Início INSPIRAÇÃO Gentilezas Mesmo morando na rua, ele proporciona um lar para 17 cães

Mesmo morando na rua, ele proporciona um lar para 17 cães

Quem vive em situação de rua precisa aprender a conviver com a solidão. Mas, por sorte, essa não é a realidade do morador de rua Gilberto da Cunha Alves.

Ele vive nas ruas de Maceió (AL) há quinze anos, desde que a família o abandonou depois que a sua mãe morreu.

Gilberto ficou amigo de 17 cães, que o ajudam a preencher o vazio da falta de alguém para dividir os dias nas ruas. Ele vive em frente a um galpão na Avenida Durval de Góes Monteiro, parte alta de Maceió. O sem-teto aproveita a região para levantar algum dinheiro e garantir a alimentação dele e a dos cães.

Diariamente ele pede ajuda aos condutores que trafegam pela avenida e, até, improvisa um malabarismo. “Às vezes é difícil conseguir algo. Em alguns dias, foi mais fácil conseguir para os cães do que para mim”, conta Gilberto.

Fotos: Jonnathan Firmino

via [TNH 1]

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,391FãsCurtir
1,678,961SeguidoresSeguir
8,240SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Mãe pede pizza só para ver o filho entregar no primeiro dia de trabalho

Lindo gesto de amor da mãe para incentivar o filho no novo trabalho!

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Pesquisadores do Paraná criam membrana capaz de desenvolver pele e ossos

O futuro da medicina está cada vez mais próximo do presente. No Paraná, pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina criaram uma membrana que é...

Instagram