Motorista da Uber socorre menina doente, leva-a ao hospital e não cobra corrida da mãe

Em seu primeiro dia trabalhando como motorista da Uber, na última terça-feira (5), Daniel de Oliveira Torres, fez a corrida de sua vida: socorreu uma menina que estava com 40° C de febre, levou-a ao hospital e ainda se recusou a cobrar a corrida solicitada pela mãe.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Foi automático, nem parei para refletir. Só pensava nos meus três filhos e que eu deveria ajudá-la.”

Daniel, que também trabalha em um supermercado e se tornou motorista particular para complementar a renda, mora em São Gonçalo (RJ) e conta que após a corrida, se tornou amigo de Bruna Silva Santos e sua família.

“Recebi o chamado da Bruna e por algum problema o aplicativo já iniciou, sem ela estar dentro do carro, por volta das 23h. Aí ela me ligou e pediu para eu cancelar, porque estava com a filha ardendo em febre, com quase 40ºC, e precisava chegar logo na UPA (Unidade de Pronto Atendimento). Eu pedi para ela me falar certinho onde estava que eu iria levá-la”, relatou ela ao portal BHAZ.

O motorista conseguiu chegar bem rápido à casa de Bruna, pois já estava tarde e não havia trânsito. Ela estava esperando com a pequena Letícia, 3 anos, no colo. “Em 5 minutos já estava na porta [da casa dela]. Ela entrou com a filha e a mãe. Como a menina já estava passando muito mal, cortei todos os carros, semáforos, buzinei muito, tudo para chegar rápido até a UPA”, explica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Motorista da Uber socorre menina doente
Daniel, que trabalha como motorista da Uber, socorreu Letícia às pressas e a levou ao hospital. Não quis cobrar pela corrida

No trajeto até o hospital, a menina começou a vomitar no carro. “Falei com a Bruna que não precisava se preocupar. Chegamos na UPA com uns 8 minutos. Aí eu desliguei o aplicativo, estacionei o carro e fui entrar com elas. Expliquei para a Bruna que esperaria as três saírem da UPA e levaria elas para casa depois”, explica.

Leia tambémUber para carro e corre a pé com malas para passageira não perder voo

“Só queria agradecer”

A mãe de Letícia trabalha como autônoma. Ela afirma que ao descer do carro, tentou pagar R$ 60 para o motorista, de modo a recompensá-lo pela proatividade e pelos transtornos. No entanto, ele se recusou. “A corrida tinha dado R$ 5,95, mas minha filha vomitou no carro e ele me contou que teria que trabalhar cedo no outro dia de manhã. Eu peguei o dinheiro, mas ele não aceitou. Disse para eu me preocupar só com a minha filha”, explica.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2667886469899425&set=a.479606222060805&type=3

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente entrou na UPA e a Letícia teve que tomar soro, ser medicada, descansar. Durante todo esse tempo o Daniel ficou na sala de espera. Saímos já era mais de 1h e, mesmo assim, me deixou em casa. Não cobrou a corrida nem nada. Eu agradeci muito, disse que vou sempre orar pela vida dele”, conta Bruna.

Segundo a equipe médica do hospital, o motivo da febre da criança seria emocional. “Acabamos de perder nosso cachorro, ela ficou muito triste e adoeceu. Ela não teve mais nenhum sintoma, então ainda estamos observando. Agora ela está bem melhor”, continua.

A autônoma não esperava que a história fosse repercutir tanto. Em poucos dias, o relato do acontecimento já acumula mais de 155 mil reações e 55 mil compartilhamentos no Facebook. “Eu compartilhei no meu Facebook só mesmo para mostrar essa história e demonstrar minha gratidão a ele. A publicação era só para contar aos meus amigos mesmo, mas tomou uma proporção muito maior.”

Leia também: Motorista da Uber acolhe mãe aflita e compra roupas para seu bebê doente

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Ele é uma pessoa do bem, trabalhando na Uber para pagar o carro, sustentar a família”, completa

Após aquela noite tensa, Daniel e Bruna se tornaram amigos. “Trocamos número de telefone e conversamos pelo WhatsApp. Ganhei uma amiga, uma família. Hoje ainda vou lá vê-la, saber como ela está. Honro ao meu Deus, não pensei duas vezes para ajudá-la e faria tudo de novo se fosse preciso”, completa.

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

Fonte: BHAZ/Fotos: Daniel Torres/Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta aqui? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,081,366SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Asilo em Porto Alegre recebe campeonato de skate

Imagina o seu avô avaliando sua performance no skate? Agora pense em uma competição em um asilo, com vários idosos dando suas notas e...

Jovem formado em Direito faz linda homenagem aos pais no dia da formatura

Uma cena na colação de grau da turma do curso de Direito de uma faculdade privada de Teresina, no Piauí, chamou a atenção de...

Eles são gays, pastores, pais e consideram a Bíblia como modelo de comportamento

"Se Jesus estivesse aqui, em terra, ele estaria no meio da minha família"

Após ninguém aparecer em feijoada beneficente para o filho, pai recebe apoio e remarca evento

A feijoada era para arrecadar fundos para o tratamento do filho que tem paralisia cerebral. Evento foi remarcado!

Em guerra, Síria aposta em hortas urbanas para conseguir alimentar população

Por Débora Spitzcovsky Bombas, sofrimento, insegurança, fome… A guerra traz uma porção de consequências tristes para as regiões onde acontece. Afastá-las, infelizmente, não depende da...

Instagram

Motorista da Uber socorre menina doente, leva-a ao hospital e não cobra corrida da mãe 1