Mulher que recolhia latinhas se torna coordenadora de curso EAD

A ex-recepcionista paulista Daniela Roberta Tavernaro, de 38 anos, tinha um sonho em sua juventude: poder cursar uma faculdade. No entanto, seu tempo e dinheiro eram escassos – trabalhava o dia todo, ganhando uma renda suficiente apenas para se sustentar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Daniela conta que tinha vários trabalhos simultâneos. “Eu era recepcionista em uma empresa e, para complementar o salário, entregava jornal, panfletos, recolhia latinhas em festas para vender e era babá nas horas vagas. Não tinha como me deslocar todos os dias para estudar.”

Certo dia, enquanto trabalhava panfletando pelas ruas de Itu, em São Paulo, viu um papel que oferecia uma graduação EAD (ensino à distância). A então jovem de 24 anos resolveu se matricular no curso de Processos Gerais da Unopar, voltando a estudar.

“Vi o informativo, liguei na instituição e percebi que o estudo a distância era mais barato. Além disso, eu poderia conciliar os diversos trabalhos adicionais que eu executava,” relembra.

Após alguns meses estudando, os primeiros resultados começaram a surgir. “Logo que eu comecei a graduação, consegui um emprego melhor, e reduzi a minha carga de trabalho adicional. Eu tenho certeza de que só conquistei esse emprego porque estava fazendo faculdade.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia tambémEm Natal (RN), filho de 11 anos ensina mãe catadora de lixo a ler e escrever

De entregadora de panfletos, Daniel passou a assistente de projetos de uma empresa especializada no desenvolvimentos de aplicativos, num cargo que ocupou por três anos.

No emprego, chegou a viajar para outros países à trabalho. Durante esse tempo, fez especializações; dentre elas, um MBA em Projetos e outro em Comunicação, desta vez, cursos presenciais, pesando seu currículo.

“Aprendi muito e consegui colocar em prática todo o conhecimento que adquiri na faculdade. Quando você confia no que está aprendendo e vê a aplicação na prática, fica muito mais seguro para enfrentar os desafios,” diz.

Mulher que recolhia latinhas se torna coordenadora de curso EAD
Daniela Valerio já recolheu latinhas e foi babá para completar renda. Agora é coordenadora de marketing. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Seu próximo passo foi migrar para uma empresa da área educacional. Foi contratada como analista plena e após seis meses, assumiu o cargo de coordenadora de marketing.

“Quando as coisas começaram a acontecer na minha vida, eu vi que atrás daquele morrinho que eu vivia, existia um mundo de oportunidade. Ao escalar esse morrinho, vejo tudo o que eu tinha pela frente”, diz Daniela, feliz com os rumos que sua vida tomaram.

Leia tambémA força da educação: de catadora de material reciclável a artista plástica

A agora coordenadora de marketing conta que o seu segredo é jamais parar de se atualizar. Para se ter uma ideia, Daniela agora cursa Pedagogia e faz pós-graduação em Gestão de Projetos. Ambos, via Ensino à Distância (EaD).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Minha próxima meta de vida é começar a dar aula. Quero ajudar outras pessoas a mudarem de vida também”, conclui.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: UOL Educação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,569,612SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Diretora de escola nos EUA diminui o número de faltas dos alunos lavando suas roupas sujas

Quando falamos em uma escola participativa, em que alunos, professores, pais e funcionários conversem entre si para resolver as questões do universo educacional, é...

Ele trabalhou no McDonald’s e manda recado à jovens sobre dar certo na vida

Você deve ter visto durante esses dias a repercussão a respeito dos alunos que se "fantasiaram" de profissões que julgaram ser "alternativas" se caso nada...

Cabeleireira que já foi moradora de rua oferece serviços grátis para mulheres desabrigadas

Vanessa Howard sabe o que é não ter nada, pois ela já foi moradora de rua. E é por isso que ela está ajudando essas meninas...

Feltro sustentável retira 41 milhões de garrafas PET da natureza todo mês

Artesãos e até a indústria automobilística usam o feltro sustentável.

Grupo de jovens de SP mobiliza doações a moradores de rua

O frio chegou e com ele muitas pessoas que já passam dificuldades diárias nas ruas enfrentam ainda essas baixas temperaturas. Pensando nisso, alunos no colégio...

Instagram