“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina

Toda mulher merece celebrar sua individualidade e originalidade.
Para isso, é fundamental que elas tenham consciência de sua força e do seu poder. A autoestima e a identificação são as ferramentas que fazem com que as mulheres ocupem os lugares que sempre mereceram. E é por isso que o Razões Para Acreditar e o Quebrando o Tabu, em parceria com Dove e Refinery29, estão juntos nessa missão de ajudar as mulheres a verem ainda mais o que podem conquistar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para oferecer essa experiência de beleza positiva a todas as mulheres e para incentivá-las a ver seu poder, contaremos histórias de mulheres e meninas que são exemplos inspiradores de como a construção da autoestima pode ajudar a nos dar a confiança necessária para atingirmos nosso pleno potencial. É uma ótima viagem pelo mundo feminino e empoderado, que constrói, quebra paradigmas e barreiras.

Sid Oliveira tem 29 anos e é uma mulher trans, negra e nordestina que só conseguiu viver plenamente a sua vida e os seus sonhos quando se assumiu!

Recentemente ela nos emocionou com um vídeo no qual celebra o seu prêmio de melhor vendedora de uma marca de motocicletas no país!

Mas não foi qualquer discurso não. Foi o discurso de uma mulher trans contando toda a batalha que enfrentou para ser ela mesma!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fique com a gente, que essa baiana arretada veio nos dar uma aula de amor próprio e empoderamento!

Sid veio de família evangélica e muito conservadora

Por conta da criação rígida dos pais, Sid, mais conhecida carinhosamente pelos amigos como “a Furiosa”, afirmou que por muitos, mas muitos anos mesmo, teve medo de aceitar e assumir a sua transexualidade.

Ela contou ainda que o seu processo de autoaceitação foi longo, cheio de dúvidas e muito doloroso, em que até mesmo foi expulsa de casa. 🙁

“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina 1
Fotos: Reprodução/ Instagram @auau_oficial

Juntando tudo isso, Sid tinha mais dificuldades ainda de aceitar a sua verdade. Ela até namorava mulheres para “camuflar” o seu desejo de ser ela mesma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Um dia, eu decidi ouvir o meu coração e foi libertador. Mas também iniciei uma batalha com o mundo”, relembrou.

Hoje, até a sua relação com a família está melhor. “Ajudo o meu irmão e a minha mãe quando posso e sigo em frente”.

“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”

Esse relato da Sid é maravilhoso e acredito que se serve para todos nós: quando nos aceitamos e somos o que realmente queremos ser, a felicidade é consequência.

E foi exatamente isso que aconteceu na vida dela!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A liberdade de ser quem eu queria ser me proporcionou o topo profissional! E isso é uma conquista que ninguém me tira”. Ai, que maravilhosa gente!

“A partir do momento que percebi que era um ser humano, que comecei a me conhecer, a autoestima foi crescendo dentro de mim, mesmo quando na época eu só me relacionava com mulheres, sempre procurei cuidar de mim. Desde criança sempre fiz as pessoas rirem. As pessoas admiram o meu jeito de ser sempre feliz, mesmo magoado, sempre me mostrei como um ser humano forte, nunca deixei a tristeza tirar minha felicidade, todo ser humano tem momentos difíceis, claro, mas essa autoestima elevada me ajudou muito, muito. Agora que me tornei uma mulher trans, gay, como você prefere, trouxe comigo: a alegria de viver, de amar, de amar as pessoas. Agora estou sempre dando palavras de incentivo para quem pensa em desistir, estou sempre pronto, feliz e forte para poder ajudar a levantar todos aqueles que me pedem ajuda ou conselho!

Então procuro sempre estar bem comigo mesmo, para poder transmitir esse tipo de positividade. O meu exterior mudou muito, o interior nem tanto, porque sempre tive este grande coração!”

“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina 2
Fotos: Reprodução/ Instagram @auau_oficial

Sid tem inspirado pessoas trans

Com a repercussão do vídeo, as pessoas trans entrado em contato com a Sid para contarem suas histórias de vidas que também são bem sofridas como a dela.

“Eu sempre aconselho que elas podem se tornar o que quiserem e que não se entreguem ao não. Hoje, eu comprei minha segunda moto, é uma das mais desejadas pelos homens, muitos ficaram com recalque, pois acharam que uma trans não teria capacidade de ter uma moto daquela, mas eu tive!”

“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina 3
Fotos: Reprodução/ Instagram @auau_oficial

Uma mulher realizada e de negócios!

Hoje, Sid pode respirar e dizer que é uma mulher de negócios, independente, feliz e realizada! E ela tem um recado muito importante para todos nós.

“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina 4
Fotos: Reprodução/ Instagram @auau_oficial

“Estou com um novo projeto, algo novo que venho criando. Quero fazer várias outras coisas que sei que sou capaz! E você aí mulher? Homem, gay, trans e simpatizantes? Sejam valentes! Seja o que você quiser ser, só não deixe de ser feliz!”.

O mundo é seu Furiosa!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM








“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina 6

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,142,486SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Livro fala da relação de amor entre um neto e seu avô com Alzheimer com muito bom humor

O jornalista Fernando Aguzzoli sentiu a necessidade de escrever um livro infantil que tratasse da relação de amor entre um neto e seu avô,...

Alagoana de 8 anos mapeia 23 asteroides e se torna astrônoma mais jovem do mundo

Nicole Oliveira, a "Nicolinha", pode ter apenas 8 anos, mas já mapeou 23 asteroides espalhados pelo Sistema Solar, o que a torna a astrônoma...

Ele acabou de descobrir que tem HIV e fez um canal para compartilhar sua vivência com o vírus

Depois que soube que era soropositivo, o ator Gabriel Comicholi teve a ideia de criar um canal no YouTube para contar, com bom humor e objetividade, como é viver com o vírus da Aids.

Dia de Doar 2020 celebra o poder da solidariedade e mostra como doar é importante

Esse foi um ano difícil para todos nós, mas se teve uma palavra de ordem para 2020 foi: doação. Nos transformamos e evoluímos a medida...

Temos o primeiro brasileiro indicado ao prêmio “Nobel da Educação”

O professor Márcio Andrade, da UFTM (Universidade Federal do Mato Grosso), é o primeiro brasileiro a ser indicado ao prêmio "Nobel da Educação", o...

Instagram

“Seja quem você é, só não deixe de ser feliz”, diz Sid, mulher trans, negra e nordestina 7