Mulheres mutiladas voltam a ter prazer sexual após cirurgia desenvolvida por médica americana

A cirurgiã Ivona Percec, do Penn Medicine’s Center for Human Appearance, nos EUA, desenvolveu um procedimento cirúrgico para a reconstituição genital de mulheres mutiladas que é capaz de curar as dores emocionais e melhorar a função sexual.

Percec usou o procedimento em três mulheres, com idades entre 30 e 33 anos. Ela faz um apelo por mais respeito aos direitos das mulheres que sofreram essa experiência traumática em todo o mundo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Os cirurgiões plásticos têm um papel crucial nessa recuperação, e é importante os médicos estarem informados e preparados para atender às necessidades cirúrgicas e emocionais de mulheres que buscam esse atendimento”, disse Percec. “Nosso procedimento é simples, mas eficaz e pode ajudar as vítimas a restaurar seu sentido físico e psicológico de bem-estar.”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a Mutilação Genital Feminina (MGF) como “qualquer procedimento que intencionalmente altere ou cause prejuízo aos órgãos genitais femininos por razões não médicas e sem benefícios para a saúde”. Estima-se que 200 milhões de mulheres já foram submetidas a MGF no mundo inteiro, geralmente entre a primeira semana de vida e a adolescência, e muitas vezes pelos seus responsáveis. A mutilação genital das mulheres é comum em culturas da África, Oriente Médio e Ásia. Ela é reconhecida internacionalmente como uma violação dos direitos humanos.

As três mulheres que fizeram a cirurgia são de Serra Leoa, na África, e emigraram para os Estados Unidos recentemente. Elas não são casadas, mas foram submetidas à MGF pelos seus maridos quando ainda eram crianças. “Todas elas foram capazes de ter relações sexuais, mas sem prazer – geralmente com dor”, explicou Percec.

A médica acompanhou as pacientes por quase um ano e todas elas relataram que tiveram uma melhora na relação sexual e diminuíram a vergonha que sentiam dos seus parceiros. As três disseram que recomendam o procedimento para outras vítimas da MGF.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A mutilação genital feminina é uma violação dos direitos fundamentais das mulheres e crianças”, disse Percec. “Como nações ao redor do mundo trabalham para eliminar esse costume, os cirurgiões plásticos podem desempenhar um papel importante na recuperação física, emocional e psicológica das mulheres em todos os lugares”, finalizou Percec.

Com informações do GoodNews Network / Foto: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM








Mulheres mutiladas voltam a ter prazer sexual após cirurgia desenvolvida por médica americana 2

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,142,486SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Como a tecnologia ajuda atletas paralímpicos a superarem seus limites

Por onde passa a tecnologia transforma, e com os esportes paralímpicos não é diferente. No Brasil, em 2016, foi possível não apenas ver algumas...

Artista registra suas viagens pelo mundo com pinturas de aquarela

Viajar é uma das grandes paixões da artista húngara Lilla Shuch. E ela une com perfeição essa paixão ao talento para a pintura. Lilla começou...

21 Pit Bulls muito felizes a caminho de seus novos lares após adoção

O Razões para Acreditar apoia o Pit Bull Week organizado pelo Huffington Post, um esforço para acabar com os mitos e aumentar a conscientização sobre essa raça...

Vovô de 87 anos com doença terminal se forma na faculdade ao lado da neta

Nunca é tarde demais para realizarmos nossos sonhos e o aposentado René Neira, de 87 anos, é uma prova viva disso. Na segunda-feira passada (13),...

Série mostra crianças ao redor do mundo fazendo seu caminho para ir à escola

Existem muitas crianças no mundo, inclusive no Brasil que passam por uma série de dificuldades e até perigos para ir a escola, mas nunca...

Instagram

Mulheres mutiladas voltam a ter prazer sexual após cirurgia desenvolvida por médica americana 3