Voluntária leva aulas de Yoga para mulheres da periferia de São Paulo e eleva autoestima

A arte-educadora Sophia Bisilliat utiliza a Yoga para resgatar a autoestima de mulheres nas periferias de São Paulo (SP).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Um dos objetivos é esse mesmo! Que elas se sintam cada vez melhores e mais satisfeitas com elas mesmas, felizes, com a autoestima alta. E se isso já dá resultado, é maravilhoso!”, conta Sophia.

Sophia pratica voluntariado há mais de 20 anos. Trabalhou inclusive com detentos do extinto Carandiru e de outros grandes presídios brasileiros desenvolvendo atividades de arte-educação.

Projeto resgata a autoestima de mulheres através da Yoga. Foto: Reprodução/Instagram @treinonalaje

“Eu só quero que elas tenham um tempo pra elas”

Depois que o Carandiru foi demolido, em 2002, Sophia foi para a favela. Realizou várias atividades e eventos em diferentes comunidades. Até que um dia uma amiga perguntou se ela dava aula de Yoga em favela. 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sophia respondeu que não, mas nascia ali o Treino na Laje. As aulas de Yoga acontecem na laje de uma casa da comunidade, sempre aos finais de semana: faça chuva ou faça sol, Sophia dá um jeito de estar lá!

Além da Yoga, o Treino na Laje supre outras necessidades dessas mulheres. Foto: Reprodução/Instagram @treinonalaje

O projeto começou tímido, com poucas alunas. Hoje, já tem Treino na Laje em quatro comunidades: no Capão Redondo (Cohab Adventista, Parque Independência, Jardim Imbé, todos os sábados, das 8h30 às 19h), onde foi o início de tudo, e no Jardim Guacuri, em Diadema, na Grande São Paulo, todos os domingos das 8h às 10h.

Foto: J. Wilson Persan

“Foi difícil achar um horário porque muitas trabalham; poucas não trabalham. A gente teve que achar um horário comum. E são todos os sábados, eventualmente também domingos. Eu chego lá umas 15h30, 16h, e saio, tipo, umas 20h. Eu só quero que elas tenham um tempo pra elas”, afirma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto: J. Wilson Persan

Através da prática da Yoga, a ideia é que essas mulheres olhem para si com um novo olhar: o olhar de que elas podem ser e fazer muito mais e de que uma mulher levanta a outra!

 

Ver essa foto no Instagram

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Uma publicação compartilhada por Treino na Laje (@treinonalaje) em

É incrível como Sophia precisou de uma laje literalmente! para causar uma revolução na autoestima de dezenas de mulheres! Mas não é apenas Yoga que Sophia oferece para suas alunas.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Treino na Laje (@treinonalaje) em

Foto: J. Wilson Persan

Foto: J. Wilson Persan

Sophia sempre está correndo atrás de voluntários para atender outras necessidades das alunas. São nutricionistas, psicólogos, dentistas, advogados, enfim, profissionais de diferentes áreas que dão um suporte extra para essas mulheres. Demais, gente!

“Eu sou muito ‘cara de pau’, né? Pergunto mesmo. O Instagram ‘tá’ me ajudando muito. Porque muita gente vê, e aí alguns se oferecem, e outros que não se oferecem eu peço. 😄 Eu vou pedindo, coisa que eu mais tenho é ‘cara de pau’”, brinca Sophia.

Foto: Reprodução/Instagram @treinonalaje

E sempre cabe mais gente, viu! Muita coisa bacana vem sendo feita, mas muita coisa precisa ser feita. Quem tiver interesse em ser parceiro do Treino na Laje pode entrar em contato com a Sophia pela página do projeto no Instagram.

[A história da Sophia e tantas outras de mulheres que ajudam mulheres fazem parte de um canal especial do Razões para Acreditar e O Boticário, para mostrar que #SomosFeitasDeTodas. Acesse mais histórias como essa aqui.]

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,572,983SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Papai cientista faz experimento com filha para mostrar importância de lavar as mãos

O cientista baiano Daniel Filho começou uma corrente nas redes sociais para mostrar que a ciência e o raciocínio crítico começam em casa e...

Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil

Indígena superou preconceitos em aldeia, conseguiu se formar após uma tumultuada adolescência e hoje é professora de alunos entre 6 a 14 anos.

Casal reconstrói mamilos e aréolas de pessoas que tiveram câncer de mama

“Quando eu vi o resultado e a felicidade dela, eu percebi que eu não podia cobrar por aquele serviço. Foi aí que comecei meu projeto."

Perdeu o iPhone no aeroporto, alguém encontrou, e deixou nos achados e perdidos

Quando digo que não sou o único a acreditar em pessoas melhores, cada vez mais pessoas estão reafirmando tudo isso. Nesse sábado, estava eu na...

Após apelo de mãe em redes sociais, ladrão devolve exames da filha com doença rara

Karis ficou tão emocionada que acabou abraçando a pessoa, sem nem pensar que poderia ter sido o ladrão. O coração de mãe falou mais alto.

Instagram