Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê

Mulheres unidas, dançando e tocando instrumentos de percussão, esbanjando alegria ao ritmo de samba reggae. A energia é de sororidade e empoderamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim é uma apresentação do Cores de Aidê, projeto que nasceu em 2015 no Morro do Quilombo, em Florianópolis, idealizado por Sarah Massí – atualmente regente e percussionista da banda.

O sonho de criar um espaço de troca entre mulheres, agregando as mais diversas personalidades, histórias, gerações e vivências se concretizou com êxito: em tão pouco tempo, o “Cores” já é um ícone cultural da cidade.

A arte feminina – e feminista – do grupo é contagiante, e suas letras nos inspiram a refletir sobre importantes temas como o racismo e o papel da mulher na sociedade.

Um abraço apertado entre as participantes do grupo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Origem do nome “Cores de Aidê”

Presente em cânticos de capoeira, Aidê é uma figura mitológica, representada por uma escrava africana, negra de olhos verdes e grande beleza. De grande coragem, ela teria escolhido fugir em vez de se casar com o “Senhorzinho” (mesmo em troca de liberdade). Em um quilombo,  ela encontra os negros irmãos e descobre um grande amor.

A escolha veio para simbolizar a força da mulher que não capitaliza valores e sentimentos nem teme ir contra a corrente. O termo “cores” traz vários significados: exclusões quando definimos as “cores de menina” e “cores de menino” e também quando definimos a cor de pele da “beleza padrão”.

Dança e ritmo contagiante na apresentação do grupo Cores de Aidê

Muito a oferecer

O ano de 2019 já veio com força total para o grupo. Foram diversas apresentações no Carnaval e apresentação-protesto no Dia da Mulher (aliás, esta que vos escreve esteve presente e pode dizer: foi lindo, de arrepiar!).

Mulheres com cartazes em protesto
Apresentação-protesto no Dia da Mulher

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ainda neste ano, teve início o Projeto Menina Aidê, com aulas de percussão, canto e dança para meninas. Levar a arte para a nova geração é mais uma contribuição positiva dessa iniciativa.

Fonte: Site Cores de Aidê e entrevista com a fundadora do grupo, Sarah Massí

Créditos fotos: Facebook e Felipe Carneiro/Diario Catarinense

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,495,414SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria biblioteca para proteger crianças das drogas e da prostituição

Um lugar onde crianças e adolescentes podem sonhar com um futuro longe das drogas, do alcoolismo e da prostituição.

Adolescente arrecada US$ 33 mil para morador de rua que devolveu carteira perdida de sua avó

Mikayla Gounard, de 12 anos, reconheceu da melhor forma a honestidade de um morador de rua que devolveu a carteira perdida da sua avó....

Filho faz linda homenagem em forma de tatuagem à mãe que morreu

Thomas Resch é um jovem norte americano de apenas 21 anos, mas que perdeu sua mãe, vítima de um ataque cardíaco recentemente e decidiu...

Conheça o artista que pinta e vende imagens de moradores de rua por um grande motivo

Brian Peterson é um artista da Califórnia que está mudando vidas. Em seu novo projeto de pintura, Faces of Santa Ana, Peterson pinta moradores de...

Cachorro passa 2 dias acompanhando cadela que estava ferida em linha de trem

Impressionante como ainda existem pessoas que acreditam que os animais não sentem e não amam. Essa história prova justamente o contrário! O que aconteceu...

Instagram