O hip-hop como uma ferramenta de transformação social em Uganda

Se procurarmos um pouco encontraremos na internet muitos casos de esportes/dança que mudaram a realidade de jovens no Brasil e no mundo. Mas como não seria diferente do que postamos aqui no RPA, este caso tem suas particularidades.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estamos falando de um projeto que se intitula Breakdance Project Uganda, que teve inicio em 2006 com a iniciativa de um homem chamado Abraham “Abramz” Tekya.

hiphop

Abramz levou para o, várias vezes citado, “pior lugar para uma criança viver” toda a sua paixão e conhecimento sobre HIP HOP, a fim de auxiliar os jovens que viviam em situação de risco em Uganda (e aqui cabe esclarecer que não só financeiramente, mas também por conviverem diretamente com o vírus da AIDS) a terem uma vida de maior autonomia, equilíbrio emocional, responsabilidade e com vontade de criar um futuro diferente.

O mais interessante do projeto é que é centrado na premissa de que TODOS podem ensinar e aprender. Voluntários fazem o papel de direcionadores para seguir uma linha, mas o ensino é interativo, no qual um aprende e é capaz de ensinar a outro, as crianças, além da dança, tem em suas classes acesso a músicas e a arte de outros países.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dominar alguma técnica de dança aumenta a auto-estima, e o estímulo dado a ensinar colabora para que estas crianças que antes poderiam se ver como frágeis ou serem postas de lado, se empoderem e sigam suas vidas com a responsabilidade de saber que um ato pode abranger muita gente, e que pessoas fazem seu ambiente, e não o contrário.

Alguns podem se perguntar: Por quê o Hip Hop e não uma dança local?

Bom, Abramz é um adepto da cultura e da música Hip Hop e usou sua expertise e talento para o bem. E é isso que importa. Fazer o melhor com o que temos. E atingir o maior número de pessoas possível. Abaixo, o trailer de um documentário que conta a história do projeto:

1150140_724232554305922_8987630767643319865_n 1957996_643452889050556_23862448_n 10155587_671231369606041_7201487040525277532_n 10277717_687372867991891_377810791259672264_n 10341875_687373331325178_1378463879558563601_n 10342760_731175286944982_2541200507499660722_n 10371382_686489184746926_5641751274714070510_n 10559789_730984843630693_2161568270343330305_n

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Acompanhe o projeto pela Fanpage aqui.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,836,848SeguidoresSeguir
24,786SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menina com tumor no rosto encontra apoio nas redes sociais: ‘Ela não queria se olhar no espelho’

A pequena Vitória tem 6 anos e acumula mais de 31 mil seguidores no Instagram. Ela é um sucesso nas redes sociais, esbanjando estilo...

Dia Mundial das Doenças Raras incentiva conhecimento sobre o tema que afeta mais de 13 milhões de brasileiros

Para mostrar a importância de falar sobre doenças tão raras e tão pouco conhecidas, criou-se o Dia Mundial das Doenças Raras.

“Chef dos Pobres”: vovô de 90 anos cozinha todos os dias para pessoas em situação de rua, em Roma

Há 15 anos, Dino Impagliazzo foi parado por uma pessoa em situação de rua, que lhe pediu um café. Ele tentou levar o homem...

Jovem vende água no sinal para pagar a faculdade e realizar seu grande sonho

O jovem Elias, de 20 anos, vende garrafinhas de água no sinal para pagar a faculdade. Sua rotina é corrida: ele vende água das...

70 anos depois da morte do amado na Segunda Guerra Mundial, idosa encontra seu diário em um museu

Há certos fatos que superam qualquer ideia de romantismo que possa aparecer na ficção. A história de Laura Mae David Burlingame, de 90 anos,...

Instagram

O hip-hop como uma ferramenta de transformação social em Uganda 3