NASA encontra provas: camada de ozônio está se recuperando

A recuperação total da camada de ozônio pode levar décadas, mas estamos no caminho certo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A recuperação total da camada de ozônio, que protege a Terra da radiação solar, ainda pode levar décadas, mas a NASA deu provas de que a humanidade está no caminho certo para que esse dia não demore a chegar.

A agência liberou imagens de satélite que mostram que a proibição global dos compostos de clorofluorcarbono (CFC), antigamente usado em aerossóis e latas de refrigerantes, fez com que a destruição da camada de ozônio diminuísse 20% em relação a 2005.

A descoberta foi publicada na revista Geophysical Research Letters. “Vemos claramente que a concentração de cloro do CFC está decaindo, no buraco de ozônio, e que ocorre menos decréscimo de ozônio, em consequência”, afirma Susan Strahan, cientista do Goddard Space Flight Center da Nasa, uma das autoras do estudo

Strahan e sua colega Anne R. Douglas se basearam em dados coletados pelo Microwave Limb Sounder (MLS). Desde 2004, o aparelho está abordo do satélite Aura, medindo continuamente a temperatura e uma série de substâncias químicas na atmosfera inferior relacionadas à camada de ozônio, o efeito estufa e a mudança climática global.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O ozônio (O3) funciona como um filtro da radiação ultravioleta (UV). Sem ele, são grandes as chances de desenvolvermos doenças graves, como o câncer de pele e catarata. Os raios ultravioletas também prejudicam os estágios iniciais de desenvolvimento de animais marinhos, como os peixes e camarões, e reduz a produtividade do fitoplâncton, base da cadeia alimentar aquática, causando desequilíbrios no ecossistema marinho. 

A recuperação total da camada de ozônio é lenta porque o CFC tem ciclos de vida de 50 a 100 anos, portanto, ele permanece na atmosfera por um longo tempo. “O buraco deverá ter desaparecido por volta de 2060 ou 2080, e mesmo assim pode ser que ainda sobre uma pequena falha”, avalia Douglas.

Os cientistas descobriram o buraco em 1985. Dois anos depois, cerca de 150 países assinaram o Protocolo de Montreal, um tratado internacional sobre substâncias que destroem a camada de ozônio, com o compromisso de erradicar inteiramente a produção de CFC.

O documento foi ratificado em 1989 e desde então recebeu oito emendas – a última em 2016. Ao longo dos anos, o número de países que fazem parte do Protocolo de Montreal aumentou para 196, o que o torna o primeiro tratado universalmente ratificado na história das Nações Unidas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,640,029SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem amante dos cães cria projeto para salvar filhotes debilitados

Hoje um jovem com milhões de seguidores online, Matt Nelson era até três anos atrás apenas um rapaz que tinha por hobbie seu amor...

Surpresa inesquecível! Professor visita alunos disfarçado de entregador de pizza e as reações são as mais lindas!

Pedro Rodríguez é aquele professor que todo aluno ama e o vídeo deste post vai provar isso! Mais conhecido como Mister PJ, ele resolveu fazer...

Segurança tenta, mas não impede homem de pagar comida a menino

Segurança tentou impedir o jovem Kaique Sofredine de comprar uma refeição para um garoto em situação de vulnerabilidade social.

Catadores de recicláveis ganham biblioteca infantil em Itaguaí (RJ)

Catadores de material reciclável de Itaguaí ganharam uma biblioteca comunitária que vai atender crianças de 4 a 10 anos.

Cachorra heroína soa alarme e salva pessoas durante incêndio em celeiro histórico nos EUA

E tem gente que ainda tem coragem de dizer que os animais não têm inteligência! Nos Estados Unidos, um celeiro construído há mais de...

Instagram