Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê

Mulheres unidas, dançando e tocando instrumentos de percussão, esbanjando alegria ao ritmo de samba reggae. A energia é de sororidade e empoderamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim é uma apresentação do Cores de Aidê, projeto que nasceu em 2015 no Morro do Quilombo, em Florianópolis, idealizado por Sarah Massí – atualmente regente e percussionista da banda.

O sonho de criar um espaço de troca entre mulheres, agregando as mais diversas personalidades, histórias, gerações e vivências se concretizou com êxito: em tão pouco tempo, o “Cores” já é um ícone cultural da cidade.

A arte feminina – e feminista – do grupo é contagiante, e suas letras nos inspiram a refletir sobre importantes temas como o racismo e o papel da mulher na sociedade.

Um abraço apertado entre as participantes do grupo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Origem do nome “Cores de Aidê”

Presente em cânticos de capoeira, Aidê é uma figura mitológica, representada por uma escrava africana, negra de olhos verdes e grande beleza. De grande coragem, ela teria escolhido fugir em vez de se casar com o “Senhorzinho” (mesmo em troca de liberdade). Em um quilombo,  ela encontra os negros irmãos e descobre um grande amor.

A escolha veio para simbolizar a força da mulher que não capitaliza valores e sentimentos nem teme ir contra a corrente. O termo “cores” traz vários significados: exclusões quando definimos as “cores de menina” e “cores de menino” e também quando definimos a cor de pele da “beleza padrão”.

Dança e ritmo contagiante na apresentação do grupo Cores de Aidê

Muito a oferecer

O ano de 2019 já veio com força total para o grupo. Foram diversas apresentações no Carnaval e apresentação-protesto no Dia da Mulher (aliás, esta que vos escreve esteve presente e pode dizer: foi lindo, de arrepiar!).

Mulheres com cartazes em protesto
Apresentação-protesto no Dia da Mulher

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ainda neste ano, teve início o Projeto Menina Aidê, com aulas de percussão, canto e dança para meninas. Levar a arte para a nova geração é mais uma contribuição positiva dessa iniciativa.

Fonte: Site Cores de Aidê e entrevista com a fundadora do grupo, Sarah Massí

Créditos fotos: Facebook e Felipe Carneiro/Diario Catarinense

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,993,160SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Moradores se mobilizam e reconstroem asilo destruído por enchente em menos de 24h (MG)

Ubaenses e pessoas de diversos lugares se mobilizaram para reconstruir asilo.

Marido apaixonado envia flores todos os dias à esposa internada com Covid no hospital

Com a pandemia do coronavírus, as relações estão sendo colocadas à prova. No entanto, se alguns casais estão sendo obrigados a aguentar a distância,...

Crianças aprendem inglês nas aulas de horta e reciclagem em Curitiba

Você já deve ter percebido que crianças aprendem inglês de forma muito mais fácil que pra nós adultos. A escola Phil Young’s English School criou um...

Estudantes criam linha direta para levar conforto a idosos solitários

O período prolongado de quarentena e distanciamento social pode ser bastante solitário, e talvez ainda mais para os idosos. A ausência de visitas de familiares...

Menino que desapareceu juntando latinhas para ajudar família recebe apoio de internautas

O menino Bryan estava juntando latinhas para comprar videogame, mas ao saber da dificuldade da família, decidiu abrir mão do sonho.

Instagram