“NEOQUEAV”: Neta faz lindo relato sobre amor infinito que seus avós tinham

Essa é uma daquelas histórias de amor que emocionam do início ao fim. É sobre as coisas simples que renovam o amor do casal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Às vezes, faltam aos casais palavras para expressar o tamanho desse amor. Na falta delas, podemos inventar uma palavra totalmente nova, por que não? Pode ser “NEOQUEAV”.

A história por trás da palavra foi compartilhada pela página no Facebook Aquela Felicidade, nesta quarta-feira (24). Até o fechamento desta matéria, o post já tinha mais de 100 mil reações e mais de 70 mil compartilhamentos.

NEOQUEAV era o nome de um jogo que os avós da autora da história jogavam. “A regra do jogo era que um tinha que escrever a palavra ‘Neoqueav’ num lugar inesperado para o outro encontrar e assim quem a encontrasse deveria descrevê-la em outro lugar e assim sucessivamente.”

“Pedacinhos de papel com “Neoqueav” rabiscado apareciam grudados no volante do carro que eles dividiam. Os bilhetes eram enfiados dentro dos sapatos e deixados debaixo dos travesseiros.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A mulher que aparece na foto do post, com a tatuagem da palavra Neoqueav, não é a neta dos avós que jogavam o jogo, que nada mais era do que uma forma do casal reafirmar o amor que um sentia pelo outro: a qualquer hora do dia e em qualquer lugar.

Após conhecer a história e se emocionar muito, como todos nós, a Rafaela Tulino decidiu tatuar a palavra Neoqueav junto com um coração.

Confira a história na íntegra:

NEOQUEAV

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Meus avós já estavam casados há mais de cinqüenta anos e continuavam jogando um jogo que haviam iniciado quando começaram a namorar.
A regra do jogo era que um tinha que escrever a palavra “Neoqueav” num lugar inesperado para o outro encontrar e assim quem a encontrasse deveria escrevê-la em outro lugar e assim sucessivamente.
Eles escreviam “Neoqueav” com os dedos no açúcar dentro do açucareiro ou no pote de farinha para que o próximo que fosse cozinhar a achasse.
Escreviam na janela embaçada pelo sereno que dava para o pátio onde minha avó nos dava pudim que ela fazia com tanto carinho. “Neoqueav” era escrita no vapor deixado no espelho depois de um banho quente, onde a palavra iria reaparecer depois do próximo banho.
Uma vez, minha avó até desenrolou um rolo inteiro de papel higiênico para deixar “Neoqueav” na última folha e enrolou tudo de novo.
Não havia limites para onde “Neoqueav” pudesse surgir.
Pedacinhos de papel com “Neoqueav” rabiscado apareciam grudados no volante do carro que eles dividiam. Os bilhetes eram enfiados dentro dos sapatos e deixados debaixo dos travesseiros.
Esta misteriosa palavra tanto fazia parte da casa de meus avós quanto da mobília. Levou bastante tempo para eu passar a entender e gostar completamente deste jogo que eles jogavam.
Meu ceticismo nunca me deixou acreditar em um único e verdadeiro amor, que possa ser realmente puro e duradouro.
Porém, eu nunca duvidei do amor entre meus avós. Este amor era profundo. Era mais do que um jogo de diversão, era um modo de vida. Seu relacionamento era baseado em devoção e uma afeição apaixonada, igual as quais nem todo mundo tem a sorte de experimentar.
O vovô e a vovó ficavam de mãos dadas sempre que podiam.
Roubavam beijos um do outro sempre que se batiam um contra outro naquela cozinha tão pequena.
Minha avó cochichava para mim dizendo o quanto meu avô era bonito. Ela se gabava de dizer que sabia como pegar os namorados mais bonitos.
Antes de cada refeição eles se reverenciavam e davam graças a Deus por sermos uma família maravilhosa e para continuarmos sempre unidos.
Mas uma nuvem escura surgiu na vida de meus avós: minha avó tinha câncer de mama.
A doença tinha primeiro aparecido dez anos antes. Como sempre, vovô estava com ela a cada momento. Ele a confortava no quarto amarelo deles, que ele havia pintado dessa cor para que ela ficasse sempre rodeada da luz do sol, mesmo quando ela não tivesse forças para sair.
O câncer agora estava de novo atacando seu corpo. Com a ajuda de uma bengala e a mão firme do meu avô, eles iam à igreja toda manhã. E minha avó foi ficando cada vez mais fraca, até que, finalmente, ela não mais podia sair de casa.
Por algum tempo, meu avô resolveu ir à igreja sozinho, rezando a Deus para zelar por sua esposa. Então, o que todos nós temíamos aconteceu…
Vovó partiu…
“Neoqueav” foi gravada em amarelo nas fitas cor-de-rosa dos buquês de flores do funeral da vovó.
Quando os amigos começaram a ir embora, minhas tias, tios, primos e outras pessoas da família se juntaram e ficaram ao redor da vovó pela última vez.
Vovô ficou bem junto do caixão da vovó e, num suspiro bem profundo, começou a cantar para ela.
Através de suas lágrimas e pesar, a música surgiu como uma canção de ninar que vinha bem de dentro de seu ser.
Me sentindo muito triste, nunca vou me esquecer daquele momento.
Porque eu sabia que mesmo sem ainda poder entender completamente a profundeza daquele amor, eu tinha tido o privilégio de testemunhar a beleza sem igual que aquilo representava.

Aposto que a esta altura você deve estar se perguntando:

“Mas o que Neoqueav significa?”.

Nunca Esqueça O Quanto Eu Amo Você ❤”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto: Rafaela Tulino

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,829,971SeguidoresSeguir
24,609SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professor compra ônibus e vira motorista para alunos não desistirem da escola

Rajaram é mais do que o professor de ciências e matemática das crianças.

Você sabe quanto sangue é desperdiçado por preconceito? Esta ação mostra de forma impactante

"O Brasil desperdiça mais de um caminhão cheio de sangue todo dia por puro preconceito", diz a mensagem espalhada pelo movimento global de defesa dos...

Lâmpada movida a algas dispensa eletricidade e ainda ajuda a despoluir o ar

A invenção da lâmpada movida a algas, capaz de despoluir ambientes e de produzir luminosidade sem uso de eletricidade foi inventada pelo bioquímico francês Pierre Calleja.

Mineiro vence preconceito, se forma em universidade americana e volta vitorioso

Após quatro anos estudando nos Estados Unidos, Alayê de Brito, 26 anos, retornou ao Brasil com o diploma do Colégio Spring Hill em mãos. Alayê...

Escola pública inova ao empoderar alunos com projetos sustentáveis e colaborativos

A Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Joaquim de Lima Avelino, a cada ano destaca-se com seus promissores projetos, tornando-se um exemplo para...

Instagram

"NEOQUEAV": Neta faz lindo relato sobre amor infinito que seus avós tinham 4