Mulher constrói aldeia 100% feminina para proteger mulheres de violência no Quênia

Fundada em 1990 por Rebecca Lolosoli no Quênia, Umoja (“unidade”, em tradução livre do suaíle) é uma aldeia sem homens feita para proteger as mulheres da região. O local se tornou o verdadeiro porto seguro das mulheres, onde elas podem ser livres.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como já contamos no Razões na África, o Quênia é um lugar maravilhoso, cheio de paisagens lindas, praias enormes, restaurantes e muita cultura para se aprender. Mas, também, existem várias histórias de superação, como essa das mulheres de Umoja.

Durante cinco séculos, a região de Samburu, onde se encontra a aldeia, foi governada de forma rigorosa em um regime patriarca autoritário. Por isso, Umoja não permite a entrada de homens, independente da sua classe social, raça ou origem.

Elas encontraram força na violência

A própria Rebecca, criadora da aldeia, foi vítima de violência doméstica e vivia apanhando de seu marido. Quando ela se deu conta que mais mulheres da sua região sofriam os mesmos maus tratos, ela decidiu construir a Umoja.

Rebecca e mais 14 mulheres se juntaram e fizeram Umoja do zero. Elas construíram casas de madeira, fizeram bijuterias para vender para turistas e até construíram uma escola para as crianças estudarem.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Rebecca construiu a Umoja, aldeia do Quênia que não permite homens
Rebecca Lolosoli. Foto: Bantumen

“Nós ensinamos nossas meninas a acreditAREM nelas mesmas, como mulheres, mesmo sem a presença dos homens”

A aldeia se tornou um local de proteção para as mulheres de Samburu, livre de abusos e qualquer outro tipo de violência praticada pelos homens, como as mutilações genitais e os casamentos forçados.

Porém, vendo essa movimentação das mulheres, os homens passaram a construir uma outra aldeia, na entrada de Umuja, só para bloquear a entrada de turistas. Além disso, eles também invadiram a aldeia e atacaram as mulheres uma vez.

Apesar de abatidas, as mulheres não desistiram. Elas trabalharam, juntaram dinheiro e compraram a parte da aldeia dos homens, transformando toda a região ao redor de Umuja em um local 100% feminino

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Umoja, aldeia sem homens
Foto: Bantumen

Graças à criação da Umoja, outras mulheres passaram a se sentir mais fortes e empoderadas. Algumas mulheres da região deixaram seus depoimentos contando como decidiram se mudar para a aldeia.

“Quando contei ao meu marido que fui violada por outros homens, ele me bateu com uma bengala. Foi aí que eu desapareci e vim para a aldeia com os meus filhos”, conta Jane, de 38 anos.

Fontes: Nas Daily e Bantumen

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Quer conhecer mais curiosidade sobre o Quênia? Dá um play!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,573,981SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Para não perder tratamento, autista que viveu 15 anos acorrentado recebe apoio com vaquinha

O jovem André Padilha, 30 anos, viveu 15 anos acorrentado em sua casa, em Fernandópolis (SP). Com autismo severo, o jovem começou a se...

Homem que tirou turbante para ajudar criança recebe surpresa de desconhecidos

Há um tempo atrás contamos aqui a emocionante história de Harman Singh, um jovem de 22 anos que, para salvar o pequeno Daejon Pahia, de 5 anos,...

Universitários alemães criam café para gerar empatia com pessoas surdas

A melhor forma de você se conectar verdadeiramente com outras pessoas é se colocar no lugar dela, de forma literal, e universitários alemães tem feito...

Restaurante dá copo de cerveja para cada copo de bitucas de cigarro retiradas da praia

As bitucas de cigarro, ao lado do plástico, são os maiores poluidores dos oceanos. Para combater a poluição em massa desses detritos, algumas iniciativas...

Instagram