“Pensei como pai”, diz motorista que não cobrou corrida de mãe com bebê ardendo em febre

Mesmo precisando, o motorista parceiro da 99, Juliano da Silva Prates, não cobrou a corrida de uma mãe solo que estava com seu bebê no colo ardendo de febre.

Juliano tinha acabado de deixar um passageiro no bairro da Lapa, Zona Oeste de São Paulo, quando recebeu um pedido de corrida vindo da Brasilândia, na Zona Sul da Capital Paulista. Já era tarde da noite e Juliano fez um caminho diferente do que está habituado.

Seguiu viagem e encontrou a jovem mãe desesperada, com medo do bebê estar com Covid-19. A criança estava com 39 graus de febre e risco de convulsionar. Sem perder tempo, Juliano partiu em direção ao hospital.

motorista da 99 encostado no carro em pé de braços cruzados
Juliano é motorista parceiro da 99 há cinco anos. Foto: Juliano da Silva Prates/arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Chegando lá, em vez de ir para a próxima corrida, aguardou o atendimento, dentro do hospital: “Aquilo me comoveu. Eu tenho um filho de 9 anos e uma bebezinha de 1 ano. Naquela época, minha esposa estava grávida. Pensei como pai”.

Juliano levou a mãe e a criança de volta para casa sem cobrar as duas viagens. O motorista conta que as coisas estavam difíceis pra todo mundo, para ele próprio, inclusive. Após alguns meses afastado do trabalho, para não correr o risco de ser infectado pelo novo coronavírus e passar para a esposa grávida, com as contas apertando, ele voltou à ativa. Mas para isso, teve que pedir dinheiro emprestado ao pai.

“Naquela época, estava difícil pra eu abastecer o carro e sair para trabalhar. O negócio estava feio mesmo. Fiz de coração, Deus dá em dobro”, diz.

Foi a última corrida de Juliano naquela noite. Chegou em casa aos prantos: “Como existem pessoas ruins, né? Que abandonam mulher com filho e tudo. Agradeci a Deus por ter colocado aquela mulher no meu caminho e ter servido a ela”, conclui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas também existem pessoas como você, Juliano, que fazem a diferença! 👏

Relacionados

Em Fortaleza, motorista de app encontra R$ 8 mil e devolve para passageira

“Não é questão de honestidade, mas de respeito, bom trato e bom senso”, afirma o motorista parceiro da 99, Eduardo Parranhos Neto. Ele encontrou um...

Depois de “falir”, cozinheira prova sua capacidade de resiliência e leva quentinhas a lugares que nunca imaginou

A gastronomia é a grande paixão da chef pernambucana Maria da Conceição Melo, de 48 anos. Mas nem sempre foi assim, quando mais jovem...

+ DO CANAL

Em Fortaleza, motorista de app encontra R$ 8 mil e devolve para passageira

“Não é questão de honestidade, mas de respeito, bom trato e bom senso”, afirma o motorista parceiro da 99, Eduardo Parranhos Neto. Ele encontrou um...

Depois de “falir”, cozinheira prova sua capacidade de resiliência e leva quentinhas a lugares que nunca imaginou

A gastronomia é a grande paixão da chef pernambucana Maria da Conceição Melo, de 48 anos. Mas nem sempre foi assim, quando mais jovem...

Com dinheiro de corridas, motorista faz faculdade de psicologia para atender usuários da Cracolândia de SP

Com horário certo para entrar e outro para sair nas empresas de telemarketing por onde passou, Juliana dos Santos, de 34 anos, decidiu se...

Amor de pai! Após perder a esposa, viúvo dá exemplo de paternidade ativa sem (falso) heroísmo

Erivaldo Aparecido da Silva, 38 anos, trabalhador, viúvo. Pai-herói por criar os dois filhos sozinho? O motorista parceiro da 99 dispensa o rótulo. “Se...

Mulher ao volante: motorista é premiada com maior número de avaliações positivas no RJ

Quem nunca ouviu, ou repetiu, mulher no volante, perigo constante? Claudia Grugel dos Santos é motorista parceira da 99 há três anos e por...

Instagram