Mulheres mutiladas voltam a ter prazer sexual após cirurgia desenvolvida por médica americana

A cirurgiã Ivona Percec, do Penn Medicine’s Center for Human Appearance, nos EUA, desenvolveu um procedimento cirúrgico para a reconstituição genital de mulheres mutiladas que é capaz de curar as dores emocionais e melhorar a função sexual.

Percec usou o procedimento em três mulheres, com idades entre 30 e 33 anos. Ela faz um apelo por mais respeito aos direitos das mulheres que sofreram essa experiência traumática em todo o mundo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Os cirurgiões plásticos têm um papel crucial nessa recuperação, e é importante os médicos estarem informados e preparados para atender às necessidades cirúrgicas e emocionais de mulheres que buscam esse atendimento”, disse Percec. “Nosso procedimento é simples, mas eficaz e pode ajudar as vítimas a restaurar seu sentido físico e psicológico de bem-estar.”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a Mutilação Genital Feminina (MGF) como “qualquer procedimento que intencionalmente altere ou cause prejuízo aos órgãos genitais femininos por razões não médicas e sem benefícios para a saúde”. Estima-se que 200 milhões de mulheres já foram submetidas a MGF no mundo inteiro, geralmente entre a primeira semana de vida e a adolescência, e muitas vezes pelos seus responsáveis. A mutilação genital das mulheres é comum em culturas da África, Oriente Médio e Ásia. Ela é reconhecida internacionalmente como uma violação dos direitos humanos.

As três mulheres que fizeram a cirurgia são de Serra Leoa, na África, e emigraram para os Estados Unidos recentemente. Elas não são casadas, mas foram submetidas à MGF pelos seus maridos quando ainda eram crianças. “Todas elas foram capazes de ter relações sexuais, mas sem prazer – geralmente com dor”, explicou Percec.

A médica acompanhou as pacientes por quase um ano e todas elas relataram que tiveram uma melhora na relação sexual e diminuíram a vergonha que sentiam dos seus parceiros. As três disseram que recomendam o procedimento para outras vítimas da MGF.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A mutilação genital feminina é uma violação dos direitos fundamentais das mulheres e crianças”, disse Percec. “Como nações ao redor do mundo trabalham para eliminar esse costume, os cirurgiões plásticos podem desempenhar um papel importante na recuperação física, emocional e psicológica das mulheres em todos os lugares”, finalizou Percec.

Com informações do GoodNews Network / Foto: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,805,539SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após tirar empresa da falência, americana se torna primeira mulher a ter o maior salário de um CEO

Agora é que são elas. Pela primeira vez na história, uma mulher recebe o maior salário pago a um CEO, que significa diretor executivo...

Menina posa para releituras fotográficas de grandes mulheres negras: ‘Ela pode ser quem quiser’, diz mãe

Desde que adotou Ana Luiza, hoje com 9 anos, a cientista curitibana Márcia Mascarenhas busca trabalhar na autoestima e amor-próprio da menina. "Quero que...

Tribunal na Índia proíbe encarceramento de pássaros em gaiolas

O Tribunal Superior de Nova Deli determinou: “A venda de aves é uma violação dos seus direitos”, ou seja, pássaros em gaiolas agora serão considerados...

Quatro meninos são retirados da caverna na Tailândia: Esperança!

Quatro dos 12 garotos presos em uma caverna no norte da Tailândia foram resgatados e levados para hospital.

Abatido e “de luto”, médico pede testes com substância que pode combater o câncer

Na quinta-feira (1/10), antes de um encontro com parlamentares em Araraquara, no interior de São Paulo, o médico e pesquisador Renato Meneguelo comentou o...

Instagram

Mulheres mutiladas voltam a ter prazer sexual após cirurgia desenvolvida por médica americana 2