Mulher tem atitude de compaixão com passageira assustada em voo

Tom Scholzen, de St. George, Utah, nos Estados Unidos testemunhou um gesto de compaixão durante um voo para Minneapolis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Antes do avião partir, uma comissária de bordo estava conversando com alguns passageiros, e parecia existir alguma confusão por uma mulher  ter sentado em um lugar errado. Ela era mais velha e parecia estar muito angustiada e inquieta. A tal mulher não conseguia controlar algumas habilidades motoras, pois suas mãos tremiam junto com a cabeça.

“Eu podia ver que ela estava visivelmente chateada, confusa e parecia assustada”, disse Tom.

mulher atitude compaixão passageira voo

Alguns momentos depois, essa mulher foi levada para o lugar correto, bem na frente de Tom. Ele ouviu alguns comentários de passageiros se referindo a ela como “viciada em drogas”, “drogada” e “meth head”(gíria americana para pessoas viciadas em metanfetamina).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela se afivelou e depois tentou abrir a bolsa, com esforço.

“Quando ela abriu, notei que ela tinha vários cartões de embarque, o que significa que ela tinha outros voos. Tenho certeza de que ela olhou para o cartão de embarque errado, o que a levou a sentar em outro lugar. Ela começou a folhear os cartões e depois, com as mãos ainda tremendo, colocou-as sobre o rosto porque estava chorando”, contou Tom.

Ele ficou com muita pena da mulher e começou a desafivelar o cinto de segurança para poder ir até ela e confortá-la, mas imaginou que por ser um homem muito alto e grande, poderia assustá-la ou deixá-la desconfortável. Então ele hesitou por um momento.

mulher atitude compaixão passageira vooFelizmente, enquanto isso, uma mulher sentada do outro lado do corredor tinha visto o que Tom estava prestes a fazer e foi até lá para oferecer-lhe um lenço de papel e passar o resto do vôo consolando a mulher.

Esta senhora, que era uma completa estranha, passou o resto do vôo consolando-a. Ela ajudou a mulher a organizar seus cartões de embarque, a ouviu e até se ofereceu para levá-la ao seu próximo voo, assim que aterrissássemos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Ela não poderia ter a tratado melhor. Eu segurei minhas lágrimas por todo o voo”, disse Tom.

Como forma de agradecer a tal mulher,  Tom postou essa história com algumas fotos dela. Ela foi compartilhada por milhares de pessoas.

Eu não sei nada sobre a senhora e sobre seus problemas de saúde. Não é da minha conta, mas eu não gosto de ver alguém sofrendo, nem mesmo estranhos. Independentemente de como as pessoas se parecem do lado de fora, você nunca sabe o que está acontecendo dentro delas.  Se você conhece essa mulher, espero que diga a ela como ela foi incrível! Em vez de mostrar julgamento, ela mostrou compaixão”, escreveu Tom.

fotos: Tom Scholzen/Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,425,269SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pai cria perfil divertido para retratar os desafios da paternidade homoafetiva e viraliza

Com mais de 28 mil seguidores no Instagram, o mestre em educação e pai Bruno Vilas Boas mostra que, mesmo com todos os desafios...

Parisiense lança versão do “Uber” para quem tem problemas de mobilidade

O Wheeliz funciona como um "Uber" para quem tem problemas de mobilidade. A ideia foi da cadeirante parisiense Charlotte de Vilmorin, que tinha dificuldades...

Sebrae e CPTM vão capacitar vendedores ambulantes dos metrôs de SP

A ideia é capacitar o vendedor para que ele saia da informalidade e tenha seu próprio negócio.

Ex-morador de rua que virou empresário só contrata desabrigados

Drew Goodall, de 45 anos, é um empresário britânico de sucesso, ex-moradora de rua, que construiu uma pequena fortuna criando uma empresa especializada em...

ONG criada por garota aos 6 anos já atendeu mais de 100 mil pessoas

Desde os 6 anos, Beatriz Martins, mostrou indignação e desconforto ao ver crianças de roupas rasgadas pedindo balinha no farol, e não se deu por...

Instagram