As mulheres que deram cor aos números da NASA

A palavra do momento é Representatividade, que significa representar os interesses de determinado grupo, classe social ou de um povo. E, como você deve ter ouvido falar recentemente, representatividade importa sim. Foi procurando exemplos de mulheres que pudessem emprestar seu nome para a sua filha que a microbiologista Nathalia Holt descobriu cientistas que foram deixadas de fora da história da exploração espacial dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Ouça essa inspiradora história! Clique no play acima!

Sua busca por representatividade resultou no livro “The Rise of the Rocket Girls: The Women Who Propelled Us, from Missiles to the Moon to Mars“, ainda sem tradução para o português, sobre a história de dezenas de mulheres que impulsionaram a exploração espacial e participaram de uma das missões mais importantes da história, como a ida do homem para a Lua em 1969.

Tudo começou na década de 1940, quando o JPL (sigla de Jet Propulsion Laboratory), laboratório responsável pelo desenvolvimento e manuseamento de sondas espaciais não tripuladas da NASA, gerido pela Caltech, Instituto de Tecnologia da Califórnia, recrutou “computadores humanos”.

Curiosamente, segundo conta o site BrainPickings, esses “computadores humanos” eram mulheres com habilidades avançadas em matemática que passavam oito horas por dia fazendo cálculos à lápis para lançar o primeiro satélite americano no espaço ou dirigir as primeiras missões de exploração do Sistema Solar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aos poucos, porém, suas histórias começam a aparecer. Isso porque além da distância dos holofotes, essas mulheres que trabalharam como “computadores humanos” para a NASA vivenciaram um conflito que se estende até hoje: como lidar com as ambições profissionais e as responsabilidades enquanto donas de casa e mães?

Nathalia lembra que nessa época elas eram chamadas de “querida” por seus colegas do sexo masculino, que eram intitulados “engenheiros, e que recebiam mais elogios por seus cortes de cabelo à moda Bette Davis do que por seus cálculos magistrais.

Cada uma delas deixaria de ser uma raridade na escola, aquela menina que se destaca em aulas de cálculo e química, para aderir a um grupo exclusivo de mulheres no JPL. As carreiras que estavam prestes a se lançar seriam diferentes de qualquer outra. Naquela época houve um reconhecimento pela NASA no passado.

Na época da celebração do cinquentenário do direito ao voto, um movimento maciço chamado Greve das Mulheres para a Igualdade eclodiu nos Estados Unidos pedindo por mais direitos para as mulheres que já eram maioria e “donas de casas escravizadas”. No JPL, os títulos das mulheres foram mudados: conhecidas como “computadores humanos”, elas passaram a ser chamadas oficialmente de engenheiras. Foi uma avanço tão grande quanto o homem pisando na Lua.

Esse capítulo dos “computadores humanos” na NASA tem um aspecto ainda mais interessante para a história da ciência espacial: várias dessas mulheres eram também negras.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2017, chegou aos cinemas o filme de Theodore Melfi, “Hidden Figures”. Baseado no livro de não-ficção de mesmo nome, de Margot Lee Shetterly, o filme conta a história das mulheres negras que ajudaram o Estados Unidos a ganhar a corrida espacial. A obra segue a história de Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughan (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monae), mulheres cientistas que foram cruciais para o início da NASA, o Projeto Mercury e o desembarque do homem na Lua em 1969.

Já o The Guardian lembra que muito embora parte dessa geração de cientistas negras tenham sido reconhecidas no ano de 2015, Katherine Johnson foi premiada com a maior honraria civil dos EUA, a Medalha Presidencial da Liberdade, pelo seu trabalho na NASA, que incluiu cálculos que ajudaram o pouso na Lua. O fato é que grande parte da equipe era composta por mulheres, sendo várias delas negras, e que pouco se sabe sobre isso ainda. Essa ausência não é por acaso.

Agora, a história dessas mulheres, brancas e negras, começa a ser contada para que as próximas gerações possam não apenas conhecê-las, mas também se verem representadas e, quem sabe, ajudar o ser humano, e não apenas o homem, a explorar ainda mais o espaço.

Foto: Divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,857,801SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Agricultora paraibana oferece lar temporário para animais resgatados: “Eles me ajudam a ser melhor”

Uma agricultora do interior da Paraíba transformou a sua paixão pelos animais em um ato concreto de amor. Dona Adelaide criou uma espécie de...

Menina de 16 anos vende os cabelos para comprar tanque de oxigênio para avô com Covid-19

A mexicana Ana Paola Romero tem apenas 16 anos e já está dando uma lição de empatia ao mundo. Vaidosa, estava deixando seus cabelos...

Estranhos se unem para salvar pessoas que caíam de um prédio em chamas na Suécia

Uma multidão de completos desconhecidos se reuniu para salvar pessoas de um prédio em chamas. Isso aconteceu em Gotemburgo, na Suécia, na noite de domingo...

Tecnologia cria “corredor de emergência” para vítimas de acidentes de trânsito

A tecnologia alerta os motoristas sobre o acidente, momentos depois dele acontecer.

Religiões afrobrasileiras passam a ter mesmos direitos de igrejas em Salvador

Religiões de matriz africana por muito tempo tiveram direitos jurídicos e administrativos negados. Os mesmos direitos que igrejas e templos de outras religiões já...

Instagram