“Mudei minha rotina para diminuir a ansiedade e ter mais saúde mental”, conta cientista

Como pausar o ritmo acelerado da vida e dedicar mais tempo para si mesmo? Neste depoimento, a cientista de dados Kizzy Terra, 29 anos, do Rio de Janeiro, conta como começou a fazer pausas na rotina para aliviar os sintomas de ansiedade. E explica que tirar um tempo para ler ou tomar um chá faz toda a diferença.

“No ano passado, eu e o Hallison, meu companheiro, fomos selecionados para participar de um programa de incentivo a criadores de conteúdo digital. A quantidade de demandas que surgiam enquanto eu tentava dar conta de tudo acabou desencadeando em mim sintomas de ansiedade.

Eu já estava me sentindo meio atordoada com o ritmo veloz da vida e com as incertezas trazidas pela pandemia. E então passei a ficar tensa a maior parte do tempo, a suar em excesso. A qualidade do meu sono caiu, a imunidade também… Entendi que meu corpo estava pedindo socorro. Na época, eu fazia caratê e praticava algumas técnicas de relaxamento, e me peguei sem saber se era eu ou o mundo que estava acelerado demais.

“Reduzi o tempo de tela e aumentei o dedicado ao lazer”

Foi muito importante, nesse momento, buscar ajuda da terapia. E não foi fácil ceder à necessidade evidente de parar, mas decidi ouvir meu corpo e passei a incluir mais descanso na rotina. Eu trabalho com computador, então, para diminuir o tempo de tela, reduzi o período que gastava com conteúdo nas redes sociais e aumentei o dedicado ao lazer. Gosto muito, por exemplo, de assistir a filmes e séries inspiradores ou que provoquem reflexão.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Também incluí mais pausas, pequenas mas importantes, no dia a dia. É quando leio um pouco, tomo um café, faço uma refeição. Para me alimentar melhor, consultei uma nutricionista e comecei a cozinhar mais, focando no que estou fazendo durante o preparo.

Também aumentei as atividades físicas na semana, incluindo caminhadas, exercícios de ioga e na bicicleta ergométrica. Assim, em alguns meses, tudo foi voltando ao normal. Agora eu sei que ter tempo para mim é prioridade, uma questão de preservação da saúde mental.”

Texto: Romy Aikawa
Foto: Marcus Steinmeyer 

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #39, em setembro de 2021.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

Indígena conquista espaço das mulheres na Amazônia organizando jogos de futebol feminino

Considerada a cidade mais indígena do Brasil, São Gabriel da Cachoeira (AM) fica na região do Alto Rio Negro, a mais de 850 km...

Com apoio de ONG, adolescente com paralisia cerebral aguarda o sonhado primeiro emprego

Genúsia Araújo, de São Paulo, tem muitos amigos e até familiares que trabalham na Obra do Berço, o que fez com que a ONG...

+ DO CANAL

Ex-diarista vira vice-campeã brasileira de xadrez e participa de mundial

Em dezembro de 2021, Cibele Florêncio, 24 anos, precisou correr para tirar um passaporte às pressas e fazer sua primeira viagem. O motivo era...

Com apoio de ONG, adolescente com paralisia cerebral aguarda o sonhado primeiro emprego

Genúsia Araújo, de São Paulo, tem muitos amigos e até familiares que trabalham na Obra do Berço, o que fez com que a ONG...

“Depois de fazer faxina em uma empresa de marketing, construí uma carreira de sucesso na área”

Mães aprendem a conviver com a obrigação de dar conta de tudo e, depois, com a culpa por descobrir que ninguém consegue cumprir com...

Artistas de Alagoas usam a arte para falar da importância de preservar o rio São Francisco

O protagonista dessa história é o Rio São Francisco. Um dos mais importantes do país, conhecido carinhosamente como Velho Chico, ele banha a cidade...

“Virei modelo plus size e uma referência de beleza para a minha filha”

Como se libertar de padrões impostos pela sociedade e conquistar o tão desejado amor-próprio? Neste depoimento, Lívia Costa, 41 anos, modelo plus size de...

Instagram