Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê

Mulheres unidas, dançando e tocando instrumentos de percussão, esbanjando alegria ao ritmo de samba reggae. A energia é de sororidade e empoderamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim é uma apresentação do Cores de Aidê, projeto que nasceu em 2015 no Morro do Quilombo, em Florianópolis, idealizado por Sarah Massí – atualmente regente e percussionista da banda.

O sonho de criar um espaço de troca entre mulheres, agregando as mais diversas personalidades, histórias, gerações e vivências se concretizou com êxito: em tão pouco tempo, o “Cores” já é um ícone cultural da cidade.

A arte feminina – e feminista – do grupo é contagiante, e suas letras nos inspiram a refletir sobre importantes temas como o racismo e o papel da mulher na sociedade.

Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê 3
Um abraço apertado entre as participantes do grupo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Origem do nome “Cores de Aidê”

Presente em cânticos de capoeira, Aidê é uma figura mitológica, representada por uma escrava africana, negra de olhos verdes e grande beleza. De grande coragem, ela teria escolhido fugir em vez de se casar com o “Senhorzinho” (mesmo em troca de liberdade). Em um quilombo,  ela encontra os negros irmãos e descobre um grande amor.

A escolha veio para simbolizar a força da mulher que não capitaliza valores e sentimentos nem teme ir contra a corrente. O termo “cores” traz vários significados: exclusões quando definimos as “cores de menina” e “cores de menino” e também quando definimos a cor de pele da “beleza padrão”.

Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê 4
Dança e ritmo contagiante na apresentação do grupo Cores de Aidê

Muito a oferecer

O ano de 2019 já veio com força total para o grupo. Foram diversas apresentações no Carnaval e apresentação-protesto no Dia da Mulher (aliás, esta que vos escreve esteve presente e pode dizer: foi lindo, de arrepiar!).

Mulheres com cartazes em protesto
Apresentação-protesto no Dia da Mulher

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ainda neste ano, teve início o Projeto Menina Aidê, com aulas de percussão, canto e dança para meninas. Levar a arte para a nova geração é mais uma contribuição positiva dessa iniciativa.

Fonte: Site Cores de Aidê e entrevista com a fundadora do grupo, Sarah Massí

Créditos fotos: Facebook e Felipe Carneiro/Diario Catarinense

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,282,832SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Casal separado na Segunda Guerra Mundial se reencontra após 70 anos

A internet se emocionou com o reencontro de um casal que não se via há 71 anos. O ex-soldado norte-americano Norwood Thomas, 93, e...

Herói da vida real: Van Damme salva cachorro condenado à morte

Uma pequena cadelinha Chihuahua foi pega em fiscalização, pois seu dono a transportava com passaporte falso. O doguinho iria para a eutanásia, mas o...

Garoto de 2 anos escuta a voz de sua mãe pela primeira vez

Imagina você ouvir o som, a voz, os ruídos pela primeira vez? Esse garoto teve a sensação após fazer um implante, e a primeira...

Relato de pai sobre a paternidade diz muito sobre a maternidade

“A rotina de criar um filho é massacrante, por mais prazerosa que seja.”

Funcionária de hospital adota cão que passou 4 meses na porta esperando pelo dono

Estas histórias servem para nos lembrar que o amor entre os cães e seus donos é algo realmente inexplicável. Este cão amoroso passou 4...

Instagram

Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê 5