Moradores de rua são treinados para ouvir e acolher sem-tetos

Quem melhor do que pessoas que vivem ou já viveram nas ruas para ouvir e acolher moradores de rua? A Sur, empresa de psicanálise, clínica e intervenção social, financiada pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos de São Paulo, reuniu algumas dessas pessoas para ouvir essa população invisibilizada.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O objetivo do projeto é reunir informações para a criação de um Plano Municipal para a População em Situação de Rua, que será elaborado pelo Comitê Intersetorial da Política Municipal para a População em Situação de Rua, o Comitê Pop Rua, espaço de discussões que conecta representantes do governo e da sociedade civil.

“A população de rua precisa ser ouvida. Se a gente ouvir o que ela quer, resolve o problema dela”, recomenda Paulo César de Paula, ex- morador de rua e militante de movimentos sociais. Paulo e outros nove pesquisadores sociais dialogam com habitantes das calçadas, vielas, praças, tendas, albergues, malocas, centros de acolhida e bueiros: moradias de quem não tem casa em São Paulo.

“Queremos levantar as situações de vida nas ruas usando uma metodologia em que o pesquisador é alguém que vive a situação de rua”, explica a psicóloga Emilia Estivalet Broide, da Sur, técnica sênior da pesquisa.

Os dez pesquisadores sociais recebem por mês um salário línquido de R$ 500, mais vale-alimentação e transporte, durante oito meses.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia a matéria na íntegra aqui.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,763SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menina de 2 anos guia os pais deficientes visuais no dia a dia

"Eu acho que quando Deus decidiu nos presentear com Ana, ele disse: 'pronto, ela será os olhos da mãe e do pai - seus pés e suas mãos", diz Marlene, mãe da menina.

A reação desse adolescente de 16 anos ao ser aprovado em Harvard não tem preço

Depois de se formar, ele quer abrir uma organização sem fins lucrativos para ajudar as crianças de sua comunidade a chegar aonde ele chegou.

Artista transforma lajes de barracos em incríveis painéis de pintura

O artista Dágson Silva, de 28 anos, queria mudar a imagem que as pessoas se acostumaram a ter de aglomerados como o que existe...

Jovens jogadores da Espanha consolam adversários japoneses após derrota

Acabamos de ver incríveis exemplos de solidariedade e fair-play durante os Jogos Olímpicos, como esse aqui. Mas esses gestos não terminam quando as Olimpíadas acabam...

Instagram