Professora adota 58 crianças para dar uma família a elas em SP

A professora Marina Amparo é o símbolo de empoderamento e combate ao racismo na comunidade onde vive, em Jardim Sabiá, no extremo sul de São Paulo (SP).  A comunidade nasceu com a doação de terras para mais de 50 mães solo e suas crianças. Nessa área da periferia paulistana, ela construiu uma grande família com 58 filhos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Visando homenageá-la e pegando carona na comemoração dos 29 anos de criação do Estatuto da Criança e dos Adolescentes (ECA) e do Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, comemorada hoje, 25/7, Marina Amparo foi a escolhida para protagonizar o quinto episódio da série “Matriarcas”.

A série é uma iniciativa da Periferia em Movimento, idealizada pela escritora e professora Lucimeire Juventino, onde são contadas histórias de mulheres que cavaram os alicerces das lutas por direitos humanos que perduram até hoje.

professora adota 58 crianças

Quem é Marina

Marina Amparo nasceu em 1966 no Amparo Maternal (daí seu sobrenome), uma maternidade fundada há 80 anos pela madre franciscana e assistente social francesa Marie Dominieuc, pelo arcebispo de São Paulo Dom José Gaspar e pelo médico obstetra Álvaro Guimarães Filho para prestar assistência a mães solo – geralmente, mulheres pobres e negras que eram abandonadas por suas famílias em uma época em que a gravidez fora do casamento era rotulada de “prostituição”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A madre Dominieuc conseguiu a doação de mais de 50 lotes para a construção de moradias para essas famílias, ainda na década de 1960. Os lotes formaram o bairro Jardim Sabiá, que faz parte do Grajaú, distrito do extremo sul da capital paulista.

Leia também: 

A própria Marina frequentou o convento. Inspirada pelo trabalho das madres e feiras, ela decidiu dar continuidade a esse trabalho, acolhendo inicialmente 3 crianças no Lar Casa do Caminho. Com o passar dos anos, foi adotando mais e mais crianças, chegando a 58 crianças adotadas. Hoje, ela ainda tem a guarda judicial ou a adoção de 20 filhos menores de 18 anos.

Mais do que acolher essas crianças, o objetivo de Marina é dar base para a construção de um futuro melhor para seus filhos. Por isso, Marina articula com escolas, creches e centros de convivência da juventude para garantir a frequência da molecada nos espaços de aprendizagem; abriu um brechó e está construindo um espaço que vai oferecer cursos profissionalizantes para trabalhar em pizzaria, restaurante, além de um samba na laje pra comunidade; e podem acontecer dois ou três aniversários por semana, mas todos eles são comemorados com festa.

“Eu não tive família. Sou fruto do abandono. Então quero dar a eles uma família, para que eles saibam de onde vieram”, completa Marina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Confira:

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Periferia em Movimento/Fotos: Reprodução/YouTube

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,838,442SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Criança desenvolve síndrome rara com Covid-19, recebe apoio e se recupera milagrosamente

A história de José Neto é uma razão para sempre acreditarmos. Depois de passar vários dias internado, de desenvolver uma inflamação em todo o...

Após ser vítima de racismo, adolescente recebe apoio e vaquinha para ajudar família arrecada R$ 100 mil

Vocês lembram da história da Nicole Cristina, 15 anos? Essa jovem karateca foi vítima de racismo nas redes sociais por causa de seu cabelo....

Mesmo divorciado há 28 anos, marido corta a grama da ex-esposa até hoje: ‘Relação de respeito’

Sabemos que nem todos os divórcios terminam de maneira civilizada... Brigas, contendas e incompreensões fazem parte desse momento que, convenhamos, ninguém quer passar. Felizmente, existem...

Professor faz circuito de Educação Física com aluno cadeirante e o ajuda a cumprir toda a atividade

O Nilton Pontes é professor de Educação Física na UniNorte, em Rio Branco, no Acre e nos deu uma lição de respeito e empatia. Um...

Tecnologia 100% brasileira ameniza efeitos colaterais causados pela quimioterapia

Queda de cabelo, náuseas, feridas na boca e emagrecimento excessivo são alguns dos efeitos colaterais causados pela quimioterapia, o tratamento mais comum para pacientes...

Instagram