NASA encontra provas: camada de ozônio está se recuperando

Clique e ouça:

A recuperação total da camada de ozônio pode levar décadas, mas estamos no caminho certo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A recuperação total da camada de ozônio, que protege a Terra da radiação solar, ainda pode levar décadas, mas a NASA deu provas de que a humanidade está no caminho certo para que esse dia não demore a chegar.

A agência liberou imagens de satélite que mostram que a proibição global dos compostos de clorofluorcarbono (CFC), antigamente usado em aerossóis e latas de refrigerantes, fez com que a destruição da camada de ozônio diminuísse 20% em relação a 2005.

A descoberta foi publicada na revista Geophysical Research Letters. “Vemos claramente que a concentração de cloro do CFC está decaindo, no buraco de ozônio, e que ocorre menos decréscimo de ozônio, em consequência”, afirma Susan Strahan, cientista do Goddard Space Flight Center da Nasa, uma das autoras do estudo

Strahan e sua colega Anne R. Douglas se basearam em dados coletados pelo Microwave Limb Sounder (MLS). Desde 2004, o aparelho está abordo do satélite Aura, medindo continuamente a temperatura e uma série de substâncias químicas na atmosfera inferior relacionadas à camada de ozônio, o efeito estufa e a mudança climática global.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O ozônio (O3) funciona como um filtro da radiação ultravioleta (UV). Sem ele, são grandes as chances de desenvolvermos doenças graves, como o câncer de pele e catarata. Os raios ultravioletas também prejudicam os estágios iniciais de desenvolvimento de animais marinhos, como os peixes e camarões, e reduz a produtividade do fitoplâncton, base da cadeia alimentar aquática, causando desequilíbrios no ecossistema marinho. 

A recuperação total da camada de ozônio é lenta porque o CFC tem ciclos de vida de 50 a 100 anos, portanto, ele permanece na atmosfera por um longo tempo. “O buraco deverá ter desaparecido por volta de 2060 ou 2080, e mesmo assim pode ser que ainda sobre uma pequena falha”, avalia Douglas.

Os cientistas descobriram o buraco em 1985. Dois anos depois, cerca de 150 países assinaram o Protocolo de Montreal, um tratado internacional sobre substâncias que destroem a camada de ozônio, com o compromisso de erradicar inteiramente a produção de CFC.

O documento foi ratificado em 1989 e desde então recebeu oito emendas – a última em 2016. Ao longo dos anos, o número de países que fazem parte do Protocolo de Montreal aumentou para 196, o que o torna o primeiro tratado universalmente ratificado na história das Nações Unidas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,027,050FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
12,017SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Engenheiro cria próteses gratuitas para pessoas carentes em impressora 3D

Aos 24 anos, o engenheiro industrial Guillermo Martinez decidiu usar todo seu conhecimento e criatividade em prol das pessoas carentes. Depois de comprar uma...

Pela primeira vez o Solstício de verão de Stonehenge será transmitido online

Pela primeira vez na história poderemos acompanhar o solstício de verão de Stonehenge online, o evento marca o dia mais longo do ano e...

Instagram