“Reuni um grupo de mulheres da favela para aprenderem a reformar suas próprias casas”

Durante a pandemia, Ester Carro, 27 anos, arquiteta, reuniu um grupo de mulheres para aprenderem a reformar suas próprias casas em Paraisópolis, São Paulo. Neste depoimento, ela conta como foi resgatar a importância de viver em comunidade.

“Nasci em Paraisópolis, uma das maiores favelas de São Paulo, e durante toda a minha infância vi as pessoas colaborando umas com as outras, repartindo um bolo, fazendo mutirão de limpeza ou ajudando a recuperar a casa de um vizinho que passou por uma enchente.

A vida em comunidade era a única forma de sobreviver, já que não podíamos contar com o poder público. Durante a pandemia, o resgate dessa vivência coletiva veio à tona. Diversas mulheres que viviam aqui no Jardim Colombo, parte do Complexo de Paraisópolis, trabalhavam como empregadas domésticas e, com a disseminação da covid-19, se viram sem trabalho, em casas muitas vezes precárias pela falta de recursos e de saneamento.

Perguntei então ao meu pai, que atua na construção civil, se ele toparia compartilhar com esse grupo de mulheres alguns conhecimentos sobre impermeabilização, revestimentos e pintura. Elaboramos uma aula teórica e, em seguida, íamos à casa de cada uma delas colocar em prática os conhecimentos adquiridos. Ao total, foram quatro casas e mais de quarenta ambientes reformados, incluindo espaços comuns do bairro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mutirão virou profissão

O que antes era apenas um mutirão acabou virando profissão para algumas delas, que passaram a viver da construção civil. Pelo menos 83 mulheres já fizeram a formação. O mais legal é que, depois dos encontros, a nossa relação continua. Discutimos juntas os problemas da comunidade e propomos soluções coletivas para lidar com eles.

A transformação só acontece quando cada um de nós se torna um agente, quando passamos a ser a mudança que queremos ver no mundo. Quando trabalhamos de forma conjunta, os resultados são maiores, mais rápidos e duradouros.”

Texto: Gabriela Portilho
Foto: Bruno Conrado

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #44, em julho de 2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

Lição de união familiar: “Ao expressar minhas emoções, ajudei meu pai a fazer o mesmo”

Neste depoimento, o jornalista Leonardo da Silva Filomeno, 36, de São Paulo, conta como aprofundou a convivência com o pai depois que passou a...

Em vez de envelhecer sozinhos, eles decidiram fundar a primeira “cohousing” para a terceira idade do Brasil

Derrubando tabus sobre envelhecimento, Bento da Costa Carvalho Jr, 75 anos, e Neusa da Costa Carvalho, 73, de Campinas (SP), juntaram um grupo para...

+ DO CANAL

Ela criou caderneta para empoderar agricultoras que não conheciam o valor do seu trabalho

Ao longo da história, os quintais foram vistos apenas como uma extensão da casa, um lugar de descanso e reunião entre amigos e familiares....

Casal decide conhecer todos os parques nacionais para chamar a atenção para a causa do meio ambiente

Ao se verem sozinhos diante de uma paisagem linda em um parque nacional, a psicóloga Letícia Pereira Alves, 37 anos, e o economista Dennis...

Ex-catadora de latinhas vira a primeira mulher negra latino-americana a chegar ao topo do Everest

Desde pequena, no bairro de Jardim Capivari, na periferia de Campinas (SP), Aretha Duarte aprendeu a buscar diferentes maneiras para superar as dificuldades e...

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

“Meus cachorros me ajudaram a sair da depressão”

Neste depoimento, Michele Oliveira, contadora e veterinária, de Camaçari (BA), conta como seus cãezinhos a ajudaram a atravessar um momento difícil e, de quebra, ainda...

Instagram