Museu da Empatia volta com projeto apaixonante de Biblioteca Humana

Ano passado falamos aqui da Biblioteca Humana, que surgiu nos anos 2000, em Copenhagen, na Dinamarca.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Também já mostramos o apaixonante Museu da Empatia, que volta agora com um novo projeto de Biblioteca Humana.

A iniciativa vai ser dividida em duas partes. A primeira aconteceu no dia 25 de junho, e substituiu os livros por pessoas contando as histórias de suas vidas para os visitantes.

O objetivo desta etapa era trocar a palavra escrita pela experiência de olhar nos olhos. Perguntas são permitidas.

Era possível escolher entre três histórias de dez minutos. Quando o tempo acabava, alguém tocava um sino e assim era hora de ir para o próximo “livro vivo”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora vamos falar da segunda parte do projeto, que consiste em uma biblioteca mais próxima à tradicional.
Uma infinidade de livros em prateleiras para você escolher, porém, com um resumo na parede escrito pela pessoa que doou a leitura. E a regra foi clara: tinha que doar seu favorito!

Leia a matéria completa aqui.

Foto de capa: Philippe Ladvocat / Fonte: O Globo

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,520,475SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Unissex, plurissex: a moda sem gêneros

O debate sobre gêneros nas roupas não é de hoje. Vivienne Westwood, J.W. Anderson e Prada, já fazem uma análise dessa relação homem e mulher há...

Homem cria projeto de surf para crianças em comunidade violenta após ter melhor amigo morto por gangue

A dor ensina! Foi ela que levou o João Carlos, de 52 anos, a criar uma escola de surf em uma comunidade carente. Ele...

Arte e esporte fortalecem vínculos e abrem possibilidades para crianças e jovens

(Por Claudia Corbett) Os olhos de Beatriz brilham quando ela fala de balé clássico. Aos seis anos conheceu a dança no Centro Promocional Nossa Senhora...

Pai e todos os filhos têm ou tiveram algum tipo de câncer, mas não perdem o otimismo

O pai e o irmão de Bia tatuaram o nome da menina exatamente como ela assinava seus desenhos.

Instagram