Início Tecnologia Pesquisadores ingleses criam neurônios artificiais para tratar o Mal de Alzheimer

Pesquisadores ingleses criam neurônios artificiais para tratar o Mal de Alzheimer

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Bath, no Reino Unido, conseguiu reproduzir a atividade biológica dos neurônios usando chips de silicone. O feito pode trazer luz ao tratamento contra o Mal de Alzheimer.

Batizados de “neurônios artificiais”, os chips requerem uma quantidade muito, muito pequena de energia para funcionar, o que é uma vantagem.

Milhares deles em funcionamento simultâneo podem curar lesões na medula espinhal, no coração e no cérebro.

Tratamento contra o Alzheimer

O estudo da Universidade de Bath chegou à conclusão que uma quantidade considerável de neurônios na base do cérebro não trabalham adequadamente, pois não enviam os sinais corretos para os órgãos, como o coração, que por sua vez não bombeia tão forte quanto deveria – ocasionando as doenças cardíacas.

Leia tambémVovô com Alzheimer lembra música feita por neto em sua homenagem

Na fase de prototipagem dos chips, os pesquisadores tiveram que criar modelos para tentar elucidar como neurônios específicos respondiam a certos estímulos elétricos. Eles tentaram imitar a resposta dos neurônios a uma variedade de estímulos, conseguindo com sucesso a dinâmica dos neurônios e do hipocampo em ratos.

“Nosso trabalho é paradigmático porque fornece um método robusto para reproduzir as propriedades elétricas de neurônios reais em mínimos detalhes”, disse o principal autor do estudo, Alain Nogaret, do Departamento de Física da Universidade de Bath.

neurônios artificiais tratamento Mal de Alzheimer

Nogaret explica que a abordagem do estudo combina várias descobertas. “Podemos estimar com precisão os parâmetros que controlam o comportamento de qualquer neurônio. Criamos modelos físicos do hardware e demonstramos sua capacidade de simular com êxito o comportamento de neurônios vivos reais. Nosso terceiro avanço é a versatilidade do nosso modelo, que permite a inclusão de diferentes tipos e funções de uma variedade de neurônios mamíferos complexos”, diz.

Os neurônios artificiais podem ser ser miniaturizados e implantados, permitindo uma vasta gama de possibilidades para a comunidade médica.

Leia também: Estudo brasileiro aponta que folha de pitangueira pode combater Alzheimer

“Por exemplo, estamos desenvolvendo marcapassos inteligentes que não apenas estimulam o coração a bombear a um ritmo constante, mas usam esses neurônios para responder em tempo real às demandas impostas ao coração – o que acontece naturalmente em um coração saudável”, afirma Nogaret.

“Outras possíveis aplicações poderiam ser no tratamento de doenças como Alzheimer e doenças degenerativas neuronais de maneira mais geral”, conclui o pesquisador.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: SNB/Fotos: Reprodução/Techxplore

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

982,391FãsCurtir
1,679,634SeguidoresSeguir
8,247SeguidoresSeguir
11,000InscritosInscrever

+ Lidas

Designer da UFMG cria embalagem sustentável de pasta de dente que pensa fora da caixa – literalmente!

Um projeto acadêmico liderado por Allan Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), repensa a maneira como as embalagens são dispostas aos consumidores...

Mãe pede pizza só para ver o filho entregar no primeiro dia de trabalho

Lindo gesto de amor da mãe para incentivar o filho no novo trabalho!

Pesquisadora de Manaus desenvolve plástico biodegradável a partir do cará

Quem já comeu sabe o quanto o cará é saboroso. O tubérculo, que é bem parecido com o inhame, é rico em fibras e...

Casal gay adota bebê com HIV que foi rejeitada por 10 famílias

Pouco depois de nascer, Olivia foi abandonada em um orfanato. Na fila de adoção, foi rejeitada por 10 famílias. O motivo? A menina é...

Pesquisadores do Paraná criam membrana capaz de desenvolver pele e ossos

O futuro da medicina está cada vez mais próximo do presente. No Paraná, pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina criaram uma membrana que é...

Instagram