Nesta aldeia indiana, o nascimento de uma menina é celebrado com o plantio de 111 árvores

Em Rajastão, a aldeia indiana de Piplantri comemora o nascimento de meninas de uma forma muito única e especial: plantando 111 árvores.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Já são 9 anos de tradição e mais de 286 mil árvores plantadas.

Essa iniciativa nasceu em 2006 após o governo de Shyam Sundar Paliwal criar um pacote de medidas para reduzir a quantidade de abortos de bebês do sexo feminino, fato que occoria muito por questões religiosas.

Mas não é só isso. Para valorizar as mulheres, preservar a infância e adolescência, os pais assinam uma declaração garantindo que as filhas não se casarão até os 18 anos de idade, além de cuidar das mudinhas plantadas até sua maturidade.

“A menina é considerada um fardo, pois na maior parte do estado de Rajastão, como em muitas outras partes do país, o casamento é uma proposta cara. A proposta era dar aos pais uma sensação de segurança financeira”, explicou o ex-sarpanch (autoridade local), Paliwal, em declaração ao site Hindustan Times.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cada família recebe 31 mil rúpias, sendo dois terços do dinheiro através de doações dos próprios aldeões e o restante do governo.

Embora em 2010 essa atitude tenha deixado de ser obrigatória, a tradição pegou e a maioria das pessoas continua a pratica-la.

1

944864_757571027675710_8694514472425904636_n-1

Piplantri-plantação-árvores-nascimento-menina

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Unknown

Fonte: CicloVivo

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,258,127SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Em campeonato de futebol para homens gays, equipe afeminada ganha primeira edição

Oito times de diferentes estados participaram da primeira edição do torneio.

A educação como caminho para combater a intolerância de gênero

“Acredito que o primeiro passo é desconstruir a ideia de que existe "coisa de menino" e "coisa de menina", azul pra um e rosa...

‘Holocausto sírio’: 8 maneiras práticas de ajudar as vítimas da guerra em Alepo

Cada um de nós pode dar a essas pessoas uma razão para acreditar que os bons são a maioria. É o momento de sermos solidários com as vítimas dessa tragédia de dimensões intoleráveis.

Manicure orgulhosa da sua humilde casa viraliza no Tik Tok e internautas criam vaquinha

Você já agradeceu pelas coisas que tem hoje? A manicure Rosy agradece todos os dias por dormir e acordar na humilde casinha que ela...

Mãe que vivia em abrigo com filho vai finalmente ter uma casa graças ao apoio de mais de 700 transformadores

A vida de Vani Miranda nunca foi fácil, mas agora as coisas finalmente estão começando a mudar! A jovem mãe vivia em um abrigo...

Instagram