Mulher de 30 anos luta para adotar idosa de 67: ‘Ela ganhou um lar e eu, mais uma filha’

A copeira Gláucia Andressa, 27 anos, conheceu Cotinha, 67, no hospital onde trabalhava, mantido pela Beneficência Portuguesa de Araraquara. Ela foi acolhida pela instituição após um atropelamento quase ceifar sua vida. A idosa conta que nunca recebeu visitas, mas que ganhou uma família após a unidade ser fechada.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Era apenas mais um dia de trabalho para Gláucia, quando ela soube que o hospital fecharia as portas em breve. Mãe de Emilly, até então com um ano e sete meses de idade, a copeira logo chegou à conclusão que ficaria desempregaa. Ficou ainda mais triste ao lembrar de Cotinha, uma senhora que desde criança morava na instituição, e não teria para onde ir. Contamos a história anteriormente, clique aqui.

As freiras a apelidaram assim ainda na década de 1960, quando a acolheram após ela ser vítima de um atropelamento. De acordo com os funcionários mais antigos da casa, ela e o irmão andavam pelo acostamento da SP-310, Rodovia Washington Luís, quando foram atingidos por um caminhão. O garoto, de 4 anos, não resistiu aos ferimentos e faleceu. Sua irmã, que não tinha qualquer tipo de documento de identificação, foi levada às pressas para a Beneficência Portuguesa em estado grave.

Semanas se passaram e nenhum familiar apareceu para visitar Cotinha. Recuperada do acidente, ela foi ‘adotada’ pelas irmãs e alojada em um quarto próximo à lavanderia. Décadas depois, ninguém sabe qual é o verdadeiro nome da idosa, tampouco sua idade exata ou o ano em que chegou à instituição.

Não há informações ou registros do atropelamento nos jornais da época. Presume-se que a idosa tenha 67 anos; hoje, ela quase não fala, repete algumas poucas palavras e se comunica predominantemente através de gestos. Quando jovem, ela executava diversas tarefas domésticas na Beneficência, como lavar louças, passar roupas e dobrar lençóis. Aliás, foi limpando as mesas do refeitório que Cotinha conheceu Gláucia, em março de 2010, quando a copeira começou a trabalhar por lá.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mulher luta para adotar idosa: 'Ela ganhou um lar e eu, mais uma filha'
Foto: Arquivo pessoal

Infelizmente, a Beneficência Portuguesa fechou as portas alegando uma dívida acumulada de R$ 70 milhões e demitiu todos os 300 funcionários. Ao descobrir que Cotinha foi transferida para um abrigo, Gláucia correu para visitá-la. Ela relata que “não gostou nada” de encontrar a idosa em um canto, aos prantos, dizendo que queria ir embora dali. Foi nesse momento que a copeira tomou a decisão que mudaria sua vida para sempre.

“Quando decidi levá-la para casa, não pensei no dia de amanhã. Sabia apenas que estava cumprindo uma missão que Deus havia me confiado: ser a ‘mãe’ da Cotinha”, explica, com a voz embargada.

Mamãe e suas filhas

Muitos criticaram sua decisão, inclusive as ex-funcionárias do hospital. “Você está louca, menina?” e “Ela vai te dar trabalho!” foram alguns comentários maldosos. “Vocês não têm coração, não?”, contra-argumentava a copeira.

Leia também: Adolescente é adotada a duas semanas de completar 18 anos no DF

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Osmar e Cláudia, pais de Gláucia, receberam a idosa de braços abertos. Fábio, o marido, também apoiou a decisão. Moradora de uma casa alugada, a mãe de Emilly acomodou Cotinha no quarto da filha, que passou a dormir no quarto dos pais.

Mulher luta para adotar idosa: 'Ela ganhou um lar e eu, mais uma filha'
Foto: Aquivo pessoal

“Naquele dia, a Cotinha ganhou um lar e eu, mais uma filha. Quando viu a Emily me chamar de mãe, começou a chamar também”, se emociona.

Amigos e vizinhos de Gláucia se mobilizaram para ajudá-la, doando roupas e alimentos para a ex-copeira. Ela conta que essa ajuda foi de extrema importância, uma vez que as despesas de casa aumentaram consideravelmente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com a ajuda da advogada Giulia Negrini, Gláucia conseguiu adotar oficialmente Cotinha, regularizando sua situação perante o estado. Foi dado à ela uma certidão de nascimento, onde se consta seu nome e sobrenome, Maria Coutinha dos Santos Gomes, além de uma data de aniversário, 12 de outubro, dia em que as freiras costumavam comemorar o aniversário dela.

Dá play no vídeo que conta a história abaixo e vem se emocionar:

Leia também: Para celebrar 30 anos de amizade, idosas fazem tatuagem de ‘copo de cerveja’

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Universa

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,977,926SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cachorra paralítica se arrasta para receber o tutor após 6 meses separados

Emma fica tão feliz, que ela não se importa com sua condição física e se arrasta até o tutor para matar a saudade que estava sentindo.

[VÍDEO] Em seu dia de folga, sargento salva recém-nascido engasgado

Dioclênio Camilo Pinto, 3º sargento do 12º Batalhão Bombeiro Militar, salvou a vida de um recém-nascido que estava engasgado após amamentação. A ocorrência aconteceu...

Internautas se comovem com homem cego vendendo vassouras na rua e vaquinha criada bate meta!

André é deficiente visual e vende vassouras nas ruas do Rio de Janeiro para sobreviver.

Policiais no Acre acolhem gatas de rua na delegacia e diminuem estresse no trabalho

“Essas gatas são consideradas parte da equipe e ajudam a melhorar o ambiente"

Instagram