Morador de rua de BH vence o crack com a ajuda da literatura e já tem dois livros publicados

O mineiro Roberto Nascimento, de Governador Valadares, encontrou na literatura a porta de saída do vício no crack. “De morador de rua a poeta”. É assim como ele define a sua superação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O vício na droga o fez perder a família, os amigos de infância, o emprego, a autoestima, o sorriso. Mas, graças a sua vontade de dar a volta por cima e o contato com o mundo mágico das letras, ele conseguiu deixar o crack e se tornar um poeta.

“Fui um sem-teto até fevereiro passado. Agora ganho a vida negociando meu livros”, conta Roberto, que já tem dois livros lançados: “O poeta ambulante I e “O poeta ambulante II” – cada um custa apenas 5 reais!

Roberto e a família moraram durante um bom tempo na Zona Leste de Belo Horizonte. Ele estudou só até a 6ª série, casou-se e teve três filhos. Conheceu o crack já adulto e se tornou um dependente químico. A droga desestruturou o casamento de 20 anos e Roberto acabou se separando da esposa.

Conheça nosso canal no Razões com Notícias + Leves

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Para bancar o consumo do crack, vendi até os aparelhos de celular dos meus filhos. A esposa me largou. Foi com as crianças – tenho duas meninas e um rapaz – para Salinas (Norte de Minas Gerais). Já eu fui para a rua”, lamenta. O crack também lhe tirou o trabalho como pedreiro.

Mas, no dia 27 de fevereiro de 2013, Roberto escutou de um policial o que ele precisava para reunir forças para abandonar o crack. Ele disse a Roberto que, em cada 100 viciados na droga, de dois a três conseguem largar o vício. “Sou um desses dois ou três”, ele disse.

O policial o levou para o programa SOS Drogas, onde Roberto foi amparado por especialistas e encaminhado ao Centro Mineiro de Toxicomania (CMT). Ele começou a frequentar a unidade do Bairro Cruzeiro do Centro de Referência de Saúde Mental (Cersam).

Um novo mundo se abriu com a literatura

Foi lá que Roberto teve o seu primeiro contato com a poesia. Roberto ficou encantado com os textos de Castro Alves (1847-1871) e Gonçalves Dias (1823-1864). O rapaz começou a escrever e declamar seus próprios versos estimulado pelos profissionais do Cersam, que o encorajou a publicar sua primeira obra, em 2014. A segunda foi lançada há pouco tempo.

Hoje, o morador de rua trabalha em um novo projeto ao lado da atriz, cantora, contadora de histórias e professora de literatura Jhê Delacroix. Roberto publicará uma coletânea de cordel no próximo ano. “Percebi que ele tem tino para o cordel. Os cordelistas estão cada vez mais raros nos grandes centros urbanos”, conta a professora do Cersam.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto de Capa: Divulgação

via [em.com.br]

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,269,708SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Bairro em Londres vai criar 11km de corredor de flores para abelhas

Vitais para o ecossistema terrestre e o ciclo da vida como um todo, as abelhas são consideradas os seres vivos mais importantes do planeta....

Pesquisadores estudam gerar eletricidade a partir da palha da cana-de-açúcar

Com grande potencial para geração de energia, a palha da cana-de-açúcar infelizmente é mal aproveitada: a destinação mais comum tem sido o descarte no campo...

Iniciativa convoca voluntários para ajudar vizinhos isolados por conta do coronavírus

O momento é de preocupação e aflição, mas também há espaço para a esperança e muitas razões para acreditar. Aqui no Brasil, uma iniciativa...

Gêmeas criam projeto de leitura para combater violência em favela

As gêmeas Helena e Eduarda Ferreira, de 11 anos, nasceram no Morro da Providência, a primeira favela do Brasil, fundada em 1897, no Rio...

Cachorrinha resgatada de matadouro se recusa a ficar longe de homem que a salvou

A cachorrinha Sanie viu coisas que animal nenhum mereceria ver. Encolhida em uma gaiola de metal de um matadouro no Camboja, ela assistiu passivamente...

Instagram

Morador de rua de BH vence o crack com a ajuda da literatura e já tem dois livros publicados 1