Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê

Mulheres unidas, dançando e tocando instrumentos de percussão, esbanjando alegria ao ritmo de samba reggae. A energia é de sororidade e empoderamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim é uma apresentação do Cores de Aidê, projeto que nasceu em 2015 no Morro do Quilombo, em Florianópolis, idealizado por Sarah Massí – atualmente regente e percussionista da banda.

O sonho de criar um espaço de troca entre mulheres, agregando as mais diversas personalidades, histórias, gerações e vivências se concretizou com êxito: em tão pouco tempo, o “Cores” já é um ícone cultural da cidade.

A arte feminina – e feminista – do grupo é contagiante, e suas letras nos inspiram a refletir sobre importantes temas como o racismo e o papel da mulher na sociedade.

Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê 3
Um abraço apertado entre as participantes do grupo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Origem do nome “Cores de Aidê”

Presente em cânticos de capoeira, Aidê é uma figura mitológica, representada por uma escrava africana, negra de olhos verdes e grande beleza. De grande coragem, ela teria escolhido fugir em vez de se casar com o “Senhorzinho” (mesmo em troca de liberdade). Em um quilombo,  ela encontra os negros irmãos e descobre um grande amor.

A escolha veio para simbolizar a força da mulher que não capitaliza valores e sentimentos nem teme ir contra a corrente. O termo “cores” traz vários significados: exclusões quando definimos as “cores de menina” e “cores de menino” e também quando definimos a cor de pele da “beleza padrão”.

Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê 4
Dança e ritmo contagiante na apresentação do grupo Cores de Aidê

Muito a oferecer

O ano de 2019 já veio com força total para o grupo. Foram diversas apresentações no Carnaval e apresentação-protesto no Dia da Mulher (aliás, esta que vos escreve esteve presente e pode dizer: foi lindo, de arrepiar!).

Mulheres com cartazes em protesto
Apresentação-protesto no Dia da Mulher

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ainda neste ano, teve início o Projeto Menina Aidê, com aulas de percussão, canto e dança para meninas. Levar a arte para a nova geração é mais uma contribuição positiva dessa iniciativa.

Fonte: Site Cores de Aidê e entrevista com a fundadora do grupo, Sarah Massí

Créditos fotos: Facebook e Felipe Carneiro/Diario Catarinense

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,844,630SeguidoresSeguir
24,858SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

GOL vai pagar cursos para jovem humilde realizar o sonho de pilotar avião

Gustavo é de família humilde, dificilmente conseguiria pagar os cursos para poder pilotar. A GOL deu aquele empurrão!

Ensaio fotográfico registra o envelhecimento de cães de diversas raças

A fotógrafa Amanda Jones registrou o envelhecimento de diversos cães em uma série intitulada “Anos Caninos”. De acordo com o Daily Mail, a artista que vive...

Pai pede para internautas retocarem uma foto de sua filha depois que ela faleceu

Nathen Steffel postou um pedido no site Reddit, ele gostaria de ver como sua filha, que havia falecido há pouco, ficaria numa foto sem...

10 dicas para controlar a ansiedade durante a pandemia

Se você chegou até aqui buscando ajuda, fique com a gente. Separamos dicas e técnicas que vão te ajudar a controlar a ansiedade nesse cenário.

Redeterapia simula posição intrauterina e ajuda na recuperação de bebês prematuros

A redeterapia consegue deixar o bebê mais aconchegado, simulando a posição intrauterina. Além disso, como o tecido é mais macio, exerce menos pressão sobre a pele do bebê evitando lesões.

Instagram

Mulheres se unem através de música e dança no projeto Cores de Aidê 5