“Não tenho medo de expor que sou casado com uma travesti”, diz marido de militante trans

A matéria abaixo foi publicada originalmente no site NLucon, e escrita por Neto Lucon:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Rafael Dantas, de 21 anos, nunca teve medo de expor seu relacionamento com a transfeminista Geovana Soares, de 22 anos: “Não tenho medo de expor que sou casado com uma travesti”, diz.

Eles se conheceram cinco anos atrás, debaixo de uma tenda de festa junina, se protegendo da chuva. Enquanto se apertavam para não se molharem, Rafael, sem querer, pisou no pé de Geovana: “O pé debaixo é meu”, disse. Depois de um pedido de desculpas, eles voltaram para a festa, em Aracaju, Sergipe.

geovana1

Quando chegou em casa, depois da festa, Rafael buscou o perfil de Geovana no “Orkut” e “MSN”. Viraram amigos e se encontraram algumas vezes, mas nada além disso. Contudo, o sentimento por Geovana aumentava com o passar dos dias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Geovanna então convidou Rafael para conversar: “Ele estava muito sério e nervoso, e confessou que gostava de mim. Disse que vinha me amando em silêncio todo esse tempo, e que aquilo estava sufocando ele, mas que entenderia caso não fosse recíproco. Na hora eu fiquei tão sem reação que falei que amava ele também”, revela Geovana em entrevista para o site NLucon.

“Foi o que eu mais esperava: ‘Ser retribuído pelos mesmos sentimentos que eu tinha por ela’. Nessa conversa ela me falou tudo que pensava e sentia por mim, como também quis saber o que eu sentia e pensava sobre ela. Foi uma longa e emocionante conversa, sendo ela o início da nossa união e o momento que marcou nossas vidas”.

rafael-geovana

O casal mora junto há dois anos e cada dia é um aprendizado novo para ambos. Geovana diz que o mais complicado de ser casada com uma pessoa cisgênera é que ela muitas vezes não entende o peso que uma pessoa trans carrega no país que mais mata travestis e transexuais no mundo.

Já para Rafael o mais complicado é falar sobre questões que nunca teve contato. Ele confessa que antes de se relacionar com Geovana não sabia a melhor maneira de tratar uma travesti, se por “ele” ou por “ela”. É sempre por elA, gente!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele conta que se enche de orgulho quando Geovana dá palestras e conversa com pessoas disposta a entender mais sobre “travestilidade”. “Ela se sente tão feliz que chega a ser fofo a aparência dela. Vejo que luta pelo que ela representa e pelas outras travestis”.

Fotos: Javier Valado e Italo Cristóvão / Leia a matéria completa no site NLucon

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,095,548FãsCurtir
2,693,270SeguidoresSeguir
22,558SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Escola de Goiás educa meninos fora da cultura do machismo

A cultura do machismo ainda está enraizada em vários cantos do país do mundo, mas iniciativas começam a desconstruir tudo isso. Na Escola de Ser,...

Cabeleireira de 94 anos é contratada e faz sucesso com a clientela

Imagine perder o emprego no lugar onde você trabalhou durante 40 anos. Muitos provavelmente não saberiam mais o que fazer, não teriam aquele gás...

Em SP, Papai Noel usa rapel para presentear crianças com câncer

Um Papai Noel diferente: esbelto e radical desceu de rapel a sede do GRAACC, na Vila Clementino, Zona Sul de São Paulo, para entregar...

Pai se voluntaria como palhaço em hospitais e faz surpresa para filho internado

Luciano Oliveira é pai do Biel e se voluntariou como palhaço para fazer uma surpresa para o filho às vésperas de um transplante de medula óssea.

Você pagaria um sorvete para um desconhecido?

“Dizem que nós, seres humanos, somos egoístas…” e que não ligamos para nada que ultrapasse o nosso próprio umbigo. Pois bem, esta criativa e...

Instagram

“Não tenho medo de expor que sou casado com uma travesti”, diz marido de militante trans 2