Musicoterapia: o que é, como funciona e quais seus benefícios para a saúde

Você já deve ter lido ou ouvido falar sobre o uso da musicoterapia no tratamento de pacientes hospitalizados. Mas, afinal, o que é, como ela funciona, como a música atua sobre o cérebro e quais os benefícios da técnica?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O que é musicoterapia?

Segundo a Federação Mundial de Musicoterapia (World Federation of Music Therapy), a musicoterapia é definida como:

[…] é a utilização da música e/ou seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, num processo para facilitar e promover a comunicação, relação, aprendizagem, mobilização, expressão, organização e outros objetivos terapêuticos relevantes, no sentido de alcançar necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas.

Basicamente, musicoterapia é uma técnica que utiliza a música para ajudar a recuperar pacientes

Como funciona

Em geral, o paciente pode apenas escutar o musicoterapeuta ou participar ativamente da sessão. A musicoterapia pode, ainda, ser feita em grupo, onde mais de uma pessoa toca algum instrumento e participa da execução da canção. 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como a música atua sobre o cérebro

A música ativa várias regiões do cérebro, dentre elas o hipocampo, responsável pela memória. Por isso, a música é tão utilizada no tratamento de pacientes com doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer

Lembra da bailarina Marta C. González, que ao ouvir a música Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky, relembrou a coreografia que fazia quando estava nos palcos? Incrível!

bailarina relembra coreografia lago dos cisnes ouvindo cancão
Foto: reprodução

Outra área que chama a nossa atenção é a amígdala, constituída por um grupo de neurônios que regula as respostas emocionais. Um caso que talvez evidencie a atuação da música nessa região do cérebro é o do Jefferson, um jovem que perdeu os movimentos após sofrer um ataque homofóbico e que sorriu ao ouvir uma música da cantora Katy Perry.

Outro exemplo notável, semelhante ao do Jefferson, é o de um rapaz chamado Lucas, que saiu de um coma estimulado pela música ‘Hear me Now’, do DJ Alok. Me lembro também de um projeto que utiliza a música para confortar pacientes de hospitais do Rio de Janeiro, transmitindo mensagens de amor, paz, esperança, união e alegria.

Já um projeto no interior de São Paulo usa a música para amenizar o sofrimento de pessoas que vivem em situação de rua

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mais recentemente, conhecemos o lindo trabalho de uma musicista francesa que realiza pequenos concertos com seu violoncelo para pacientes terminais ou que estão passando por um momento de grande sofrimento, físico e psicológico.

Há anos, Claire visita o hospital Sainte-Perine, em Paris, semanalmente. Seus compositores favoritos são Franz Schubert e Johann Sebastian Bach, mas ela também incluiu Mozart, Brahms, Maghreb e muitos outros grandes nomes da música clássica em seu repertório, dependendo da escolha dos pacientes.

musicista toca violoncelo paciente hospital sessão musicoterapia
Claire tocando no hospital. Foto: reprodução

Jean-Marie Gomas, coordenador do Centro de Dor Crônica e Cuidados Paliativos, afirma: “Quando os pacientes a veem entrar, eles relaxam. Eles pedem que ela toque Schubert ou Mozart e ela os executa perfeitamente. Sua música agora é uma arte com funções terapêuticas.”

Benefícios da musicoterapia

Além das vantagens acima citadas, os usos da técnica com maior número de evidências científicas são:

Hipertensão: se o ritmo da música for mais lento, a tendência é a pressão cair, já que o coração tende a acompanhar as batidas das músicas.

Parkinson: percussões bem demarcadas ajudam no tremor e na marcha.

Autismo: brincadeiras com instrumentos contribuem para a socialização.

AVC: as letras e composições ajudam a relembrar palavras esquecidas.

Dor: pacientes que escutam música após algum procedimento cirúrgico consomem menos analgésicos.

Aprendizado: músicas e paródias ajudam a memorizar conteúdos difíceis de assimilar. 

Outros estudos comprovaram que a musicoterapia ajuda a aliviar a depressão em crianças e adolescentes.

Diz aí, você conhecia todos esses benefícios da musicoterapia? Conte pra gente também caso você tenha se recuperado de alguma doença com o auxílio da técnica 😉

O menino Davi tem apenas 11 anos e sonha em ser cantor de ópera para dar uma vida melhor à sua família. Vamos tornar este sonho realidade? Faça sua doação!

Fonte: Veja Saúde e Minuto Saudável| Foto de capa: Via

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,763,858SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Moradores de Igrapiúna (BA) ministram oficinas sobre seus saberes e fazeres quilombolas

A comunidade quilombola da Laranjeira, no município de Igrapiúna, vai mergulhar em sua própria cultura para multiplicar e registrar seus saberes e fazeres, durante...

Publicitário cria plataforma que lista empresas que incluem pessoas negras em suas campanhas

De acordo com o Instituto Locomotiva de Ricardo Meirelles, até o final de 2017, a comunidade negra brasileira terá movimentado aproximadamente R$ 1,62 trilhões...

Mulher viaja 3000 quilômetros até Curitiba para fazer doação de medula óssea para desconhecido

Amanda Geyza dos Santos Nogueira viajou incríveis 3.000 km (apenas de ida!) para fazer uma doação de medula óssea na qual se ofereceu como...

Brasileira lança aplicativo para alfabetização de crianças com autismo

Com sua fundação nos Estados Unidos, ela desenvolveu um jogo interativo que estimula a compreensão e desenvolvimento da linguagem, um dos maiores desafios para aqueles que convivem com os autistas.

Marca de bijouteria utiliza cabos descartados

Aliando seu talento com criação de jóias e a vontade de fazer algo contra o desperdício de materiais, Billie Van Nieuwenhuyzen, de Ghent, na...

Instagram