Mulher transforma assassinos de leões em guardiões na África

Leela Hazzah em sua infância ouvia histórias de sua família quando dormiam no telhado ouvindo o rugido dos leões, porém, em sua época quando fazia a mesma coisa, não conseguia ouvir mais nada. Até que seu pai contou para ela que não ouvia leões rugindo, porque eles tinham há muito tempo sido extintos do Egito.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu costumava deitar lá, ouvindo os mesmos sons. Mas eu não ouvia nada.” Disse Leela.

Hoje Leela tem 35 anos, é doutora especialista em biologia da conservação e dedica sua vida a conservação de leões na África. Lá ela morava em uma casa da árvore, onde começou a ver em primeira mão o rápido declínio dos leões africanos devido a perda de habitats e conflitos entre humanos e leões.

“Sessenta anos atrás, havia provavelmente 500 mil leões na África. Hoje, há menos de 30.000 leões em toda a África.”

Sua experiência acabou levando ela para a tripo de guerreiros Maasai, que têm tradição em matar leões. Ela passou um ano vivendo entre eles para entender a relação de sua tribo com os animais que eles matavam. Então descobriu que os Maasai tem uma vida na maior parte pastoral e dependem de seus rebanhos. Usam eles para diversos fins, como para alimentar as suas famílias e conseguir dinheiro. Quando perdem suas vacas (sua principal fonte de subsistência), eles não têm mais nada. Então eles retalham e matam os leões, o que acabou por virar uma tradição que também trazia enorme prestígio para o guerreiro que mata leões.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

guardioes-leoes-2 guardioes-leoes-3

guardioes-leoes-4 guardioes-leoes-5

Ao passar do tempo os Maasai começaram a se abrir com ela, contando histórias. Foi aí que teve sua grande idéia e fundou a “Lion Guardians”, ou Guardiões dos Leões, em 2007. Uma ONG que transforma os guerreiros Maasai em protetores de leões.

 

“Os Maasai têm uma relação muito próxima com os leões. É bem uma relação de amor e ódio. Eles não gostam deles porque eles comem seus animais, mas também admiram eles tremendamente porque são belos animais.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

guardioes-leoes-6 guardioes-leoes-7

Ela percebeu que os guerreiros Maasai, seriam os melhores protetores dos leões. Então ela começou a lhes ensinar os benefícios de proteger os leões, com ênfase na preservação da sua cultura e métodos para reduzir o conflito entre os humanos e os leões.

Hoje, ser um guardião é uma honra muito maior para as pessoas da tribo. Se escutam sobre uma caça ao leão, eles intervém e ajudam os indivíduos na compreensão da importância de manter os leões vivos. Eles ainda ajudam os agricultores a reforçar os locais onde guardam seus rebanhos. O programa teve grande sucesso na região, impedindo em 99% as mortes de leões.

“Tornar-se um guardião de leão é um renascimento (para os Massai). Eles ganham ainda mais prestígio do que eles teriam ao matar um leão.” Disse Leela.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

guardioes-leoes-8

Além disso, maioria dos guerreiros Maasai vem para o Lion Guardians analfabeto, nunca tendo frequentado a escola. Leela e sua equipe ainda ensinam cada um a ler e escrever.

“Nós nunca imaginamos quando fundamos o Lion Guardians que transformaríamos esses matadores a ponto que eles arriscariam suas vidas para impedir que outras pessoas matem leões.” Disse Leela.

“Eu sei que nós estamos fazendo a diferença. Quando me mudei para cá, eu nunca ouvia leões rugindo. Mas agora eu ouço leões rugindo o tempo todo.”

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,827,323SeguidoresSeguir
24,592SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Arquiteto usa plástico reciclado para construir moradias para desabrigados

O plástico é um dos grandes vilões da poluição ambiental por causa do tempo que ele leva para se decompor na natureza: mais de...

Vídeo resume a saga Harry Potter ao som de “Faroeste Caboclo”

Inclusive, a voz de quem canta a música é bastante parecida com a do Renato Russo.

Primeiro-ministro do Canadá diz que refugiados são bem-vindos no país

Mais uma atitude louvável do "Mujica do Norte".

Gêmeas criam projeto de leitura para combater violência em favela

As gêmeas Helena e Eduarda Ferreira, de 11 anos, nasceram no Morro da Providência, a primeira favela do Brasil, fundada em 1897, no Rio...

Instagram

Mulher transforma assassinos de leões em guardiões na África 4