Vítimas do fogo, mulheres pantaneiras formam a primeira brigada feminina de incêndio da Serra do Amolar

Por Flavia Vitorino

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dona Maria José não consegue recordar exatamente a sua idade, mas o que realmente gostaria de apagar de sua memória é a morte de seu neto e a cena de seus vizinhos perdendo suas casas para o fogo.

Monique Teixeira, de 34 anos, apagou o fogo que ameaçava atingir uma área próxima de sua casa com seus próprios pés, enquanto acalmava os seus filhos que gritavam assustados com o que viam.

Já a imigrante boliviana Dona Juana, enquanto cozinhava incansavelmente para as dezenas dos brigadistas que combatiam o fogo, deixou seus filhos sozinhos em casa e teve que lidar com o ex-marido que agrediu sua filha enquanto ela trabalhava.

menino abraça brigadista do pantanal
Foto: Flavia Vitorino

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O fogo para essas mulheres é um gatilho de memória para todo o sofrimento que vivenciaram durante o ano de 2020 e que elas assistem se repetir novamente este ano. Diante disso, elas se uniram para aprender a lidar com a situação.

O grupo que inicialmente reunia cerca de 20 mulheres ribeirinhas teve algumas baixas, mas a primeira brigada voluntária feminina da Serra do Amolar se formou com um número relevante de 12 participantes, considerando que o número de brigadistas permanentes totais de lá hoje são de 14 homens.

As mulheres que não puderam comparecer sofrem diariamente repressão dos maridos e não conseguem se desligar do serviço doméstico com seus filhos.

brigada feminina de incêndio no pantanal
Foto: Flavia Vitorino

O objetivo dessas mulheres que vivenciaram o fogo em 2020 era não somente aprender a lidar com os incêndios para proteger suas casas mas também atuarem como suporte das equipes locais que estão em ação, e por meio de doações, se equiparem com todos os EPI’s e equipamentos necessários para ação, como bombas costais e abafadores.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Períodos de seca mais severas, maiores temperaturas e descontrole para conter incêndios nas áreas mais remotas do bioma. Além da perda de vasta área nativa de preservação e de milhares de animais mortos prejudicando toda a cadeia ecológica, as comunidades da região da Serra do Amolar sofrem por falta de acesso, comunicação e estrutura. Essa é a realidade do Pantanal hoje.

Veja o vídeo:

Junto à Stone, viajamos o Brasil para mostrar negócios que muita gente acha que não daria certo na nossa terrinha – e dão! Veja o 1º EP da websérie E se fosse no Brasil?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM








Vítimas do fogo, mulheres pantaneiras formam a primeira brigada feminina de incêndio da Serra do Amolar 4

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,144,250SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

DANÇA CONTIGO – Um bate-papo com Fernanda Cunha, precursora do Yoga Dance no Brasil

Por Loraine Luz A combinação de yoga e dança brotou espontaneamente no coração de Fernanda Cunha. A partir daí, foi só seguir sua curiosidade, sempre...

Fantasiado de Kiko, vendedor conquista clientela e arrecada dinheiro para pagar universidade

Muitos estudantes precisam trabalhar e fazer um esforço gigantesco para pagar seus estudos, sempre em busca do sonho do diploma. Trabalhar e estudar ao mesmo...

Homem resgata bebê cervo afogando em rio e o devolve em segurança à sua mãe

Um vídeo divulgado nas redes sociais viralizou ao mostrar um homem realizando um ousado resgate de um bebê cervo. O mergulhador norte-americano Kenny Croyle estava...

Animais resgatados de fazendas pecuaristas correm de alegria

A Edgar’s Mission e seus voluntários tentam resgatar animais que vivem em condições ruins e inadequadas todos os dias. Depois de soltos, eles cuidam para que...

Projeto realiza lindos ensaios fotográficos para valorizar mulheres amputadas

Cacá Dominiquini, de Campinas (SP) tem 42 anos e trabalha como fotógrafa desde 2009. Seu sonho sempre foi realizar um projeto autoral. Com isso em...

Instagram

Vítimas do fogo, mulheres pantaneiras formam a primeira brigada feminina de incêndio da Serra do Amolar 5