Mulher cria curso online que ensina autônomas a comercializar seus produtos nas redes sociais

O projeto Tech Girls combate o analfabetismo digital entre as mulheres que não possuem renda e que, graças ao curso gratuito de empreendedorismo digital e tecnologia, conseguem resgatar sua autoestima emocional e financeira.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O projeto, sem fins lucrativos, foi fundado em 2017 pela curitibana Gisele Lasserre, que encarou uma crise profissional quando percebeu que sua área de atuação estava passando por uma verdadeira transformação digital.

Graduada em Comunicação pela PUC Paraná, Gisele entendeu que precisava se adequar aos novos formatos de tecnologia que o mundo digital passou a oferecer na época. Por isso, anos depois, voltou a fazer uma nova graduação.

Ela se aventurou no mundo das exatas, em Tecnologia da Informação (SENAC-SP). Anteriormente também já havia conquistado outras duas pós-graduações, em Administração pela FGV e em Marketing pela FAE.

Ao perceber que o ‘analfabetismo digital’ poderia se tornar um grande problema no negócio de algumas microempresárias que não tem condições de se especializar, Gisele se viu na responsabilidade de ajudá-las de alguma forma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

projeto de tecnologia ajuda mulheres empreendedoras de baixa renda
Foto: arquivo pessoal

projeto de tecnologia ajuda empreendedoras de baixa renda
Foto: arquivo pessoal

Tecnologia nos negócios: uma nova realidade

Foi assim que surgiu o Tech Girls. O objetivo do projeto é ensinar tecnologia gratuitamente para mulheres, sobretudo autônomas, e outras que estão iniciando a alfabetização digital, para empreenderem de forma condizente com nossa realidade atual.

Desde seu início, o Tech Girls já transformou cerca de 300 vidas femininas. No inicio do projeto, as microempreendedoras e autônomas participavam de aulas presenciais em centros comunitários e associações de bairros.

Mas, com a chegada da pandemia do novo coronavírus, as aulas de tecnologia e empreendedorismo passaram a ser realizadas de forma 100% online, em chamadas de vídeo tanto individuais, como em grupo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além disso, com a paralisação das atividades comerciais e, consequentemente, com a fonte de renda de algumas empreendedoras congelada, entrar no mundo digital passou a ser fator determinante para a sobrevivência de um negócio.

Antes da pandemia: aulas presenciais 🤓

tech girls
Foto: arquivo pessoal

Depois da pandemia: aulas 100% online 💻

aulas online
Foto: arquivo pessoal

A falta de equipamentos

Durante a trajetória do Tech Girls, outra barreira foi encontrada: a ausência de equipamento, como notebook ou computador, para as empreendedoras acompanharem as aulas e implementarem seus negócios online.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E foi dessa necessidade que a campanha “1 laptop doado é igual a um novo negócio digital” foi criada. O objetivo é arrecadar equipamentos usados e, após serem formatados e recuperados, entregar para as alunas do projeto.

Segundo Gisele, muitas pessoas não sabem o quanto um equipamento encostado pode fazer a diferença na vida de uma pessoa. Por isso, é importante sempre se atentar aos aparelhos parados em casa.

“Laptops que estão ocupando espaço nas casas podem ter uma vida útil junto a quem está iniciando no mundo da tecnologia. Precisamos fazer este desapego e doar para quem irá usá-los de fato”, comenta.

tech girls
Gislaine Chaves recebendo seu laptop após conclusão do curso – Foto: arquivo pessoal

Vida nova através da tecnologia

Uma das histórias de mudança de vida após realizar o curso online gratuito oferecido pelo grupo Tech Girls é a da Gislaine Chaves, de 40 anos, moradora do bairro Cajuru, na cidade de Curitiba.

Ela passou por um período de tratamento de câncer, que a fez entrar em uma depressão profunda. Foi nesse momento que ela começou a produzir objetos de decoração dentro de casa, mas, em função da pandemia, não sabia como poderia comercializá-los.

Durante esse período, ela descobriu o curso gratuito Tech Girls pelas redes sociais, projeto que a encorajou a desbravar pela primeira vez uma aula remota com temas de empreendedorismo digital e tecnologia, exclusivamente para mulheres.

Lá ela criou suas páginas de negócios para divulgação de seus produtos e não demorou para começarem a chegar as primeiras encomendas, vendendo inclusive para o exterior. No final do curso, ela ganhou seu laptop para poder continuar com seu negócio digital.

“Ter recebido um laptop foi um incentivo inicial para eu ter desafiado a mim mesma no início, mas o principal que eu vejo agora é eu ter conquistado uma fonte de renda própria, de algo que me realiza muito, produzido e divulgado por mim mesma”, conta;

Durante uma LIVE do UMA (Movimento Integrado para o Empoderamento das Mulheres), com a participação de Preta Gil, a aluna contou que superou a depressão através do curso de empreendedorismo e tecnologia do Tech Girls. Confira!

Projeto mais maravilhoso da vida! A tecnologia já faz parte do nosso dia a dia, e poder empoderar mulheres através dela é algo realmente inspirador. Você, com certeza, mudou e continua mudando vidas, Gisele. Obrigada por isso! 💜

Quem quiser saber mais sobre como ajudar o projeto, é só clicar aqui

Quer conhecer uma história inspiradora? Dá um play!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,211SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Nova Zelândia está livre do coronavírus e suspende restrições

A Nova Zelândia acaba de confirmar uma notícia esperançosa para o resto do mundo. O país informou que finalmente está livre do novo coronavírus...

Casal adota, via Zoom, adolescente que vivia há cinco anos em orfanato. “Ele nos tornou pessoas melhores”

A pandemia pode ter adiado muitos projetos e sonhos de pessoas do mundo inteiro. Para o casal Chad e Paul Beanblossom, nada os impediria...

Cachorro vira herói ao se recusar a deixar cabras sozinhas em incêndio

Quando Robert Handel e sua família conseguiram fugir do incêndio em seu bairro, eles estavam certos de que seu amado cão, Odin e seus...

Série de fotos mágicas misturam dança e água

Mallory Morrison é um fotógrafo de Los Angeles, Califórnia. O artista começou como fotógrafo de dança e depois começou a evoluir seu estilo para imagens subaquáticas. O trabalho...

Primeiro Centro de Medicina Indígena é inaugurado em Manaus com consultas no valor de R$10

Esse acontecimento é motivo de muito orgulho para nós: No dia 6 de junho, Barserikowi’i, o primeiro Centro de Medicina Indígena da Amazônia, abriu suas portas...

Instagram