“Ajudei as mulheres da minha comunidade a trocar o trabalho pesado da roça pela prazerosa produção de mel”

A organização e a união das abelhas inspiraram Manoel Pessoa de Brito, 66 anos, de Barreiros (PE), a criar um apiário coletivo com as mulheres da sua comunidade. No depoimento abaixo, ele conta detalhes sobre a experiência:

“Há mais de trinta anos, crio abelhas e me admiro com a divisão de tarefas, organização e senso de união desses animais. Quando fui realocado com minha família para o assentamento onde vivemos hoje, em Barreiros, no litoral sul de Pernambuco, as condições de vida eram difíceis.

Após séculos de monocultura de cana-de-açúcar, o solo não era dos melhores para o plantio. Pensando em formas de ajudar a comunidade a levantar recursos, montei o primeiro apiário do assentamento.

Reuni um grupo de vizinhos interessados em aprender apicultura, fui até a Universidade Federal Rural de Pernambuco e pedi à professora Renata Valéria, do departamento de zootecnia, que nos desse um curso para melhorar a produtividade dos nossos apiários.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Se fôssemos como as abelhas, viveríamos muito melhor”

Depois da formação, muitas mulheres do assentamento pegaram gosto pela apicultura e foram substituindo o trabalho na roça, que é bastante árduo, por viver do mel, mais prazeroso e rentável.

Hoje, nos dividimos nas tarefas: enquanto elas produzem e coletam o mel, eu construo os equipamentos, manejo o trator, transporto as caixas de abelhas e faço o envase do mel. Só neste ano, surgiram mais seis pessoas interessadas em se tornar novos apicultores, o que me traz muita alegria!

Tento sempre olhar para minha comunidade e entender como posso contribuir. Faço isso porque quero que todos vivam bem. Em troca, recebo a alegria de compartilhar o que sei e a amizade dos que estão ao meu redor. Se fôssemos organizados como as abelhas, viveríamos muito melhor e, como já dizia Roberto Carlos na canção O Progresso, aprenderíamos a ser civilizados como os animais.”

Texto: Gabriela Portilho
Foto: GN Filmes

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #44, em julho de 2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

Pesquisador cria ONG que preserva abelhas e se une à filha para levar esse conhecimento a escolas

Nem só de mel vivem as abelhas. Esses insetos polinizam 70% das culturas agrícolas que vão para o nosso prato e 85% das plantas...

“Meus pets me motivaram a seguir depois da morte da minha mãe”

Superar um luto é sempre um processo árduo. Ana Luísa Grosso, fotógrafa, de São Paulo, conta, neste depoimento, como a gata Mitzi e a...

+ DO CANAL

Ela criou caderneta para empoderar agricultoras que não conheciam o valor do seu trabalho

Ao longo da história, os quintais foram vistos apenas como uma extensão da casa, um lugar de descanso e reunião entre amigos e familiares....

Casal decide conhecer todos os parques nacionais para chamar a atenção para a causa do meio ambiente

Ao se verem sozinhos diante de uma paisagem linda em um parque nacional, a psicóloga Letícia Pereira Alves, 37 anos, e o economista Dennis...

Ex-catadora de latinhas vira a primeira mulher negra latino-americana a chegar ao topo do Everest

Desde pequena, no bairro de Jardim Capivari, na periferia de Campinas (SP), Aretha Duarte aprendeu a buscar diferentes maneiras para superar as dificuldades e...

“Tive uma depressão severa e cuidar das minhas plantas me motivava a sair da cama todos os dias”

Morando em São Paulo, em uma paisagem muito urbana, o barista gaúcho Taniel Kurtz, 36 anos, começou a sentir falta da natureza. Para resolver...

“Reuni um grupo de mulheres da favela para aprenderem a reformar suas próprias casas”

Durante a pandemia, Ester Carro, 27 anos, arquiteta, reuniu um grupo de mulheres para aprenderem a reformar suas próprias casas em Paraisópolis, São Paulo....

Instagram