Navio movido exclusivamente a vento pode revolucionar o transporte marítimo

Uma empresa de transporte marítimo apresentou o projeto do primeiro navio cargueiro do mundo movido exclusivamente a vento e isso trouxe muitas expectativas para setor!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Oceanbird (“pássaro do oceano”, em português) vem como uma iniciativa bastante positiva para combater a poluição, as mudanças climáticas e o aquecimento global.

Como vai funcionar o Oceanbird?

O navio é constituído de cinco velas de aço, que parecem asas de um avião. Quando são içadas, elas alcançam uma altura de até 105 metros de altura acima do nível do mar, conseguindo capturar a força do vento. É exatamente essa força que vai impulsionar o navio no oceano.

A mecânica do Oceanbird trará uma reedução de 90% no consumo de combustível para transportar uma carga através do oceano, diminuindo consequentemente a poluição.

O navio também até conta com um motor à combustão, mas será usado apenas para auxiliar nas manobras nos portos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

oceanbird

O navio

A estimativa é que o o governo sueco tenha investido 27 milhões de coroas suecas (cerca de 16,4 milhões de reais) para o desenvolvimento do Oceanbird.

O projeto é liderado pela Wallenius Marine, empresa de transporte marítimo do país, em conjunto com o Instituto Real de Tecnologia de Estocolmo e o instituto de pesquisa SSPA.

Todo o navio possui 200 metros de comprimento e 45 metros de largura. O protótipo foi pensado para o transporte de carros, caminhões e outros tipos de veículos.

De acordo com os responsáveis pelo projeto, o Oceanbird terá capacidade de transportar nada menos que 7.000 automóveis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Poluentes

O Oceanbird se tornou muito importante, principalmente, por ser um projeto que ajuda no combate à poluição, algo que a Suécia tenta reverter desde o ano passado.

Atualmente no mundo, o transporte marítimo é responsável por 3% das emissões de CO2 no planeta.

O objetivo da Organização Internacional Marítima (IMO), agência ligada à ONU, é conseguir reduzir em até 50% as emissões de gases do efeito estufa do setor marítimo até 2050, numa comparação aos níveis divulgados em 2008.

O Oceanbird não é um navio cargueiro dos mais velozes, mas será o que causa menos impacto no aquecimento global.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por isso, o tempo de transporte não se tornou um problema. Hoje, um navio comum leva cerca de 8 dias para fazer uma travessia pelo principais portos do mundo. Com o novo navio, a média seria aumentada para 12 dias. São 4 dias a mais, mas com menos prejuízo ao planeta.

Assista ao vídeo sobre o protótipo:

FONTE: A Soma de Todos os Afetos

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,644,941SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vacas felizes e libertas

Vocês já viram vacas felizes? Já pensaram que esses animais tão pacatos transmitem, sim, o que estão sentindo? A grande prova disso é esse vídeo que...

Esta mochila solar é capaz de armazenar luz para crianças da África estudarem a noite

Em comunidades de baixa renda na África do Sul, muitas crianças nem sequer têm o luxo de fontes confiáveis de luz. Além de ter...

Mattel lança linha de bonecas Barbie produzidas com 90% de plástico reciclado dos oceanos

A Mattel, maior fabricante de brinquedos do mundo, lançou nesta semana a primeira linha de bonecas Barbie produzidas com 90% de plástico reciclado dos...

Pai desenha roupas de banho para meninas trans como a sua filha se sentirem confortáveis e confiantes

Jami Alexander é pai Ruby, uma menina transgênero de 12 anos e que nunca se sentiu confortável vestindo roupas “de menino”. Por muitos anos, quando...

Hospital organiza sessão de fotos com bebês da UTI Neonatal e o resultado é comovente

A angústia e o sofrimento de pais de bebês que estão na UTI deram lugar à alegria e felicidade no Hospital Regional da Ceilândia, no Distrito Federal.

Instagram