Morador de rua de BH vence o crack com a ajuda da literatura e já tem dois livros publicados

O mineiro Roberto Nascimento, de Governador Valadares, encontrou na literatura a porta de saída do vício no crack. “De morador de rua a poeta”. É assim como ele define a sua superação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O vício na droga o fez perder a família, os amigos de infância, o emprego, a autoestima, o sorriso. Mas, graças a sua vontade de dar a volta por cima e o contato com o mundo mágico das letras, ele conseguiu deixar o crack e se tornar um poeta.

“Fui um sem-teto até fevereiro passado. Agora ganho a vida negociando meu livros”, conta Roberto, que já tem dois livros lançados: “O poeta ambulante I e “O poeta ambulante II” – cada um custa apenas 5 reais!

Roberto e a família moraram durante um bom tempo na Zona Leste de Belo Horizonte. Ele estudou só até a 6ª série, casou-se e teve três filhos. Conheceu o crack já adulto e se tornou um dependente químico. A droga desestruturou o casamento de 20 anos e Roberto acabou se separando da esposa.

Conheça nosso canal no Razões com Notícias + Leves

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Para bancar o consumo do crack, vendi até os aparelhos de celular dos meus filhos. A esposa me largou. Foi com as crianças – tenho duas meninas e um rapaz – para Salinas (Norte de Minas Gerais). Já eu fui para a rua”, lamenta. O crack também lhe tirou o trabalho como pedreiro.

Mas, no dia 27 de fevereiro de 2013, Roberto escutou de um policial o que ele precisava para reunir forças para abandonar o crack. Ele disse a Roberto que, em cada 100 viciados na droga, de dois a três conseguem largar o vício. “Sou um desses dois ou três”, ele disse.

O policial o levou para o programa SOS Drogas, onde Roberto foi amparado por especialistas e encaminhado ao Centro Mineiro de Toxicomania (CMT). Ele começou a frequentar a unidade do Bairro Cruzeiro do Centro de Referência de Saúde Mental (Cersam).

Um novo mundo se abriu com a literatura

Foi lá que Roberto teve o seu primeiro contato com a poesia. Roberto ficou encantado com os textos de Castro Alves (1847-1871) e Gonçalves Dias (1823-1864). O rapaz começou a escrever e declamar seus próprios versos estimulado pelos profissionais do Cersam, que o encorajou a publicar sua primeira obra, em 2014. A segunda foi lançada há pouco tempo.

Hoje, o morador de rua trabalha em um novo projeto ao lado da atriz, cantora, contadora de histórias e professora de literatura Jhê Delacroix. Roberto publicará uma coletânea de cordel no próximo ano. “Percebi que ele tem tino para o cordel. Os cordelistas estão cada vez mais raros nos grandes centros urbanos”, conta a professora do Cersam.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto de Capa: Divulgação

via [em.com.br]

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,850,818SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

OMO homenageia líder comunitária que transforma a vida de crianças e jovens de bairro pobre no RJ

Ilma Rocha é a esperança de uma vida melhor para crianças, adolescentes e jovens da comunidade do Quitanda, no Rio de Janeiro.  Em 2006, Ilma...

Ensaio de noivado viraliza e nos dá uma linda lição

No meio de tantas fotos de modelos que se encaixam nos "padrões de beleza" impostos pela sociedade, ficamos muito felizes ao nos depararmos com...

75 anos depois, soldado reencontra mulher por quem se apaixonou durante a Segunda Guerra Mundial

A história de Kara Troy Robbins e Jeannine Ganaye é daquelas que a gente acha que só existe em filme. Os dois se conheceram em...

O emocionante relato de uma mulher que superou o preconceito e encontrou o amor

”Me faz ver a mulher linda e guerreira que sou.”

ONG leva ajuda humanitária a famílias que vivem no lixão do Jardim Gramacho (RJ)

A ONG Corrente pelo Bem realiza ações sociais para a comunidade do Jardim Gramacho que vive em cima de lixão desativado pela prefeitura. São mais de 100 famílias que se alimentam dos lixos descartados no aterro.

Instagram