desistir era a Lalá. Olhar para o seu rostinho me enchia de coragem, e, assim, a vida foi tomando novos rumos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mãe de menina preta

Nessa mesma época, minha filha começou a fazer ensaios fotográficos como modelo infantil, e acabei participando de um. Foi quando me dei conta de que ter vergonha do meu corpo e me esconder, como vinha fazendo, não ensinava nada de bom a ela.

Mesmo fora do padrão, eu podia me sentir bonita. E me aceitar era tão importante para mim quanto para a Lavínia. Como mãe de menina preta, eu precisava ajudá-la a saber que o corpo, a pele, o cabelo não validam quem uma pessoa é. Isso impulsionou uma grande mudança em mim e, buscando meu lugar ao sol, também entrei para o mundo da moda como modelo plus size.

Hoje, tenho orgulho da mãe que sou e da mulher que me tornei. Por isso, incentivo outras a se libertar de padrões e preconceitos, ter amor-próprio, não aceitar relacionamentos tóxicos e se defender do machismo. Minha história está no livro Mães Pretas – Maternidade Solo e Dororidade, ao lado de outras 36 vozes de mães negras, e fico feliz por saber que agora sou uma referência positiva para a minha filha.”

Texto: Romy Aikawa
Foto: Fabíola Freire / Caixa de Fósforo

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #43, em maio de 2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

Ela criou caderneta para empoderar agricultoras que não conheciam o valor do seu trabalho

Ao longo da história, os quintais foram vistos apenas como uma extensão da casa, um lugar de descanso e reunião entre amigos e familiares....

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

+ DO CANAL

Ela criou caderneta para empoderar agricultoras que não conheciam o valor do seu trabalho

Ao longo da história, os quintais foram vistos apenas como uma extensão da casa, um lugar de descanso e reunião entre amigos e familiares....

Casal decide conhecer todos os parques nacionais para chamar a atenção para a causa do meio ambiente

Ao se verem sozinhos diante de uma paisagem linda em um parque nacional, a psicóloga Letícia Pereira Alves, 37 anos, e o economista Dennis...

Ex-catadora de latinhas vira a primeira mulher negra latino-americana a chegar ao topo do Everest

Desde pequena, no bairro de Jardim Capivari, na periferia de Campinas (SP), Aretha Duarte aprendeu a buscar diferentes maneiras para superar as dificuldades e...

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

“Reuni um grupo de mulheres da favela para aprenderem a reformar suas próprias casas”

Durante a pandemia, Ester Carro, 27 anos, arquiteta, reuniu um grupo de mulheres para aprenderem a reformar suas próprias casas em Paraisópolis, São Paulo....

Instagram